Adolescentes

O UNICEF trabalha para que cada adolescente viva plenamente a adolescência, se desenvolva integralmente e participe ativamente das decisões que impactam sua vida.

Grupo de adolescentes que participam de projeto do UNICEF em Manaus
UNICEF/BRZ/Danielle Pereira

Situação no Brasil

Nos últimos anos, o Brasil se empenhou em garantir os direitos de todas as crianças na primeira década da vida, com resultados importantes. Entretanto, nem todo o investimento se consolidou na segunda década da vida.

O País ampliou o acesso à educação, mas milhares de adolescentes deixam a escola anualmente. O trabalho infantil foi reduzido, mas muitos meninos e meninas de 12 a 17 anos trabalham de forma precária, sem acesso a programas de aprendizagem e sem direitos garantidos.

Por fim, o Brasil reduziu a mortalidade infantil, mas muitas das crianças que foram salvas são vítimas de homicídio na adolescência.

Para enfrentar esses desafios, é fundamental entender o potencial da adolescência e investir nela.

A segunda década da vida é uma fase de desenvolvimento extraordinária. É o momento em que o adolescente desenvolve a autonomia, sai do universo familiar e passa a decidir por si próprio. É a fase da interação e da criação de redes. E é, principalmente, a hora de construir a própria identidade.

Os adolescentes têm um jeito próprio de ser, de se expressar e conviver. São criativos, têm enorme vontade e capacidade de aprender e de contribuir. Devem ser vistos, portanto, como uma grande oportunidade para o Brasil.

Adolescência no Brasil

infográfico com dados sobre adolescência
infográfico com dados sobre adolescência

Principais iniciativas do UNICEF no Brasil

Núcleos de Cidadania de Adolescentes
Os municípios participantes do Selo UNICEF são convidados a implantar núcleos de Cidadania de Adolescentes. São grupos de, no mínimo, 16 adolescentes que se organizam em rede, discutem questões importantes para seu desenvolvimento, implementam ações e levam suas reivindicações à gestão pública municipal.

Redes de Adolescentes
O UNICEF fomenta a criação de redes de adolescentes, de acordo com afinidades e temas de cada grupo, para que meninos e meninas de diversas partes do País possam se conectar, trocar experiências e se engajar.

Internet Segura
O UNICEF promove a participação de adolescentes via internet e possibilita o debate sobre segurança online. Entre as ações, estão o Caretas, uma experiência virtual para ajudar adolescentes e jovens a compreender os riscos do ambiente online; o U-Report, plataforma de engajamento online; e campanhas, como a Internet sem Vacilo, e propostas de inovação para o uso seguro da internet.

Saúde Sexual e Reprodutiva
O UNICEF investe na promoção dos direitos sexuais e reprodutivos dos adolescentes. Em Belém (PA), Recife (PE) e Salvador (BA), desenvolve o projeto Hoje Menina, Amanhã Mulher, voltado ao empoderamento de meninas. O tema faz parte, também, das ações propostas pelo Selo UNICEF.

Esporte para o Desenvolvimento
O UNICEF trabalha para garantir o direito ao esporte e ao lazer para cada criança e adolescente. Enquanto promove o direito ao esporte seguro e inclusivo, busca garantir outros direitos, em especial o direito à educação e à inclusão.

Três adolescentes participantes de projeto do UNICEF no Semiárido estão em pé atrás de uma mesa com publicações e folhetos
UNICEF/BRZ/Bruna Monteiro

ALGUNS RESULTADOS

  • Até janeiro de 2018, 461 municípios capacitados para mobilização de adolescentes na edição do Selo UNICEF 2017-2021.
  • 12 mil adolescentes mobilizados via U-Report.
  • Quase 1 milhão de usuários participantes da experiência do Caretas.
  • 1.149 professores capacitados na promoção do esporte para o desenvolvimento.
  • 13 redes de adolescentes de todo o País mobilizadas.

O QUE MAIS PLANEJAMOS FAZER

  • Capacitar gestores dos 1.924 municípios inscritos no Selo UNICEF para formular políticas específicas para adolescentes vulneráveis ou excluídos.
  • Desenvolver projetos para adolescentes em atraso escolar, em risco de deixar a escola.
  • Fortalecer e ampliar redes de adolescentes em todo o País.
  • Investir em iniciativas de esportes para o desenvolvimento para adolescentes.
  • Promover a formação de adolescentes em competências e habilidades para a vida.

Publicações

Você também pode ajudar o UNICEF em suas ações.