Como funciona o Selo UNICEF?

UNICEF e municípios se unem para melhorar os indicadores de infância e adolescência

uma menina está parada em frente de uma parede onde está pintado o logo do Selo UNICEF Edição 2013-2016. A menina está de uniforme escolar (camiseta regata branca e short verde), está com a mão na cintura e usa rabo de cavalo. Ela está sorrindo.
UNICEF/BRZ/Taciano Brito

Como garantir os direitos de crianças e adolescentes em um país tão enorme e diverso como o Brasil? O que fazer para ganhar escala e chegar a cada menina e menino, nos cantos mais distantes da Amazônia e do Semiárido? Uma solução eficaz é trabalhar com quem está lá na ponta, nos municípios.

É nos municípios que milhões de crianças e adolescentes brasileiros constroem laços, vínculos, conexões e desenham seu futuro. A vida acontece em cada bairro, nas casas, escolas, postos de saúde, igrejas e praças. É lá que o UNICEF atua, ao lado da professora, do agente de saúde, da prefeita e de todo mundo que trabalha, diretamente, com as crianças e os adolescentes.

A lógica por trás do Selo UNICEF é simples: unir esforços, dentro de cada município, para que a infância e a adolescência sejam prioridade nas políticas públicas.

infográfico mostra o passo a passo do Selo UNICEF
UNICEF Brasil/Luciano Veronezi

O trabalho começa com a adesão do município ao Selo UNICEF. Ele se compromete a realizar uma série de ações para melhorar seus indicadores e reduzir as desigualdades.

A partir daí, organiza suas equipes. É preciso escolher um articulador – que será a pessoa do Selo UNICEF no município – e um mobilizador de adolescentes – que vai garantir a participação de meninas e meninos em todo o processo, por meio dos núcleos de cidadania dos adolescentes (NUCA e JUVA). Cria-se também uma comissão do Selo UNICEF, com gente de diferentes áreas.

Com o time organizado, é hora de entender onde estão os maiores desafios. E essa análise só está completa ao ouvir a sociedade. O município realiza um fórum comunitário e convida todos os cidadãos a participar. Desse encontro, sai um Plano de Ação, com atividades concretas, responsáveis, metas e prazos – tudo que uma boa gestão precisa. Planos prontos, mãos à obra! É hora de realizar todas as ações e transformar a realidade local

Cada ciclo do Selo UNICEF dura quatro anos, coincidindo com a gestão das prefeituras. Ao final desse período, os municípios que alcançam as metas recebem o Selo UNICEF, sendo reconhecidos internacionalmente por seus resultados em prol das crianças e dos adolescentes.

um adolescente com a camiseta do NUCA (núcleo de cidadania dos adolescentes, iniciativa do Selo UNICEF) está fazendo uma apresentação de powerpoint. Ele está numa sala na penumbra. Ele está de lado e apontando o dedo para a tela.
UNICEF/BRZ/Anderson Rodrigues

A parceria com o UNICEF
Mas qual o papel do UNICEF nesse processo? Ele é o grande parceiro dos municípios no Selo UNICEF. Para começar, dá as diretrizes e propõe ações bem concretas, que entram nos planos de ação. Também é responsável por acompanhar o município e apoiar na qualificação das políticas públicas.

Ao longo de cada edição, o UNICEF e seus parceiros promovem um conjunto de atividades formativas (presenciais e a distância), e oferecem as orientações técnicas necessárias em cada área – educação, saúde, proteção e participação social. E há, ainda, uma grande contribuição estruturante: ajudar os municípios a trabalhar de forma intersetorial e alcançar uma maior eficácia na gestão municipal. Afinal, quando todos cooperam, fica mais fácil garantir os direitos de cada menina e menino, sem exceção.

Você também pode ajudar o UNICEF em suas ações.