Inclusão escolar

No Brasil, 2,8 milhões de crianças e adolescentes estão fora da escola. A exclusão escolar afeta principalmente meninos e meninas mais vulneráveis, já privados de outros direitos constitucionais.

Menino saindo da escola
UNICEF/BRZ/João Laet

No Brasil, 2,8 milhões de crianças e adolescentes estão fora da escola, segundo a Pnad 2015. O problema é mais grave entre as crianças de 4 e 5 anos, que deveriam estar na pré-escola, e entre os adolescentes de 15 a 17 anos, que tinham de estar no ensino médio.

Há 10 anos, o UNICEF vem alertando o Brasil sobre a exclusão escolar. De lá para cá, houve avanços. O percentual de crianças e adolescentes de 4 a 17 anos fora da escola caiu de 11% para 6,5%, mas o desafio da universalização da educação básica não está superado.

infográfico com dados de educação
infográfico com mapa e dados de educação

Os fatores de exclusão escolar são diversos e ultrapassam os muros da escola. A exclusão escolar afeta principalmente meninos e meninas vindos das camadas mais vulneráveis da população, já privados de outros direitos constitucionais.

Grande parte deles nem sequer procura a escola em busca de vagas. Não adianta, portanto, apenas ofertar a matrícula. Para reverter a exclusão escolar, é necessário envolver diferentes áreas – Educação, Saúde e Assistência Social, entre outras – para encontrar, levar para a escola e garantir a permanência e a aprendizagem de cada menino e menina.

O UNICEF conecta Estados, municípios e toda a sociedade para identificar e levar para a sala de aula 2,8 milhões de meninos e meninas que estão fora da escola. Por meio de tecnologias inovadoras – como a Busca Ativa Escolar – e de sua atuação nos municípios, entende os desafios locais e contribui para revertê-los.

Você também pode ajudar o UNICEF em suas ações.