HIV/aids e sífilis

Novos casos de HIV/aids entre adolescentes e jovens preocupam o Brasil. Há, também, um aumento dos casos de sífilis congênita. Se tratada no pré-natal, a incidência da doença pode ser reduzida.

Adolescentes em frente ao ônibus do projeto Viva Melhor Sabendo Jovem
UNICEF Brasil

Uma das grandes conquistas dos últimos anos no Brasil foi o sucesso no controle da transmissão vertical do HIV, quando o vírus é transmitido da mãe para o bebê durante a gestação, o parto ou a amamentação. A transmissão do HIV de mãe para filho caiu pela metade entre 1995 e 2015.

Hoje, os efeitos mais graves da epidemia de aids no Brasil recaem sobre os adolescentes. Entre 2004 e 2015, o número de novos casos entre meninos e meninas de 15 a 19 anos aumentou 53%.

Há, também, um aumento dos casos de sífilis congênita. Se tratada no pré-natal, a incidência da doença pode ser reduzida.

Viva Melhor Sabendo Jovem
Para enfrentar o aumento do HIV/aids entre adolescentes, o UNICEF criou o Viva Melhor Sabendo Jovem. Trata-se de uma estratégia em saúde do UNICEF e seus parceiros para ampliar o acesso de adolescentes e jovens entre 15 e 24 anos ao teste do HIV e outras doenças sexualmente transmissíveis e o início imediato do tratamento. A iniciativa também tem como prioridades a retenção ao tratamento dos jovens positivos e o acesso às informações sobre prevenção.

A estratégia é implementada dentro da Plataforma dos Centros Urbanos (PCU), cujo objetivo é garantir os direitos de meninos e meninas moradores das regiões mais vulneráveis das grandes cidades brasileiras.

Você também pode ajudar o UNICEF em suas ações.