“Descobri que a gente sempre pode mais”

Renato Gomes tem 25 anos e viu no projeto Viva Melhor Sabendo Jovem um caminho para sentir um pouco do que é ser assistente social, profissão que deseja exercer

UNICEF Brasil
Renato com a camiseta do projeto Viva Melhor Sabendo Jovem segura um pacote de preservativo na mão direita
UNICEF/BRZ/João Gil

28 Maio 2019

A tarde cai e o movimento de pessoas aumenta. O ir e vir se torna constante num passo de segundos. O compasso de pisadas rápidas e certeiras das pessoas encerrando mais um dia de trabalho marca o fim de tarde. É sexta-feira 8 de março de 2019, Dia Internacional da Mulher. Ao fundo, coro de manifestantes, fortes batucadas e punhos erguidos. É nesse cenário que Renato Gomes, 25 anos, começa sua atividade da Rua Frei Caneca, no “coração” da cidade de São Paulo.

Integrante do Viva Melhor Sabendo Jovem, o estudante Renato tem um grande papel no projeto durantes as ações de campo: dar o resultado para as pessoas testadas e atuar como aconselhador. Para ele, o mais importante é levar a informação para o público, explicar sobre o HIV/aids e as infecções sexualmente transmissíveis (ISTs), testagens, prevenção, e convencê-las a, em caso positivo, aderir ao tratamento. “Quando uma pessoa chega para conversar com a gente, para saber como funciona, como é, se transmite ou não, eu tenho a certeza de que nosso trabalho ajuda: as pessoas começam a ver o HIV de um modo totalmente diferente”, conta ele.

O jovem diz que sente muitos desafios ao vestir essa camisa, mas acredita na força de uma palavra: confiança. “Eu sinto a transformação nas pessoas quando eu consigo responder as dúvidas que elas têm. Elas olham para você de forma diferente. Você consegue passar confiança sobre o que está falando”, relembra.

Além de abordar, passar conteúdo, aconselhar e explicar como funciona o tratamento, Renato atua muito fortemente como ouvinte. “Conversamos muito com as pessoas e entendemos que elas realmente precisam disso. Às vezes, aquele momento de ouvi-las sobre sua vida é o suficiente. Esse peso que elas tiram delas é grande”, relembra.

Outro componente importante e influente na visão de Renato é se fazer presente nas ruas da cidade. “Quando as pessoas veem a van do projeto na rua, a gente percebe que elas criam coragem para fazer o teste. Elas têm muitas vezes medo e vergonha de procurar outros centros de tratamento para tirar dúvidas e buscar mais informações”, diz. “Cada vez que eu postava uma foto do Viva Melhor Sabendo Jovem num lugar fazendo testagens, minhas amigas comentavam e falavam bem a respeito”, relata.

Hoje, o que faz os olhos de Renato brilharem é estar mais perto da profissão e da carreira de assistente social que deseja trilhar. Com muitos desafios no dia a dia do projeto, o jovem sente sua transformação pessoal na pele. “Hoje eu me considero o Renato que pode, que consegue ir além, que sabe que é forte. Antes eu não me via assim. O que eu descobri é que a gente sempre pode mais”.

Sobre o Viva Melhor Sabendo Jovem – O Viva Melhor Sabendo Jovem – uma parceria do UNICEF, com o Instituto Cultural Barong e o Programa Municipal de DST/Aids (PM DST/Aids), da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) de São Paulo – tem como objetivo ampliar o acesso de adolescentes e jovens entre 15 e 24 anos aos testes de HIV, sífilis e hepatites B e C, bem como a retenção ao tratamento em caso de positividade do(s) exame(s) e o acesso às informações sobre prevenção de infecções sexualmente transmissíveis. Para isso, leva uma van a locais que os jovens mais frequentam, e utiliza a metodologia de educação entre pares, isto é, jovens abordando e orientando jovens. O resultado dos testes é informado em cerca de 30 minutos.