Busca Ativa Escolar em Euclides da Cunha

No início de 2018, o município de Euclides da Cunha (BA) se preparava para a volta às aulas. Apesar da boa oferta de vagas nas escolas, ainda havia muitos meninos e meninas sem matrícula.

UNICEF Brasil
UNICEF/BRZ/Raoni Libório

09 abril 2018

O município no Semiárido baiano fez a adesão à Busca Ativa Escolar do UNICEF, para que agentes municipais saíssem a campo para encontrar cada uma das crianças e cada um dos adolescentes em exclusão escolar. 

UNICEF/BRZ/Raoni Libório

Por meio da iniciativa Busca Ativa Escolar, Marly Matos (à esquerda), vice-diretora da Escola Municipal Luiz Valeriano Dias, e Lucijane Neves (à direita), coordenadora operacional da iniciativa em Euclides da Cunha, descobriram que, em diversos pontos do município, havia meninas e meninos fora da escola e com baixa frequência escolar, e foram até eles.

UNICEF/BRZ/Raoni Libório

Na zona rural do município, as técnicas da Busca Ativa Escolar foram ao encontro de Yasmin. A menina estava com 4 anos – idade a partir da qual a Educação é obrigatória no Brasil – e a mãe, por falta de informação, não pensava em matriculá-la na escola por enquanto.

UNICEF/BRZ/Raoni Libório

As duas irmãs mais velhas de Yasmin, Nicole (5 anos) e Mikaele (10 anos), estavam matriculadas na escola, mas faltavam bastante às aulas e estavam em risco de evasão escolar.

UNICEF/BRZ/Raoni Libório

"No começo, eu estava com medo de ela ir para a escola. Aí explicaram que lá era bom, que daria boa educação, e coloquei ela. Achei que ela gostaria e realmente aprenderia na vida", diz a mãe de Yasmin, Simone.

UNICEF/BRZ/Raoni Libório

A equipe da Busca Ativa Escolar fez a matrícula de Yasmin na hora da visita e orientou a família sobre a importância da frequência escolar das três meninas. "Sabíamos que, para aquelas meninas, estar na escola era a chance de escrever um futuro diferente", diz a diretora Marly.

UNICEF/BRZ/Raoni Libório

Agora, Yasmin e as irmãs têm a chance de romper o ciclo do analfabetismo na família e ter uma vida diferente da de sua mãe e sua avó. "Minhas três meninas já estão na escola. Só falta esta pequena aqui, a Luciene, de 7 meses. Agora entendi que, quando ela tiver com 4 anos, tenho que matriculá-la também", diz Simone.

UNICEF/BRZ/Raoni Libório

Outro encontrado pela Busca Ativa Escolar foi o adolescente Alisson de Jesus. Ele estava com 13 anos e, com tantas idas e vindas, havia ficado com quatro anos de atraso escolar e acabou desistindo de aprender.

UNICEF/BRZ/Raoni Libório

"Alisson já tinha sido aluno da escola. Mas ele evadia por causa da questão familiar. Como não tinha moradia fixa, seguia o pai, seguia a mãe, e, de certa forma, era obrigado a sair da escola. Quando voltava, tinha perdido o ano", conta Roberto Reis (à esquerda), diretor do Centro Educacional Professora Durvalina Abreu de Andrade, a escola atual de Alisson.

UNICEF/BRZ/Raoni Libório

Depois de uma longa conversa com os técnicos da Busca Ativa Escolar, Alisson de Jesus, 13, aceitou o desafio de voltar à sala de aula e mudar a sua história.

UNICEF/BRZ/Raoni Libório

"Eu voltei para a escola, de novo. O que eu gosto de fazer é estudar. Quero continuar aqui e terminar a escola. Vai ser bom, porque eu vou aprender a ler, a escrever", diz Alisson de Jesus, esperançoso.

UNICEF/BRZ/Raoni Libório

O município de Euclides da Cunha, na Bahia, está inscrito na edição 2017-2020 do Selo UNICEF. Ao se inscrever no Selo, os municípios se comprometem a implementar políticas públicas para redução das desigualdades e garantir os direitos das crianças e dos adolescentes.

UNICEF/BRZ/Raoni Libório