Raparigas ajudam jovens a entender os seus direitos em Moçambique

Quando não são informadas sobre as escolhas disponíveis, as raparigas ficam mais vulneráveis a gravidez e casamento prematuros, violência sexual e de género, HIV e complicações decorrentes do parto.

Leonor Costa Neves, Aida Nhavoto, Luísa Galvão, Nathaly Guzman Figueroa e Zamzam Billow
Girls from Nampula province dance during a training session as part of the Rapariga Biz Program.
UNFPA/2019/Luísa Galvão

24 Março 2020

MAPUTO, Moçambique – Fazer perguntas sobre sexo, gravidez e violência pode ser constrangedor para as raparigas em Moçambique. No entanto, num país onde cerca de 46% das raparigas entre os 15 e os 19 anos engravidam ou são mães, discutir questões de saúde e direitos sexuais e reprodutivos é extremamente importante.

Quando não são informadas sobre as escolhas disponíveis, as raparigas ficam mais vulneráveis ​​a gravidez e casamento prematuros, violência sexual e de género, HIV e complicações decorrentes do parto. Em Moçambique, vários programas de mentoria e aconselhamento estão a responder à necessidade de criar espaços seguros para aprendizagem, e a treinar jovens para orientar os seus pares sobre questões delicadas, via SMS e pessoalmente.

Abaixo, três mentoras contam-nos como estão a ajudar outras raparigas a obter informação de forma segura e confidencial.

Raíma, 22 anos, é uma entre os 48 jovens treinados pelo programa SMS Biz para aconselhar os seus pares sobre temas como casamento infantil, violência, HIV e saúde do adolescente, via SMS. Ela aborda tudo, desde questões sobre relacionamentos até onde fazer um teste de HIV, e recebe mais de 1.500 perguntas por mês através da plataforma SMS BIZ / U-Report, que tem quase 280.000 assinantes em Moçambique. É gratuito, rápido e oferece aos jovens a oportunidade de fazer perguntas que estes não se sentem à vontade
UNICEF/MOZA2018-00156/Francelino Murela

Os meus pais são meus maiores apoiantes no meu trabalho de aconselhamento de jovens e adolescentes sobre sua saúde sexual e reprodutiva.

Raíma, 22 anos

Raíma, 22 anos, é uma entre os 48 jovens treinados pelo programa SMS Biz para aconselhar os seus pares sobre temas como casamento infantil, violência, HIV e saúde do adolescente, via SMS. Ela aborda tudo, desde questões sobre relacionamentos até onde fazer um teste de HIV, e recebe mais de 1.500 perguntas por mês através da plataforma SMS BIZ / U-Report, que tem quase 280.000 assinantes em Moçambique. É gratuito, rápido e oferece aos jovens a oportunidade de fazer perguntas que estes não se sentem à vontade para fazer pessoalmente.

A Iniciativa Spotlight está a ajudar ainda mais jovens a aceder a informações sobre a sua saúde e direitos sexuais por meio do SMS Biz, através do estabelecimento de um novo centro de aconselhamento na província de Nampula. Outros 20 jovens estão a ser treinados como conselheiros; entre eles, poderão responder a 30.000 perguntas adicionais por mês, reduzindo significativamente os tempos de espera das respostas.

No início, os pais da Raíma estavam cépticos sobre o seu activismo. "Eu chegava a casa com pilhas de preservativos para distribuição e os meus pais pensavam que eu tinha enlouquecido", diz ela. Hoje, são os seus maiores apoiantes.

Saiba mais sobre a Raíma.

Rosimina, 19 anos, é uma das 1.100 mentoras treinadas pelo Programa Rapariga Biz na província de Nampula para aconselhar adolescentes sobre os seus direitos de saúde sexual e reprodutiva através de sessões de mentoria em espaços seguros. Vinda de uma família monoparental e de poucos recursos financeiros, a Rosimina teve dificuldade em permanecer na escola e nunca imaginou que um dia seria mentora. Hoje, apoia outras raparigas e já ajudou uma sobrevivente de violência doméstica a regressar à escola.

A Iniciativa Spotlight está a apoiar a expansão do Programa Rapariga Biz em mais duas províncias, Gaza e Manica.

Saiba mais sobre a Rosimina.

Filomena leads a march against sexual violence in Maputo during the 16 Days of Activism, as part of UN Women’s flagship programme Safe Cities Free of Violence Against Women and Girls.
ASCHA/2019/Rita Huo

Hoje ajudo raparigas que estão em situação igual à que eu passei.

Filomena, 22 anos.

Filomena, 22 anos, cresceu nos arredores de Maputo. Órfã durante a adolescência, Filomena teve uma vida problemática afectada pela pobreza, depressão e drogas. Escapou de um relacionamento abusivo com um homem mais velho e, com a ajuda do seu irmão, reconstruiu a sua vida. Juntou-se à organização Sociocultural Horizonte Azul (ASCHA) como beneficiária e mais tarde tornou-se mentora.

Hoje, a Filomena ajuda outras jovens a superar desafios semelhantes aos seus. “Eu me sinto uma heroína. Já posso fazer as milhas escolhas”, diz ela. “Hoje ajudo raparigas que estão em situação igual à [que eu passei]. Partilho a minha história e oriento as suas escolhas.”

 

Raparigas ajudando raparigas


Programas como os que treinaram Raíma, Rosimina e Filomena beneficiam as mentoras, bem como os milhares de pares que elas aconselham todos os meses. Embora tenham origens muito diferentes, as três trabalham com um objectivo comum: capacitar outras raparigas para que possam realizar plenamente seus direitos.

A Iniciativa Spotlight está a apoiar o seu trabalho, através do financiamento da expansão de programas de mentoria e aconselhamento em novas províncias, e ampliando os programas existentes, garantindo que todas as raparigas tenham acesso a informações essenciais de forma segura e confidencial.