Um reencontro de 10 anos de história, pensando nos próximos 10

UNICEF e Viração promovem evento em celebração dos 10 anos da Plataforma dos Centros Urbanos em São Paulo

UNICEF Brasil
grupo de pessoas posa para foto
UNICEF/BRZ/Fabio Hirata

15 Julho 2019

Em comemoração aos 10 anos da Plataforma dos Centros Urbanos (PCU), o escritório do UNICEF em São Paulo realizou, no dia 13 de julho de 2019, um encontro com jovens que participaram da iniciativa desde os seus primeiros anos e aqueles mais jovens que atuam nesta edição. Foi um encontro vibrante, no qual puderam contar suas histórias e narrar suas atuações para garantir os direitos de crianças e adolescentes que vivem nos territórios mais vulneráveis. Falaram também como agora estão atuando com o Viva Melhor Sabendo Jovem, e como o Geração Que Transforma está trazendo oportunidade para que suas ideias transformem suas realidades. Tudo isso contou com o apoio do parceiro Viração, que esteve e está com a PCU desde os seus primeiros anos. 

"A celebração de 10 anos da PCU em São Paulo foi marcada pelos mesmos ingredientes que permearam a iniciativa a cada ano: pessoas que acreditam em mudanças, jovens engajados e vibrantes, e momentos de afeto, reflexão e ação", conta Luciana Phebo, coordenadora da Plataforma dos Centros Urbanos na Região Sudeste.

Luciana Phebo fala para um grupo de pessoas. Ela está atrás de uma mesa coberta com uma bandeira arco-íris.
UNICEF/BRZ/Fabio Hirata

Estimulados a entender suas trajetórias, realidades e promover mudanças, os jovens, que tinham de 16 a 28 anos e que moram em diferentes territórios da cidade, puderam se conhecer mais profundamente durante dinâmicas de integração, discutir e ser questionados sobre suas trajetórias nesses 10 anos. "Enxergamos dentro das nossas comunidades a necessidade da fala do jovem, do empoderamento, porque, quando precisávamos nos colocar como sujeito de direito e de fala, percebemos que não tínhamos voz", relembra Vinicius Balduino, de 26 anos, morador de Itaquera, Zona Leste de São Paulo.

dois jovens levantam a mão. eles estão olhando para a sua frente, não para a foto, e estão sorrindo.
UNICEF/BRZ/Fabio Hirata

Além disso, o debate "Comunicação para e por periferias" contou com a participação de Vagner de Alencar, da Agência Mural de Jornalismo das Periferias, e Jéssica Moreira, da Nós, Mulheres da Periferia, e a mediação de Paulo Lima, fundador da Viração, e fomentou questionamentos sobre mobilização das juventudes sob o olhar das comunidades.

um jovem sentado à mesa fala ao microfone, ao lado dele um homem observa
UNICEF/BRZ/Fabio Hirata

Foi nesse clima de questionamentos à flor da pele, chamas acesas que pensam em mudanças, momentos-chave de olhar para si e enxergar o próximo que Yasmin Gabrielle e Igor Chico fecharam o evento com uma batalha de versos – ou, como dizem os jovens, “mandaram a letra com seu slam”.

dois jovens em pé falam pra uma plateia de pessoas sentadas
UNICEF/BRZ/Fabio Hirata

Entre sorrisos, abraços, emoção e energia, os jovens se despediram com a certeza de que a semente da PCU frutificou e continuará viva com e por eles.

um grupo de pessoas celebra, rindo, batendo palmas e levantando os braços.
UNICEF/BRZ/Fabio Hirata

Sobre o Viva Melhor Sabendo Jovem – O Viva Melhor Sabendo Jovem, uma parceria do UNICEF, com o Instituto Cultural Barong e o Programa Municipal de DST/Aids (PM DST/Aids), da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) de São Paulo, tem como objetivo ampliar o acesso de adolescentes e jovens entre 15 e 24 anos aos testes de HIV, sífilis e hepatites B e C, bem como a retenção ao tratamento em caso de positividade do(s) exame(s) e o acesso às informações sobre prevenção de infecções sexualmente transmissíveis. Para isso, leva uma van a locais que os jovens mais frequentam, e utiliza a metodologia de educação entre pares, isto é, jovens abordando e orientando jovens. O resultado dos testes é informado em cerca de 30 minutos.

Sobre o Geração Que Transforma – Como parte da iniciativa global chamada Desafio da Juventude (Youth Challenge), o Geração Que Transforma visa identificar soluções, por parte dos jovens, que podem ter um impacto positivo na educação, nas habilidades, no treinamento, nas oportunidades de trabalho e no empoderamento da juventude, especialmente das meninas.