Violência contra a criança

O UNICEF Angola desenvolve acções que promovem sistemas de protecção para as crianças e ambientes seguros para o seu crescimento

Feda [NAME CHANGED TO PROTECT IDENTITY], 6 years old, sits with other children in entertainment room at Caritas Centre for Children in the city of Djibouti. Djibouti
UNICEF/UN0199604/Noorani

Crescer num ambiente seguro

A violência contra as raparigas e rapazes está entre as questões mais urgentes para a protecção da criança em Angola. Certos tipos de castigos corporais são ainda uma prática aceite por algumas famílias, escolas e centros de assistência. As disparidades entre os meios rurais e urbanos são significativas, sobretudo no que diz respeito ao trabalho e casamento infantil.

A violência sexual e doméstica contra mulheres e meninas é preocupante, mas ainda são poucos os casos denunciados à polícia.

A violência contra a criança manifesta-se também no fenómeno de acusações de feitiçaria, que aumenta o número de agressões às crianças e levam, muitas vezes, ao seu abandono. 

O subprograma de combate da Violência contra a Criança do UNICEF Angola pretende ajudar a mitigar efectivamente as ameaças de violência, abuso, exploração, negligência, discriminação e exclusão contra as crianças em Angola.

Este subprograma do UNICEF Angola pretende contribuir para proporcionar um ambiente mais seguro na vida das crianças angolanas através da implementação das seguintes estratégias:

  • Prevenção, promoção e protecção dos Direitos das Crianças
  • Reforçar o sistema de prevenção pela Comunicação para o Desenvolvimento (C4D) e de resposta à violência pelo fortalecimento de capacidades específicas. 
  • Reforçar a prevenção através do apoio a instituições-chave, como o Instituto Nacional da Criança (INAC), para desenvolver e implementar uma estratégia de comunicação para a mudança dos hábitos sociais, que aborde as práticas nocivas às crianças, como o casamento infantil, de forma a desenvolver consciência em relação aos direitos da criança, e que se foque, sobretudo, na protecção contra a violência, o abuso e a exploração sexual.
  • Fortalecer a capacidade de resposta através do apoio ao desenvolvimento de um mecanismo de alerta e denúncia, como linhas de apoio à criança e contribuir para a revitalização e eficácia das redes de protecção de crianças 

Todas as crianças têm o direito a um ambiente de protecção, onde possam viver livres da violência, abuso e negligência