Análise das desigualdades sociais na infância e adolescência no Rio de Janeiro (RJ)

Monitoramento dos indicadores na Plataforma dos Centros Urbanos 2017-2020

Destaques

O período entre 2016 e 2019 na Cidade do Rio de Janeiro apontou a possibilidade de avançar, mas também a urgência de seguir priorizando as crianças e os adolescentes mais vulneráveis para que tenham garantidos seus direitos. Houve conquistas na prevenção da gravidez na adolescência, no enfrentamento da exclusão escolar e em alguns aspectos da primeira infância – como é o caso do enfrentamento da sífilis congênita. Mas persistentes disparidades dentro da cidade impediram resultados mais amplos. A mortalidade neonatal piorou em algumas regiões, incluindo Madureira, Penha e Ilha do Governador, na Zona Norte, e Guaratiba, na Zona Oeste. E a desigualdade intramunicipal não caiu no que diz respeito à gravidez na adolescência, apesar da diminuição do número de meninas grávidas na cidade como um todo.

Foto da capa da publicação mostra o rosto de uma adolescente
Autor
UNICEF Brasil
Data da publicação
Idiomas
Português

Baixar o relatório

(PDF, 624,54 KB)