Síria: Crianças lutam com cicatrizes físicas e psicológicas após 11 anos de guerra

15 março 2022
Foto mostra, da esquerda para a direita, um menina segurando uma bebê no colo e uma adolescente atrás de um menino sentado em uma cadeira de rodas. Eles estão em um campo aberto.
UNICEF/UN0603137
Azzam, 12 anos, cercado por suas irmãs Khadijeh, 1 ano, Nour, 11, e Sidra, 14, fora de sua casa em Nashabieh de East Ghouta, zona rural de Damasco, Síria, em 21 de fevereiro de 2022.

Damasco, 15 de março de 2022 – Somente ontem, três crianças teriam sido mortas por munições não detonadas na cidade de Aleppo. Onze anos depois do início da crise na Síria, a violência, o deslocamento e a falta de acesso a serviços essenciais continuam obstruindo a vida das crianças. No ano passado, quase 900 crianças na Síria perderam a vida ou ficaram feridas. Isso traz o número total de crianças mortas e feridas, desde o início da crise, para aproximadamente 13 mil. Minas terrestres, resíduos explosivos de guerra e munições não detonadas foram as principais causas dessas mortes de crianças em 2021, respondendo por quase um terço de todos os ferimentos e mortes registrados, deixando muitas crianças com deficiências permanentes.

"Quase 5 milhões de crianças nasceram na Síria desde 2011. Elas não conheceram nada além de guerra e conflito. Em muitas partes da Síria, elas continuam a viver com medo de violência, minas terrestres e resíduos explosivos de guerra", disse o representante do UNICEF na Síria, Bo Viktor Nylund.

A crise continua deixando as crianças sírias com cicatrizes psicológicas. No ano passado, um terço das crianças na Síria mostrou sinais de sofrimento psicológico, incluindo ansiedade, tristeza, fadiga ou problemas para dormir.

Embora o UNICEF não tenha números precisos sobre crianças com deficiência, é evidente que as crianças com deficiência carregam um fardo duplo quando se trata de violência, ameaças à sua saúde e segurança, fome, risco de abuso e perda de educação. A falta de mobilidade e a dificuldade em fugir do perigo agravam ainda mais os obstáculos que encontram. Para suas famílias – como é o caso da maioria das famílias –, oportunidades limitadas de emprego, preços em alta, níveis de pobreza sem precedentes, grave escassez de bens e serviços básicos dificultam a obtenção dos cuidados de que precisam para as crianças com deficiência.

"Como todas as crianças, as crianças com deficiência têm o direito de ser cuidadas e alimentadas. O UNICEF continua empenhado em apoiar essas crianças, sem estigma e onde quer que estejam no país", disse Nylund.

Em toda a Síria e nos países vizinhos que abrigam cerca de 5,8 milhões de crianças que precisam de assistência, o UNICEF e seus parceiros continuam trabalhando para proteger as crianças e ajudá-las a lidar com o impacto do conflito. Isso inclui melhorar o apoio psicossocial para ajudar crianças e cuidadores a que se recuperem de traumas, bem como fornecer apoio e serviços para salvar vidas de crianças com dificuldades físicas e psicológicas.

"Estou feliz por poder ir à escola novamente, me divertir com meus amigos e aprender", disse Azzam, de 12 anos. Ele perdeu a perna no conflito e frequenta uma escola apoiada pelo UNICEF, promovendo a aprendizagem inclusiva. Ele também faz parte do programa integrado de proteção social do UNICEF, que apoia o adolescente e sua família por meio de assistência em dinheiro regular, juntamente com o apoio individual de um gestor de caso.

Esse programa integrado oferece às famílias vulneráveis a oportunidade de pagar pelas necessidades básicas de suas crianças com deficiência e conecta as crianças a serviços essenciais críticos.

"Temos um longo caminho a percorrer para ajudar mais crianças com deficiência e outras crianças afetadas pela guerra, para que possam atingir todo o seu potencial e crescer protegidas de danos, saudáveis e educadas", concluiu Nylund.

######

Notas para editores

Mais de 14,6 milhões de sírios precisam de assistência humanitária. Isso inclui 5,3 milhões de pessoas deslocadas internamente.

Em 2021, o UNICEF alcançou 11,3 milhões de pessoas, incluindo 7,3 milhões de crianças, com assistência humanitária em toda a Síria.

O UNICEF e seus parceiros forneceram serviços de saúde mental e apoio psicossocial a 220.892 crianças por meio de espaços amigos da criança e equipes móveis.

A educação sobre o risco de munições explosivas alcançou mais de 874.400 crianças e 176.300 cuidadores.

O Programa Integrado de Proteção Social para Crianças com Deficiência, iniciado em 2016, atingiu 11.639 crianças com deficiência em 2021.

Contatos para a imprensa

Elisa Meirelles Reis
Oficial de Comunicação
UNICEF Brasil
Telefone: (61) 98166 1649
Ester Correa Coelho
Oficial de Comunicação
UNICEF Brasil
Telefone: (61) 99122 8671

Sobre o UNICEF
O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) trabalha em alguns dos lugares mais difíceis do planeta, para alcançar as crianças mais desfavorecidas do mundo. Em mais de 190 países e territórios, o UNICEF trabalha para cada criança, em todos os lugares, para construir um mundo melhor para todos.

Acompanhe nossas ações no Facebook, Twitter, Instagram, YouTube, LinkedIn e TikTok.

Você também pode ajudar o UNICEF em suas ações. Faça uma doação agora.