Quase 400 milhões de crianças em todo o mundo sofrem violência em casa como parte da criação, aponta UNICEF

Novos dados também revelam que muitas crianças pequenas são privadas de brincadeiras, estimulação e interação com seus pais e cuidadores

11 junho 2024

Nova York, 11 junho de 2024 - Quase 400 milhões de crianças menores de cinco anos - ou seis em cada dez crianças nessa faixa etária em todo o mundo - sofrem regularmente agressão psicológica ou castigo físico em casa, de acordo com novas estimativas do UNICEF. Dessas, cerca de 330 milhões são punidas por meios físicos.

Os dados também enfatizam o papel crucial do brincar no desenvolvimento infantil e na saúde mental de crianças, pais e cuidadores em resposta a dados que destacam a prevalência de cuidados inadequados, incluindo estimulação e interação em casa.

"Quando as crianças são submetidas a abusos físicos ou verbais em casa, ou quando são privadas de cuidados sociais e emocionais de seus cuidadores, isso pode minar seu senso de autoestima e desenvolvimento", disse a diretora executiva do UNICEF, Catherine Russell. "A criação carinhosa e lúdica pode trazer alegria e também ajudar as crianças a se sentirem seguras, aprenderem, desenvolverem habilidades e navegarem pelo mundo ao seu redor."

Cada vez mais países estão proibindo castigos físicos contra crianças em casa. Mais da metade dos 66 países que proibiram a prática aprovaram leis nos últimos 15 anos, mas isso ainda deixa cerca de meio bilhão de crianças com menos de cinco anos sem proteção legal adequada.

Em todo o mundo, costumes nocivos que ainda estimulam métodos violentos de educação infantil persistem, com pouco mais de uma em cada quatro mães e cuidadores primários indicando que o castigo físico é necessário para criar e educar as crianças adequadamente, de acordo com os resultados.

Os dados – divulgados neste primeiro Dia Internacional do Brincar – também ressaltam as disparidades nas práticas de cuidado e no acesso a oportunidades de brincar. Por exemplo, novas estimativas mostram que aproximadamente quatro em cada dez crianças com idades entre dois e quatro anos não recebem interação ou estímulo suficiente em casa, o que significa que podem experimentar negligência emocional e uma sensação de distanciamento, insegurança e problemas comportamentais que podem persistir na vida adulta. Enquanto isso, uma em cada dez não faz atividades com seus cuidadores, perdendo a chance de participar de atividades fundamentais para promover o desenvolvimento cognitivo, social e emocional, como leitura, contação de histórias, canto e desenho.

Os dados também mostram que cerca de uma em cada cinco crianças de dois a quatro anos não brinca com seus cuidadores em casa, enquanto cerca de uma em cada oito menores de cinco anos não tem brinquedos ou outros objetos para uso em brincadeiras em casa.

Estudos mostram que programas de parentalidade baseados em evidências melhoram o cuidado, reduzem a violência familiar e os maus-tratos e melhoram a saúde mental das crianças e dos pais. Esses programas incluem treinamento em abordagens positivas, construção de relacionamentos fortes entre pais e filhos e apoio a brincadeiras, disciplina não violenta e comunicação.

Para garantir que todas as crianças cresçam se sentindo seguras e amadas, o UNICEF pede aos governos que fortaleçam os esforços e investimentos em:

  • Proteção: Fortalecer os marcos legais e políticos que proíbem e acabem com todas as formas de violência contra crianças em casa;
  • Apoio à parentalidade: Ampliar programas de parentalidade baseados em evidências que promovam abordagens positivas e lúdicas e previnam a violência familiar;
  • Aprendizagem lúdica: Ampliar o acesso a espaços de aprendizagem e brincadeiras para as crianças, incluindo pré-escolas, escolas e parques.

"No primeiro Dia Internacional do Brincar, devemos nos unir e nos comprometer novamente a acabar com a violência contra as crianças e promover cuidados positivos, nutritivos e lúdicos", acrescentou Russell.

 


Notas aos editores:

Baixe as fotos aqui.
Explore os dados aquiaqui.
Saiba mais sobre o desenvolvimento de cérebros de bebês por meio de brincadeiras aqui.
Saiba mais sobre cuidados de bebês e crianças aqui.

As novas estimativas de disciplina violenta são baseadas em um subconjunto de 100 países com dados internacionalmente comparáveis entre 2010 e 2023, cobrindo 52% da população global de crianças menores de cinco anos. As estimativas de atitudes em relação aos castigos corporais baseiam-se num subconjunto de 93 países com dados internacionalmente comparáveis entre 2008 e 2023, abrangendo cerca de 50% da população feminina global com idades compreendidas entre os 15 e os 49 anos. As estimativas de cuidados e disponibilidade de brinquedos/outros objetos para brincar são baseadas em um subconjunto de 85 países com dados internacionalmente comparáveis entre 2010 e 2023, bem como estudos nacionais cobrindo 57% da população global de crianças de dois a quatro anos e 56% da população global de crianças menores de cinco anos, respectivamente.

Contatos para a imprensa

Elisa Meirelles Reis
Oficial de Comunicação
UNICEF Brasil
Telefone: (61) 98166 1649

Sobre o UNICEF
O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) trabalha em alguns dos lugares mais difíceis do planeta, para alcançar as crianças mais desfavorecidas do mundo. Em mais de 190 países e territórios, o UNICEF trabalha para cada criança, em todos os lugares, para construir um mundo melhor para todos.

Acompanhe nossas ações no Facebook, Twitter, Instagram, YouTube, LinkedIn e TikTok.

Você também pode ajudar o UNICEF em suas ações. Faça uma doação agora.