Brasil reduz distorção idade série, mas 13% dos estudantes do ensino fundamental público estão com dois ou mais anos de atraso escolar, alerta UNICEF

Seminário em São Paulo, em parceria com Instituto Claro, discute os desafios e apresenta boas práticas para o enfrentamento do fracasso escolar

04 junho 2024
plateia e palestrantes em uma sala de conferência
UNICEF/BRZ/Alecio Cezar

São Paulo, 4 de junho de 2024 - O Brasil vem reduzindo, ano após ano, os números de estudantes com atraso escolar. Segundo dados de 2023, os mais recentes analisados pelo UNICEF, 13,3% dos estudantes do ensino fundamental das redes estaduais e municipais de ensino estão em distorção idade-série – ou seja, têm dois ou mais anos de atraso escolar. Em 2018, eram 19,7%. Continuar reduzindo esses índices é um dos objetivos da estratégia Trajetórias de Sucesso Escolar, iniciativa do UNICEF, apoiada pelo Instituto Claro, em parceria com redes públicas de ensino de sete Estados. 

Os dados analisados pelo UNICEF, tendo como fonte o Inep, mostram que a redução da distorção idade-série aconteceu em todas as etapas de ensino público. Nos anos iniciais do Ensino Fundamental, em 2018, 12,9% dos estudantes tinham dois ou mais anos de atraso – taxa que cai para 8,2% em 2023. Nos anos finais do Ensino Fundamental, eram 27,9% em distorção idade-série em 2018, versus 19,3% em 2023. E, no Ensino Médio, a taxa caiu de 31,1% em 2018 para 21,6% em 2023.   

Apesar da melhora geral, o país ainda tem desafios no enfrentamento do fracasso escolar. A distorção idade-série é parte de um ciclo em que meninas e meninos vão sendo reprovados ano após ano, não conseguem aprender, vão ficando para trás, sem conseguir avançar nos estudos e muitas vezes abandonando de vez a escola. 

“Por trás dos números, está a naturalização do fracasso escolar que acaba por excluir sempre os estudantes em situação de maior vulnerabilidade, que já sofrem outras violações de direitos dentro e fora da escola”, explica Mônica Dias Pinto, chefe de Educação do UNICEF no Brasil. “É fundamental assegurar de forma integral os direitos de aprender e de se desenvolver na idade certa”, diz ela. 

Dados estaduais podem ser acessados ao final desta página.

três pessoas em um palco em frente a uma plateia
UNICEF/BRZ/Alecio Cesar

Trajetórias de Sucesso Escolar

Os dados foram apresentados durante o Seminário Nacional Trajetórias de Sucesso Escolar, realizado em parceria com o Instituto Claro, nesta terça-feira, em São Paulo. O evento reuniu estudantes, educadores e gestores dos sete Estados que fazem parte da estratégia Trajetórias de Sucesso Escolar - Acre, Amapá, Distrito Federal, Espírito Santo, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro e Sergipe – além de UNICEF, MEC, Undime Nacional e estaduais, CONSED, Instituto Claro e outras organizações parceiras para discutir os desafios e apresentar boas práticas para o enfrentamento do fracasso escolar.

“Enfrentar esse desafio requer um esforço em conjunto de governo, sociedade e comunidade escolar, para identificar quais as dificuldades vividas pelos estudantes, conhecer sua realidade e seus desafios para aprender. A escola deve ser um lugar de oportunidades para todos, sem deixar nenhum aluno para trás”, defendeu Monica.

“A Claro acredita que a educação pode ser a chave para a transformação social e a parceria com o Unicef para o Trajetórias de Sucesso Escolar é fundamental para esse objetivo. Ao estabelecer uma ampla visão do cenário atual, o projeto oferece uma nova perspectiva para milhões de estudantes, contribuindo para combater o abandono escolar. A importância dessa iniciativa fica ainda mais evidente quando relacionamos a trajetória escolar a outro desafio da atualidade, a inclusão produtiva desses jovens na sociedade”, afirma Daniely Gomiero, diretora de Desenvolvimento Humano Organizacional, Cultura e Sustentabilidade da Claro e Vice-Presidente do Instituto Claro.

A estratégia Trajetórias de Sucesso Escolar (TSE) tem como objetivo apoiar estados e municípios na elaboração, implementação e monitoramento de políticas de enfrentamento da cultura de fracasso escolar. 

O objetivo é facilitar um diagnóstico amplo sobre a distorção idade-série e o fracasso escolar no País, e oferecer um conjunto de recomendações para o desenvolvimento de políticas educacionais que promovam o acesso à educação, a permanência na escola e a aprendizagem desses estudantes.

O site da estratégia disponibiliza materiais pedagógicos – como as experiências didáticas –, textos, vídeos e dados relativos às taxas de distorção, abandono escolar e reprovação, com recortes por gênero, raça e localidade, que mostram as relações entre o atraso escolar e as desigualdades brasileiras. Para essa estratégia, o UNICEF conta com a parceria estratégica de Instituto Claro e Porticus.

Sobre o Instituto Claro

A área de Responsabilidade Social da Claro investe continuamente em ações relacionadas à Educação e à Cidadania, por meio do Instituto Claro, com o objetivo de atuar em frentes sociais que integram a tecnologia e a informação como fonte de desenvolvimento e conhecimento. Desta forma, realiza e apoia projetos como o Campus Mobile, o Educonex@o, o Programa Dupla Escola, entre outros. O Instituto Claro é qualificado como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP) pelo Ministério da Justiça, e é reconhecido pelo Departamento Global de Comunicação das Nações Unidas (DGC/ONU) como uma organização não governamental corporativa que promove os ideais e princípios sustentados pela Carta das Nações Unidas. Conheça outras realizações no site do Instituto Claro.

plateia observa evento
UNICEF/BRZ/Alecio Cezar

Dados estaduais dispponíveis:


No Rio de Janeiro, 20,9% das meninas e meninos matriculados no ensino fundamental das redes estaduais e municipais de ensino estavam em distorção idade-série – ou seja, têm dois ou mais anos de atraso escolar. Em 2018, eram 29,1%. No Brasil, em 2023, esse contexto impactava 13,3% dos estudantes frente os 19,7% de 2018. Continuar reduzindo esses índices é um dos objetivos da estratégia Trajetórias de Sucesso Escolar (TSE), iniciativa do UNICEF apoiada pelo Instituto Claro, em parceria com redes públicas de ensino de sete estados. Os dados analisados pelo UNICEF mostram que a redução da distorção idade-série aconteceu em todas as etapas de ensino público. Nas escolas municipais e estaduais do Rio de Janeiro, em 2018, os anos iniciais do Ensino Fundamental registraram que 21,6% dos estudantes tinham dois ou mais anos de atraso – taxa que cai para 15,2% em 2023. Nos anos finais do Ensino Fundamental, eram 37,9% em distorção idade-série em 2018, versus 28% em 2023. E, no Ensino Médio, a taxa caiu de 41,8% em 2018 para 32,6% em 2023. O comportamento se repete na média do Brasil, registrando uma redução de 12,9% para 8,2% nos anos iniciais do Fundamental, de 27,9% para 19,3% nos anos finais e de 31,1% para 21,6% no Ensino Médio.

No Espírito Santo, 13,3% das meninas e meninos matriculados no ensino fundamental das redes estaduais e municipais de ensino estavam em distorção idade-série – ou seja, têm dois ou mais anos de atraso escolar. Em 2018, eram 21,9%. No Brasil, em 2023, esse contexto impactava 13,3% dos estudantes frente os 19,7% de 2018. Continuar reduzindo esses índices é um dos objetivos da estratégia Trajetórias de Sucesso Escolar (TSE), iniciativa do UNICEF apoiada pelo Instituto Claro, em parceria com redes públicas de ensino de sete estados. Os dados analisados pelo UNICEF mostram que a redução da distorção idade-série aconteceu em todas as etapas de ensino público. Nas escolas municipais e estaduais do Espírito Santo, em 2018, os anos iniciais do Ensino Fundamental registraram que 13,3% dos estudantes tinham dois ou mais anos de atraso – taxa que cai para 7,6% em 2023. Nos anos finais do Ensino Fundamental, eram 32,5% em distorção idade-série em 2018, versus 20,5% em 2023. E, no Ensino Médio, a taxa caiu de 28,6% em 2018 para 20,6% em 2023. O comportamento se repete na média do Brasil, registrando uma redução de 12,9% para 8,2% nos anos iniciais do Fundamental, de 27,9% para 19,3% nos anos finais e de 31,1% para 21,6% no Ensino Médio.

No Rio Grande do Norte, 22,6% das meninas e meninos matriculados no ensino fundamental das redes estaduais e municipais de ensino estavam em distorção idade-série – ou seja, têm dois ou mais anos de atraso escolar. Em 2018, eram 29,2%. No Brasil, em 2023, esse contexto impactava 13,3% dos estudantes frente os 19,7% de 2018. Continuar reduzindo esses índices é um dos objetivos da estratégia Trajetórias de Sucesso Escolar (TSE), iniciativa do UNICEF apoiada pelo Instituto Claro, em parceria com redes públicas de ensino de sete estados. Os dados analisados pelo UNICEF mostram que a redução da distorção idade-série aconteceu em todas as etapas de ensino público. Nas escolas municipais e estaduais do Rio Grande do Norte, em 2018, os anos iniciais do Ensino Fundamental registraram que 16,7% dos estudantes tinham dois ou mais anos de atraso – taxa que cai para 12% em 2023. Nos anos finais do Ensino Fundamental, eram 43,7% em distorção idade-série em 2018, versus 34,5% em 2023. E, no Ensino Médio, a taxa caiu de 47,3% em 2018 para 39,1% em 2023. O comportamento se repete na média do Brasil, registrando uma redução de 12,9% para 8,2% nos anos iniciais do Fundamental, de 27,9% para 19,3% nos anos finais e de 31,1% para 21,6% no Ensino Médio.

Em Sergipe, 22,1% das meninas e meninos matriculados no ensino fundamental das redes estaduais e municipais de ensino estavam em distorção idade-série – ou seja, têm dois ou mais anos de atraso escolar. Em 2018, eram 35,6%. No Brasil, em 2023, esse contexto impactava 13,3% dos estudantes frente os 19,7% de 2018. Continuar reduzindo esses índices é um dos objetivos da estratégia Trajetórias de Sucesso Escolar (TSE), iniciativa do UNICEF apoiada pelo Instituto Claro, em parceria com redes públicas de ensino de sete estados. Os dados analisados pelo UNICEF mostram que a redução da distorção idade-série aconteceu em todas as etapas de ensino público. Nas escolas municipais e estaduais de Sergipe, em 2018, os anos iniciais do Ensino Fundamental registraram que 24,7% dos estudantes tinham dois ou mais anos de atraso – taxa que cai para 12,2% em 2023. Nos anos finais do Ensino Fundamental, eram 48,6% em distorção idade-série em 2018, versus 32,3,2% em 2023. E, no Ensino Médio, a taxa caiu de 50,2% em 2018 para 32,9% em 2023. O comportamento se repete na média do Brasil, registrando uma redução de 12,9% para 8,2% nos anos iniciais do Fundamental, de 27,9% para 19,3% nos anos finais e de 31,1% para 21,6% no Ensino Médio.  

Contatos para a imprensa

Elisa Meirelles Reis
Oficial de Comunicação
UNICEF Brasil
Telefone: (61) 98166 1649

Sobre o UNICEF
O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) trabalha em alguns dos lugares mais difíceis do planeta, para alcançar as crianças mais desfavorecidas do mundo. Em mais de 190 países e territórios, o UNICEF trabalha para cada criança, em todos os lugares, para construir um mundo melhor para todos.

Acompanhe nossas ações no Facebook, Twitter, Instagram, YouTube, LinkedIn e TikTok.

Você também pode ajudar o UNICEF em suas ações. Faça uma doação agora.