1 em cada 4 crianças no mundo vive em pobreza alimentar infantil grave devido a desigualdade, conflitos e crises climáticas, diz UNICEF

As crianças que vivem nesse nível de pobreza alimentar têm até 50% mais chances de sofrer de má nutrição com risco de vida, segundo uma nova análise

06 junho 2024
criança negra vestindo blusa clara segura copo verde e olha para a câmera
UNICEF/Seyba Keïta

Nova Iorque, 06 junho de 2024 – Cerca de 181 milhões de crianças – ou 1 em cada 4 - de até cinco anos de idade em todo o mundo estão sofrendo de pobreza alimentar infantil grave, tornando-as até 50% mais propensas a sofrer de baixo peso para a altura (wasting, em inglês), uma forma letal de má nutrição, segundo um novo relatório lançado hoje pelo UNICEF.

Pela primeira vez, o relatório Pobreza Alimentar Infantil: Privação Nutricional na Primeira Infância analisa os impactos e as causas da privação alimentar entre as pessoas mais jovens do mundo em quase 100 países e em todos os grupos de renda. Ele alerta que milhões de crianças menores de cinco anos são incapazes de acessar e consumir refeições nutritivas e diversificadas para promover o crescimento e o desenvolvimento adequados na primeira infância e para os anos seguintes.

Crianças que consomem, no máximo, dois dos oito grupos de alimentos definidos são consideradas como estando em situação de pobreza alimentar infantil grave. Quatro em cada cinco crianças nessa situação recebem apenas leite materno/leite e/ou um alimento básico com amido, arroz, milho ou trigo. Menos de 10% dessas crianças são alimentadas com frutas e verduras. E menos de 5% são alimentados com alimentos ricos em nutrientes, como ovos, peixes, aves ou carne.

As crianças que vivem em pobreza alimentar grave são crianças que vivem em situação de vulnerabilidade. Neste momento, essa é a realidade de milhões de crianças pequenas, e isso pode ter um impacto negativo irreversível em sua sobrevivência, crescimento e desenvolvimento cerebral", disse a diretora executiva do UNICEF, Catherine Russell. "Crianças que consomem apenas dois grupos de alimentos por dia, por exemplo, arroz e um pouco de leite, têm até 50% mais chances de experimentar formas graves de má nutrição."

O relatório alerta que, embora os países ainda estejam se recuperando dos impactos socioeconômicos da pandemia de COVID-19, os efeitos das crescentes desigualdades, conflitos e da crise climática levaram os preços dos alimentos e o custo de vida a níveis recordes.

Das 181 milhões de crianças que vivem em pobreza alimentar grave, 65% residem em apenas 20 países. Cerca de 64 milhões de crianças afetadas estão no Sul da Ásia e 59 milhões na África Subsaariana.

Na Somália, um país que passa por conflitos, secas e inundações, 63% das crianças vivem em pobreza alimentar infantil grave e, nas comunidades mais vulneráveis, mais de 80% dos cuidadores relataram que as crianças não conseguiram comer por um dia inteiro.

Na Faixa de Gaza, meses de hostilidades e restrições à ajuda humanitária colapsaram os sistemas alimentares e de saúde, resultando em consequências catastróficas para as crianças e suas famílias. Cinco rodadas de dados coletados entre dezembro de 2023 e abril de 2024 descobriram consistentemente que 9 em cada 10 crianças na Faixa de Gaza estão passando por pobreza alimentar grave, sobrevivendo com dois ou menos grupos alimentares por dia. Isso é uma evidência do impacto terrível que o conflito e as restrições estão tendo na capacidade das famílias de atender às necessidades alimentares das crianças – e na velocidade com que isso coloca as crianças em risco de má nutrição letal.

O relatório conclui que quase metade (46%) de todos os casos de pobreza alimentar infantil grave estão entre famílias pobres, e a baixa renda provavelmente é um dos principais impulsionadores, enquanto 54% – ou 97 milhões de crianças – vivem em famílias relativamente mais ricas, entre as quais ambientes alimentares precários e práticas alimentares são os principais impulsionadores da pobreza alimentar na primeira infância.

Diversos fatores estão impulsionando a crise de pobreza alimentar infantil, incluindo sistemas alimentares que não fornecem às crianças opções nutritivas, seguras e acessíveis, a incapacidade das famílias de comprar alimentos nutritivos e a incapacidade dos pais de adotar e manter práticas positivas de alimentação infantil. Em muitos contextos, alimentos ultraprocessados baratos, pobres em nutrientes e pouco saudáveis, e bebidas açucaradas são comercializados de forma agressiva para pais e famílias e são o novo normal para alimentar as crianças. Esses alimentos e bebidas não saudáveis são consumidos por uma proporção alarmante de crianças pequenas que vivem a pobreza alimentar, tirando alimentos mais nutritivos e saudáveis de suas refeições diárias.

Ao mesmo tempo, houve notáveis avanços. Burkina Faso, por exemplo, reduziu pela metade a taxa de pobreza alimentar infantil grave, passando de de 67% (2010) para 32% (2021). O Nepal reduziu a taxa de pobreza alimentar infantil grave de 20% (2011) para 8% (2022). O Peru manteve a taxa abaixo de 5% desde 2014, em meio a um período prolongado de declínio econômico, e Ruanda reduziu a taxa de 20% (2010) para 12% (2020).

Para acabar com a pobreza alimentar infantil, o UNICEF apela aos governos, organizações humanitárias e de desenvolvimento, doadores, sociedade civil e indústria de alimentos e bebidas para:

  • Transformar os sistemas alimentares para que alimentos nutritivos, diversificados e saudáveis sejam a opção mais acessível, barata e desejável para os cuidadores alimentarem crianças pequenas.
  • Alavancar os sistemas de saúde para fornecer serviços essenciais de nutrição para prevenir e tratar a desnutrição na primeira infância, incluindo apoio a profissionais comunitários de saúde e nutrição para aconselhar pais e famílias sobre práticas de alimentação e cuidados infantis.
  • Ativar sistemas de proteção social para enfrentar a baixa renda por meio de transferências sociais (dinheiro, alimentos e vouchers), de forma que respondam às necessidades alimentares e nutricionais de crianças vulneráveis e suas famílias.

Para acelerar as ações para prevenir, detectar e tratar a pobreza alimentar infantil grave e a má nutrição, o UNICEF lançou no ano passado o Fundo para a Nutrição Infantil com o apoio do Ministério de Relações Exteriores, Commonwealth e de Desenvolvimento do Reino Unido, da Fundação Bill e Melinda Gates e da Children's Investment Fund Foundation (CIFF). O Fundo para a Nutrição Infantil é um mecanismo de financiamento com participação de vários parceiros e liderado pelo UNICEF que incentiva investimentos domésticos para acabar com a má nutrição infantil. O UNICEF convida governos, doadores e parceiros financiadores a apoiarem o CNF e priorizarem políticas e práticas sustentáveis para acabar com a pobreza alimentar infantil grave e a má nutrição. 
 



Notas aos editores: 
Baixe fotos e b-roll.

Faça o download do relatório completo

Categorias de pobreza alimentar infantil 
Se as crianças são alimentadas de:
0-2 grupos alimentares/dia, elas estão vivendo em pobreza alimentar infantil grave,
3–4 grupos alimentares/dia, vivem em pobreza alimentar infantil moderada,
5 ou mais grupos de alimentos/dia, eles não estão vivendo em pobreza alimentar infantil.

Contatos para a imprensa

Elisa Meirelles Reis
Oficial de Comunicação
UNICEF Brasil
Telefone: (61) 98166 1649

Sobre o UNICEF
O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) trabalha em alguns dos lugares mais difíceis do planeta, para alcançar as crianças mais desfavorecidas do mundo. Em mais de 190 países e territórios, o UNICEF trabalha para cada criança, em todos os lugares, para construir um mundo melhor para todos.

Acompanhe nossas ações no Facebook, Twitter, Instagram, YouTube, LinkedIn e TikTok.

Você também pode ajudar o UNICEF em suas ações. Faça uma doação agora.