“O que tínhamos em casa estava acabando”

Em Fortaleza, a família de Catarine Moura recebeu apoio do UNICEF, por meio de parceira com EDF Renewables, Omega Energia e BNDES, na prevenção contra a Covid-19

UNICEF Brasil
uma mulher está sentada em uma cadeira segurando uma cesta básica com o logo do UNICEF. ela está no meio de uma criança e de uma adolescente
UNICEF/BRZ/Nilson Silva
13 julho 2020

A pandemia do novo coronavírus trouxe novas preocupações para o jovem casal Catarine Moura e Leandro Silva. De uma hora para outra, eles perderam renda ao serem afastados do trabalho. Além disso, a casa onde moram no Bom Jardim, em Fortaleza (CE), ficou mais cheia. Grávidos da segunda filha, os dois viram o estado de saúde da mãe de Catarine se agravar e precisaram acolher a sobrinha de 18 anos com paralisia cerebral, que era cuidada pela avó.

Como em muitas outras casas da comunidade, a vulnerabilidade da família aumentou. Sem muitas alternativas de apoio, o casal tem contado com a solidariedade para se sustentar e se proteger. Uma dessas contribuições foi feita pelo UNICEF em parceria com a EDF Renewables e Omega Energia, por meio do BNDES, pela qual milhares de produtos de higiene e limpeza e cestas básicas estão chegando a famílias em Belém, Manaus, Recife, Rio de Janeiro, São Luís e São Paulo, com apoio de parceiros locais. Em Fortaleza, os produtos foram distribuídos com o apoio da Secretaria de Direitos Humanos e Desenvolvimento Social de Fortaleza. Ao todo, foram distribuídos 1.757 cestas básicas e kits de higiene e limpeza para famílias em bairros vulneráveis de Fortaleza. Estima-se que cerca de 9 mil pessoas foram beneficiadas, incluindo gestantes atendidas por programas sociais da prefeitura, como Catarine.

Ela recebeu uma cesta básica e kits de higiene e limpeza, com sabonetes, detergente, água sanitária, sabão em barra e outros itens essenciais. “Chegou em boa hora! Eu e meu marido estávamos falando em pedir ajuda pra minha mãe, que recebe benefício do INSS, porque o que tínhamos em casa estava acabando”, conta Catarine.

As doações foram seguidas de boas notícias para o casal. Leandro foi chamado de volta ao trabalho e Catarine está retomando o plano de comprar material e pagar um curso de capacitação para trabalhar como manicure em casa, quando a pandemia passar. A filha dos dois também recomeça a rotina de estudos com um reforço escolar em domicílio. Antes, na falta das aulas, o tempo da menina era ocupado por brincadeiras em casa e pela impaciência da pequena, que ansiava por passear. “Ela entende bem essa parte da higiene, mas me questiona e pede muito para sair. Eu faço o máximo que eu posso, não deixo ela sem o aprendizado, porque eu quero pra ela tudo o que eu não tive!”, diz a mãe.