Tire as suas dúvidas sobre vacinas

As vacinas podem até causar uma dor rápida, mas os benefícios duram a vida toda! Conheça as respostas para perguntas frequentes sobre vacinação

Making a grimace, boy is vaccinated for measles and rubella during 2018 National Immunizatrion Campaign in Luanda Province
UNICEF/Angola/2018/Carlos César

As vacinas funcionam como um escudo, protegendo adultos, crianças e recém-nascidos de doenças perigosas e salvando até 3 milhões de vidas todos os anos.

No entanto, ainda existem no mundo quase 20 milhões de crianças não vacinadas ou que não tomaram todas as vacinas que deveriam. Essas crianças correm o risco de doenças graves, complicações e até a morte.

Muitos pais querem vacinar os seus filhos, mas não conseguem porque não têm acesso aos serviços de saúde. Cada vez mais, porém, alguns pais preferem não vacinar as suas crianças.

Essa decisão geralmente se origina de concepções errôneas sobre as vacinas ou pela ideia de que elas podem infectar as crianças. É por isso que ficar informado sobre os benefícios das vacinas - e os riscos de não ser vacinado - é mais importante do que nunca. Veja abaixo a resposta para várias dúvidas comuns.

Perguntas frequentes sobre vacinas

O que são vacinas?

As vacinas são produtos, geralmente dados na infância, para proteger as crianças contra doenças graves e muitas vezes mortais. As vacinas ajudam o seu sistema imunológico a combater as infecções de maneira mais eficiente, provocando a sua resposta imunológica a doenças específicas. Isso significa que se o vírus ou a bactéria invadirem o seu corpo no futuro, o seu sistema imunológico já saberá como combatê-lo.

As vacinas são seguras?

As vacinas são muito seguras. É muito mais provável que o seu filho sofra por uma doença que seria evitável através de vacinas do que pela vacina em si. Todas as vacinas passam por rigorosos testes de segurança, incluindo ensaios clínicos, antes de serem aprovadas para o público. Os países só registram e distribuem as vacinas que atendem a rigorosos padrões de qualidade e segurança.

Por que devo vacinar meu filho?

Vacinas salvam vidas. Só as vacinas contra o sarampo preveniram mais de 21 milhões de mortes entre 2000 e 2017. As vacinas ajudarão a proteger o seu filho contra doenças que podem causar sérios danos ou mesmo a morte, especialmente em pessoas que ainda estão a desenvolver o seu sistema imunológico, como os bebés.

É importante vacinar o seu filho. Se não, doenças altamente contagiosas como o sarampo, a difteria e a poliomielite, que já foram eliminadas em vários países, podem voltar.

Meu bebê vai aguentar todas essas vacinas?

Sim. Muitos pais temem que várias vacinas sobrecarreguem o sistema imunológico de seus filhos. Mas as crianças são expostas a centenas de germes todos os dias. De fato, um resfriado comum ou dor de garganta vai sobrecarregar mais o sistema imunológico do seu filho do que vacinas.

O pequeno Joseph Gambo antes de ser vacinado durante a Campanha de vacinação realizada em Abril de 2018, na província de Luanda
UNICEF Angola/2018/Carlos César
O pequeno Joseph Gambo não demonstrou qualquer apreensão quando o seu pai o levou para ser vacinado durante a Campanha de vacinação na província de Luanda, em 2018.

Mas essas doenças não estão presentes onde vivo. Por que eu ainda preciso vacinar a minha criança?

Sim. Embora as doenças possam ser eliminadas no seu país ou região, o nosso mundo está cada vez mais interconectado, e essas doenças podem se espalhar a partir de áreas onde ainda estão presentes.

O que é a imunidade de grupo ou o efeito rebanho?

Se um número suficiente de pessoas na sua comunidade for imunizado contra uma determinada doença, você tem então a imunidade de grupo ou o efeito rebanho. Quando isso acontece, as doenças não podem se espalhar facilmente de pessoa para pessoa porque a maioria está imune. Isso proporciona uma camada de proteção contra a doença, mesmo para aqueles que não podem ser vacinados, como bebés.

A imunidade de grupo também previne surtos ao dificultar a disseminação da doença. A doença se torna assim cada vez mais rara, às vezes desaparecendo completamente da comunidade.

Uma vacina pode fazer o meu bebé ficar doente?

As vacinas são extremamente seguras e os efeitos colaterais graves são raros. Quase toda doença ou desconforto após a vacinação é menor e temporário, como dor no local da injeção ou febre moderada. Se os pais estiverem preocupados, eles devem entrar em contato com um médico ou profissional de saúde na sua região.

Quais doenças as vacinas previnem?

As vacinas protegem o seu filho contra várias doenças graves, como a poliomielite, que pode causar paralisia; sarampo, que pode causar edema cerebral e cegueira; e tétano, que pode causar contrações musculares dolorosas e a dificuldade para comer e respirar, até a morte, especialmente em recém-nascidos. E muitas outras, como a hepatite B, rotavírus, febre amarela, etc.

Posso atrasar o cronograma da vacina?

Uma das melhores maneiras de proteger seu filho é seguir o cronograma de vacinas. Sempre que você adia uma vacina, aumenta a vulnerabilidade do seu filho a doenças. Veja abaixo o cronograma practicado em Angola:

Calendário básico de vacinação de rotina de Angola
Reprodução/Governo de Angola

O que o UNICEF está a fazer para garantir que as crianças sejam vacinadas?

O UNICEF prevê um mundo onde nenhuma criança morrerá de uma causa evitável pelas vacinas e onde todas as crianças atingirão o seu potencial em saúde e bem-estar. É por isso que estamos presentes em mais de 150 países, imunizando milhões de crianças todos os anos, com foco nos mais desfavorecidos. O UNICEF é o maior comprador e fornecedor de vacinas do mundo: em 2018, adquiriu mais de 2,35 mil milhões de doses de vacinas. Entre 2000 e 2017, o UNICEF trabalhou com governos e parceiros para vacinar mais de 2 mil milhões de crianças em todo o mundo.

Mas mais precisa ser feito: aproximadamente 20 milhões de crianças em todo o mundo não estão totalmente imunizadas, o que as deixa em risco de doenças perigosas. Queremos que os governos, os profissionais de saúde e os pais tomem medidas para garantir que todas as crianças estejam imunizadas.