Moçambique junta-se ao mundo para celebrar o Dia Mundial da Prematuridade

Moçambique é um dos mais de 100 países que celebram o Dia Mundial da Prematuridade, reflectindo sobre as acções necessárias para reduzir a taxa de nascimentos prematuros.

22 Novembro 2023
Moçambique junta-se ao mundo para celebrar  o Dia Mundial da Prematuridade
MISAU/2023

MAPUTO, 17 de Novembro - O Dia Mundial da Prematuridade, celebrado a 17 de Novembro, foi marcado hoje por uma cerimónia no Hospital Provincial da Matola, província de Maputo, sob o lema “Pequenas Acções, Grande Impacto: Contacto imediato pele-a-pele, para todos os bebés e em todos os lugares”.

A cerimónia, promovida pelo Ministério da Saúde e os seus parceiros, é o evento central das diferentes actividades a decorrerem em todo o país para a sensibilização sobre os nascimentos prematuros e a disseminação de informações e boas práticas.

O lema global deste ano destaca a importância do contacto pele-a-pele entre o bebé e os seus pais ou cuidadores, logo após o parto e ao longo do seu crescimento. A prática, já reconhecida cientificamente, é extremamente benéfica para todos os bebés, particularmente para os prematuros, contribuindo, para além do fortalecimento dos vínculos emocional e afectivo, para a estabilização das funções vitais do bebé. A Organização Mundial da Saúde e todas as instituições que compõem a Aliança Global para o Cuidado do Recém-Nascido (GLANCE), decidiram trazer esta temática novamente em 2023.

Ao longo da sua vida, os bebés prematuros podem enfrentar diferentes problemas de saúde, tendo também uma maior probabilidade de atraso no seu desenvolvimento ou de deficiência. Globalmente, nascem cerca de 15 milhões de bebés prematuros por ano.

As taxas mais elevadas de nascimentos prematuros registam-se na África Subsariana e no sul asiático, sendo estas duas regiões responsáveis por mais de 65% dos nascimentos prematuros a nível mundial.

Desde 2015, o Governo de Moçambique e os seus parceiros, a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e Fundo das Nações Unidas para a População (UNFPA), entre outros, têm vindo a trabalhar de forma coordenada para a prevenção e resposta aos nascimentos prematuros, para a expansão de serviços de planeamento familiar e saúde sexual e reprodutiva no país, e para um atendimento de qualidade às gestantes.

A sobrevivência dos bebés está, muitas vezes, directamente relacionada com o local onde nascem. Em países de baixo rendimento, apenas 1 em cada 10 bebés nascidos com menos de 28 semanas de gestação sobrevive, enquanto em países de rendimentos altos, 9 em cada 10 nascidos com menos de 28 semanas sobrevivem (Relatório Born to soon, A Decade of Action on Pre-term Birth).

Em Moçambique, 54% do total da população jovem são mulheres e mais da metade dos partos ocorre entre os 15 e os 24 anos (Censo, 2017). Os nascimentos prematuros são, muitas vezes, consequência de gravidez na adolescência, estando intimamente ligados à falta de planeamento familiar. Cerca de 25% dos partos a nível nacional ocorrem no grupo de raparigas com idades compreendidas entre os 15 e os 19 anos, e apenas 1 em cada 4 mulheres em idade reprodutiva utiliza um método contraceptivo (Censo 2017). Os nascimentos prematuros estão também relacionados com as uniões prematuras e o abandono escolar.


Sobre a OMS

A Organização Mundial da Saúde é a autoridade coordenadora para a saúde no âmbito do sistema das Nações Unidas. É responsável por liderar questões de saúde global, moldar a agenda da investigação em saúde, estabelecer normas e padrões, articular opções políticas baseadas em provas, prestar apoio técnico aos países e monitorizar e avaliar as tendências em matéria de saúde. No século XXI, a saúde é uma responsabilidade partilhada, envolvendo o acesso equitativo aos cuidados essenciais e a defesa colectiva contra as ameaças transnacionais.

Contactos: Maria Da Glória Moreira, Oficial de Informação e Promação da Saúde, OMS Moçambique, +258 84 293 5263; moreirag@who.int

 

Sobre o UNFPA

O Fundo das Nações Unidas para a População (UNFPA) é a agência das Nações Unidas para os direitos sexuais e reprodutivos, que lida ainda com questões populacionais. O UNFPA trabalha para acelerar o acesso universal à saúde sexual e reprodutiva, incluindo o planeamento familiar voluntário e a redução da mortalidade materna e neonatal, procurando a efectivação dos direitos e oportunidades de todas e todos, nomeadamente dos jovens. Para mais informações sobre o UNFPA e o seu trabalho em Moçambique, visite o website https://mozambique.unfpa.org/.

Contactos: Lara Longle, Especialista de Comunicação, UNFPA Moçambique, +258 85 311 7348; longle@unfpa.org

Contacto para os media

Gabriel Pereira
Communication Officer
UNICEF Moçambique
Telefone: +258 84 522 1721

Sobre o UNICEF

O UNICEF trabalha em alguns dos lugares mais difíceis do mundo, para chegar às crianças mais desfavorecidas. Para salvar as suas vidas. Para defender os seus direitos. Para ajudá-las a alcançar o seu verdadeiro potencial. Presentes em 190 países e territórios trabalhamos para cada criança, em qualquer parte, todos os dias, para construirmos um mundo melhor para todos. E nunca desistimos. Para mais informação sobre o UNICEF e seu trabalho para cada criança, visite www.unicef.org.mz

Siga as actividades do UNICEF no Twitter e Facebook