“Você não está só”

Por meio do canal de ajuda em saúde mental Pode Falar, a estudante de psicologia Ana Beatriz trabalha com acolhimento de adolescentes e jovens virtualmente

UNICEF Brasil
18 outubro 2021
Por meio do canal de ajuda em saúde mental Pode Falar, a estudante de psicologia Ana Beatriz trabalha com acolhimento de adolescentes e jovens virtualmente.
Arquivo pessoal

Duas vezes por semana, às 14h em ponto, Ana Beatriz se senta na mesa do seu quarto e liga o computador. Na tela, acessa o canal de ajuda em saúde mental virtual Pode Falar – iniciativa do UNICEF e parceiros – e coloca seu status: disponível. Isso porque Ana é uma das pessoas responsáveis por escutar e acolher meninos e meninas em busca de alguém para conversar em todo o país. Durante quatro horas do seu dia, ela atende, em tempo real, qualquer pessoa que precise falar. “Eu me apresento, frisando que sou atendente, cumprimento e pergunto se a pessoa gostaria de me contar mais sobre o que está passando”, conta.

Estudante de psicologia, a jovem de 21 anos atua como estagiária do Núcleo de Cuidado Humano, uma iniciativa da Universidade Federal Rural de Pernambuco. No estágio, Ana já trabalhava presencialmente com atendimentos únicos e acolhimento de estudantes e funcionários da universidade. Quando a pandemia da covid-19 chegou, o Núcleo precisou adaptar a sua forma de atuação, e passou a receber telefonemas e e-mails. Foi quando os propósitos das iniciativas se uniram e os integrantes do projeto passaram a participar do Pode Falar, atendendo de forma online e ampliando sua atuação para todo o Brasil. “A ideia é ser um acolhimento, um atendimento único, e a pessoa pode ou não voltar”, explica Ana.

Pode falar comigo
Já faz seis meses que Ana Beatriz atua como atendente e, desde então, já conversou com diversas pessoas. O que mais a marcou do seu trabalho foram os temas comumente trazidos pelos adolescentes e jovens: ansiedade, apatia, problemas de relacionamento, abuso, e questões familiares. “Alguns precisam de encaminhamento, seja psicoterapia, seja denúncia, mas em alguns casos apenas a fala do jovem você percebe que naquele momento já seria o bastante”, relata. Para ajudar, Ana sempre informa os caminhos possíveis para que o adolescente ou jovem saiba como receber atendimento psicológico, consiga reconhecer o seu sistema de apoio em casa com a família e amigos, e sempre deixa o Pode Falar aberto para recebê-los.

Por isso, para ela, existir um espaço como esse online é essencial para que adolescentes e jovens que sintam que não têm com quem falar possam se sentir acolhidos. “Como é por mensagem, o jovem pode estar no local que preferir e em que se sente confortável, além de ele saber que essas mensagens não vão ser repassadas ou ferir a sua autonomia”, diz.

O importante é fazer com que o outro se sinta acolhido, e que tenha confiança em quem está conversando sobre sua situação. “A gente sempre tem que buscar ter muita empatia por quem está do lado, porque, por mais que conheçamos a pessoa, há coisas que são muito particulares. Se você não transparecer confiança, essa pessoa talvez nunca consiga se abrir”, explica Ana Beatriz.

Por também ser jovem, Ana entende bem o que muitos dos que acessam o Pode Falar estão passando. “Eu também estou na faixa etária que o Pode Falar atende, então, às vezes, me deparo com problemas ou questões que trazem que são muito parecidas com as minhas questões”, diz. Para ela, essa é uma oportunidade de constantemente se lembrar de cuidar da própria saúde mental, e busca, por meio da sua atuação, deixar uma mensagem importante. “Se a gente fala para buscar ajuda, a gente também tem que fazer a mesma coisa. Fale; se não conseguir, grite! Mas procure ajuda, você não está só!”, completa.

Sobre o Pode Falar
O Pode Falar é um canal de ajuda virtual em saúde mental e bem-estar para adolescentes e jovens de 13 a 24 anos. O Pode Falar foi criado em parceria com diversas organizações da sociedade civil e empresas com maestria na área, e funciona de forma anônima e gratuita por meio de um chatbot que pode ser acessado no site podefalar.org.br.