Ninguém sabe quando estou com o periodo

A incrível história de Nhima Bladé

UNICEF
Nhima Baldé and her mother
© UNICEF/Guinea-Bissau/2019/Onaindia
16 Abril 2020

Nhina Baldé17 anos, (direita), membro do Clube de Higiene, e a sua mãe, Penda na Guiné-Bissau.

Uma vez todos os meses, o medo de roupas manchadas de sangue, vergonha dos colegas e desconforto mantinham, Nhima Baldé de 17 anos, longe da escola, actividades físicas e dos seus amigos. O periodo dela restringia a sua confiança, e fazia sentir-se isolada e suja por não ter os materiais adequados para lidar com o mesmo.

Tudo isto mudou o ano passado, quando Cadidjatu, a sua professora do secundário em Fajonquito, Guiné-Bissau introduziu-a e às suas colegas de turma aos copos menstruais e forneceu instruções de como usá-los corretamente.

“A Cadidjatu explicou-nos como as nossas vidas seriam mais fáceis se usássemos os copos e como também beneficiaria a nossa saúde e confiança,” conta Nhima, que inicialmente estava um bocado reticente.

Nhima tornou-se numa influência-chave, inspirando outras meninas a recorrer aos copos.

Sentindo-se um bocado ansiosa, Nhima decidiu ir à professora para uma última pergunta depois da aula, “Mesmo estando com o periodo, poderei assistir às aulas?”

Para sua surpresa, a resposta foi um ressonante “sim”.

Nesse mesmo dia, Nhima decidiu começar a usar a copo menstrual durante o seu ciclo e esqueceu-se dos pensos higiénicos tradicionais, ou ‘ratadjo’, que são feitos de pedaços coloridos de tecido. ‘Ratadjo’ não são higiénicos e fornecem uma proteção inadequada às meninas para que elas possam ter um ciclo menstrual seguro e digno.

Um grupo de meninas está de pé à entrada da nova casinha construída.
UNICEF Guinea-Bissau/2019/Onaindia

Nhima (à esquerda) e as suas colegas de turma, todas membros do Clube de Higiene, numa nova latrina construída na escola apoiada pelo UNICEF.

Durante o uso do copo menstrual, Nhina reparou que os seus medos se tinham ido embora. Ela já não tinha medo de atrair a atenção dos colegas por causa de roupas manchadas de sangue. Já não faltava às aulas, a desporto ou a passer tempo com os seus amigos.

“Antes de experimentar o copo, eu usava ‘ratadjo’ para proteger o periodo,” ela explica.

“Mas, as minhas roupas sujavam-se e eu tinha de mudar de calças com frequência. Agora, ninguém sabe quando estou com o período.”

Hoje, essa declaração é a primeira que Nhima usa quando está a promover o uso dos copos menstruais às suas familares e meninas na comunidade. Através da confiaça que ela ganhou lidando com o period de forma segura, Nhima tornou-se numa influência-chave, inspirando outras meninas a recorrer aos copos menstruais da professora.

Cada copo custa por volta de 5 euros, por isso as meninas têm frequentemente de recolher e poupar dinheiro antecipadamente para poderem comprá-los, mesmo que isso signifique sacrificar uma nova peça de roupa ou uma ida ao cabeleireiro.

O impacto deste fenómeno boca-a-boca está a criar uma diferença visível na vida de várias meninas. Raparigas na comunidade frequentam mais as aulas, têm melhor desempenho académico e estão mais saudáveis e mais confiantes. Antes dos copos menstruais, elas queimavam ou deitavam os pesnos higiénicos nas latrinas, resultando numa gestão precária de resíduos e condições não higiénicas. Hoje, a gestão de resíduos na comunidade melhorou e as latrinas são mais limpas.

Teenage girl reading
UNICEF Guinea-Bissau/2019/Onaindia

Uma jovem estudante em Bubaque está a aprender sobre a saúde menstrual e higiene através do programa UNICEF no domínio da Água, Higiene e Saneamento (WASH) nas Escolas.

“O copo faz-nos sentir mais limpas. É muito valioso para mim, porque agora ninguém sabe quando estou com o periodo e posso fazer tudo o que quiser,” diz Fatumata, outra participante do program ana escola.

O verdadeiro testemunho do poder influente de Nhima foi convencer a sua mãe a recorrer aos copos menstruais em vez dos tradicionais.

“A minha filha contou-me que ela se sentia muito bem com o copo e que muitas infeções seriam prevenidas como o seu uso,” relata a sua mãe, Penda. “Desde então, eu também tenho usado o copo.”

Em parceria com o UNICEF, o Governo da Guiné-Bissau, assegurar um ambiente escolar onde as meninas se possam sentir confiantes todos os dias, incluindo quando estão no ciclo menstrual. As aulas de saúde menstrual e higiene fazem parte do programa do UNICEF WASH- Nas-Escolas, onde meninas são ensinadas em como usar pensos higiénicos e copos menstruais, e rapazes também são ensinados sobre a saúde menstrual para eliminar taboos e o estigma. A venda dos copos menstruais também está a trabalhar no sentido de criar um mercado para produtos menstruais acessíveis e de alta qualidade no país.