1 em cada 3 crianças expostas a uma grave escassez de água – alerta o UNICEF

O mundo alterado pelo clima - com a diminuição do abastecimento de água e serviços de água inadequados - está também a mudar as crianças, alterando a sua saúde mental e física, alerta um novo relatório

13 Novembro 2023
climate report
UNICEF

NOVA IORQUE, 13 de novembro de 2023 - Uma em cada três crianças - ou seja, 739 milhões em todo o mundo - já vive em zonas expostas a uma escassez de água elevada ou muito elevada, e as alterações climáticas ameaçam agravar esta situação, de acordo com um novo relatório do UNICEF.

Além disso, o duplo fardo da diminuição da disponibilidade de água e de serviços inadequados de água potável e saneamento está a agravar o desafio, colocando as crianças em risco ainda maior.

A Criança Alterada pelo Clima - lançado antes da cimeira sobre as alterações climáticas COP28 - chama a atenção para a ameaça que paira sobre as crianças em resultado da vulnerabilidade da água, uma das formas em que os impactos das alterações climáticas se fazem sentir. Fornece uma análise dos impactos dos três níveis de segurança da água a nível mundial - escassez de água, vulnerabilidade da água e stress hídrico*.

O relatório, um suplemento ao relatório do UNICEF - Índice de Risco Climático para Crianças - "Children's Climate Risk" (2021), descreve também a miríade de outras formas pelas quais as crianças suportam o peso dos impactos da crise climática - incluindo doenças, poluição atmosférica e fenómenos meteorológicos extremos, como inundações e secas. Desde o momento da concepção até à idade adulta, a saúde e o desenvolvimento do cérebro, dos pulmões, do sistema imunitário e de outras funções críticas das crianças são afectados pelo ambiente em que crescem. Por exemplo, as crianças são mais susceptíveis de sofrer de poluição atmosférica do que os adultos. Geralmente, respiram mais depressa do que os adultos e os seus cérebros, pulmões e outros órgãos ainda estão a desenvolver-se.

O referido relatório indica que as crianças e jovens que vivem na Guiné-Bissau são as quintas mais vulneráveis do mundo face aos impactos das alterações climáticas, que ameaçam a sua saúde, educação e proteção, e as expõem a doenças mortais. O mesmo concluiu que as crianças Guineenses estão altamente expostas a inundações costeiras e poluição do ar, mas também que os investimentos em serviços sociais, especialmente Educação, Água, Higiene e Saneamento podem fazer uma diferença significativa na nossa capacidade de proteger o seu futuro dos impactos das mudanças climáticas.

"As consequências das alterações climáticas são devastadoras para as crianças", afirmou Catherine Russell, Directora Executiva do UNICEF. "Os seus corpos e mentes são particularmente vulneráveis ao ar poluído, à má nutrição e ao calor extremo. Não é só o seu mundo que está a mudar - com as fontes de água a secarem e os terríveis fenómenos meteorológicos a tornarem-se mais fortes e mais frequentes - também o seu bem-estar está a mudar, uma vez que as alterações climáticas afectam a sua saúde mental e física. As crianças estão a exigir mudanças, mas as suas necessidades são demasiadas vezes relegadas para segundo plano".

De acordo com as conclusões do relatório, a maior parte das crianças está exposta nas regiões do Médio Oriente e do Norte de África e do Sul da Ásia, o que significa que vivem em locais com recursos hídricos limitados e níveis elevados de variabilidade sazonal e interanual, declínio dos lençóis freáticos ou risco de seca.

Um número demasiado elevado de crianças - 436 milhões - está a enfrentar o duplo fardo da elevada escassez de água ou muito elevada e de níveis de serviço de água potável baixos ou muito baixos - conhecido como vulnerabilidade extrema à água - deixando as suas vidas, saúde e bem-estar em risco. É um dos principais factores de mortalidade entre as crianças com menos de 5 anos devido a doenças evitáveis.

O relatório mostra que os mais afectados vivem em países de baixo e médio rendimento da África Subsariana, da Ásia Central e Meridional e da Ásia Oriental e do Sudeste Asiático. Em 2022, 436 milhões de crianças viviam em zonas que enfrentavam uma vulnerabilidade extrema à água. Alguns dos países mais afectados incluem o Níger, a Eritreia, a Jordânia, o Burkina Faso, o Iémen, o Chade e a Namíbia, onde 8 em cada 10 crianças estão expostas.

Nestas circunstâncias, o investimento em água potável e serviços de saneamento é uma primeira linha de defesa essencial para proteger as crianças dos impactos das alterações climáticas. As alterações climáticas estão também a conduzir a um aumento do stress hídrico - o rácio entre a procura de água e as reservas renováveis disponíveis - alerta o relatório. Prevê-se que, até 2050, mais 35 milhões de crianças estejam expostas a níveis elevados ou muito elevados de stress hídrico, sendo o Médio Oriente e o Norte de África e o Sul da Ásia os países que enfrentam atualmente as maiores alterações.

Apesar da sua vulnerabilidade única, as crianças têm sido ignoradas ou largamente ignoradas nos debates sobre as alterações climáticas. Por exemplo, apenas 2,4 por cento do financiamento climático dos principais fundos multilaterais para o clima apoiam projectos que incorporam actividades sensíveis às crianças.

Na COP28, o UNICEF está a apelar aos líderes mundiais e à comunidade internacional para que tomem medidas cruciais com e para as crianças para garantir um planeta habitável, incluindo:
Elevar as crianças no âmbito da Decisão Final de Cobertura da COP28 e convocar um diálogo de peritos sobre as crianças e as alterações climáticas.

  • Integrar as crianças e a equidade entre gerações no Global Stocktake (GST).
  • Incluir as crianças e os serviços essenciais resilientes às alterações climáticas na decisão final sobre o Objectivo Global de Adaptação (GGA).
  • Assegurar que o Fundo de Perdas e Danos e os acordos de financiamento sejam sensíveis às crianças, com os direitos da criança integrados na governação do fundo e no processo de tomada de decisões.

Para além da COP28, o UNICEF apela às partes para que tomem medidas para proteger as vidas, a saúde e o bem-estar das crianças - nomeadamente através da adaptação de serviços sociais essenciais, capacitar cada criança para ser um defensor do ambiente e cumprir os acordos internacionais de sustentabilidade e alterações climáticas, incluindo a rápida redução das emissões.

"As crianças e os jovens têm feito apelos urgentes para que as suas vozes sejam ouvidas sobre a crise climática, mas quase não têm um papel formal na política climática e na tomada de decisões. Raramente são consideradas nos planos e acções existentes de adaptação, mitigação ou financiamento do clima", afirmou Russell. "É nossa responsabilidade colectiva colocar todas as crianças no centro da ação climática global urgente."

#####

 

Notas para os editores:
Aceder ao relatório aqui quando o embargo for levantado

  • Estão disponíveis recursos multimédia aqui

 

* Stress hídrico: O rácio entre a procura total de água e as reservas renováveis de águas superficiais e subterrâneas disponíveis. A procura de água inclui as utilizações domésticas, industriais, de irrigação e pecuária. Valores mais elevados indicam maior concorrência entre os utilizadores.

Escassez de água: O Índice de Risco Climático para Crianças do UNICEF define a escassez de água com base numa medida composta de stress hídrico de base, variabilidade sazonal, variabilidade interanual, declínio do lençol freático e risco de seca. Valores mais elevados indicam uma maior exposição a riscos de escassez de água.

Vulnerabilidade à água: O UNICEF calcula o índice de vulnerabilidade (UNICEF, 2021, The UNICEF Extreme Water Vulnerability Index (EWVI) – Methodology Paper. TP/12/2021) à água com base numa medida composta da escassez de água (como acima) e dos níveis de serviço de água potável.

 

Valores mais elevados indicam níveis elevados de escassez de água e níveis baixos de serviço de água potável.

Contacto para os media

Wilson Gama
Oficial de Comunicação
UNICEF Guiné-Bissau
Telefone: +245 95 579 79 53

Sobre o UNICEF

O UNICEF trabalha em alguns dos lugares mais difíceis do mundo, para chegar às crianças mais desfavorecidas. Para salvar as suas vidas. Para defender os seus direitos. Para ajudá-las a alcançar o seu verdadeiro potencial. Presentes em 190 países e territórios trabalhamos para cada criança, em qualquer parte, todos os dias, para construirmos um mundo melhor para todos. E nunca desistimos.

Para mais informações sobre o UNICEF e o seu trabalho, visite: www.unicef.org

Siga o UNICEF em TwitterFacebookInstagram e YouTube