Programa de subsidio para criança ajuda as famílias a tornarem-se auto-suficientes em Nampula

Dalila reconhece que o programa de subsidio para criança ajudou-a muito nos momentos difíceis da sua vida.

Gerson Nhancale
Dalila reconhece que o programa de subsidio para criança ajudou-a muito nos momentos difíceis da sua vida.
UNICEF/2021/Gerson Nhancale
20 Janeiro 2022

Nampula, Nacala Velha – “Enfrentei muitas dificuldades para sustentar os meus filhos quando o meu marido morreu e na altura eu acabava de ter o meu filho mais novo que esta inscrita no programa,” disse Dalila Guarda, de 39 anos de idade, mãe de 6 filhos, recordando dos tempos passados difíceis antes de começar a receber o dinheiro do subsidio para criança.

O filho mais novo de Dalila é beneficiário do programa de subsidio para criança. Dalia teve de o criar sozinha porque o seu marido morreu pouco depois do nascimento. Tal como outros beneficiários do programa, Dalila fez bom uso do dinheiro que recebia, “com o dinheiro que recebi, a minha prioridade aqui em casa foi comprar comida. Também aumentei a minha área de cultivo e comecei um pequeno negócio de criação de porcos. Uma das vendas de porcos rendeu me 10,500 meticais e usei este dinheiro para comprar semente e produzir mais amendoim para a venda”.

Dalila reconhece que o programa de subsidio para criança ajudou-a muito nos momentos difíceis da sua vida, “estou contente porque consegui fazer muitas coisas com o dinheiro, como forma de me preparar antes do programa terminar, pois sabia que quando o meu filho completasse os 2 anos de idade iria parar de receber o dinheiro do programa,” contou Dalila optimista com o seu futuro.

A fase de arranque do programa de Subsidio para criança (0-2 anos) em Moçambique é implementado pelo Ministério do Género, Criança e Acção Social (MGCAS), através do Instituto Nacional de Acção Social (INAS) com o apoio da Suécia, Holanda e Reino Unido, e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF). A fase de arranque foi iniciada em Setembro de 2018 em quatro distritos de Nampula, uma das províncias mais pobres de Moçambique. A fase de arranque foi finalizada em Dezembro de 2021, quando todas as 15,345 crianças e os cuidadores terão recebido 24 meses de pagamentos, e se graduarem no programa. Com base nos resultados positivos da fase de arranque do programa, o Governo de Moçambique está e a preparar-se para a sua expansão a fim de atingir mais crianças e famílias.

“Gostaria de deixar ficar um pedido ao INAS, para que possam cuidar das crianças órfãs na minha comunidade [Mueria] como ajudaram a cuidar dos meus filhos,” pediu Dalila.