Crianças com deficiência: A história de Fernando Pedro

Fernando Pedro tem três anos de idade e mora com os pais no distrito de Nhamatanda, na província de Sofala. Fernando nasceu com síndrome de Down.

Miraldina Gabriel e Cláudio Fauvrelle
Fernando Pedro tem três anos de idade e mora com os pais no distrito de Nhamatanda, na província de Sofala. Fernando nasceu com síndrome de Down e no hospital local não conseguiram explicar para sua mãe o que significava a condição do menino, “Eu vi que meu filho não era normal porque até aos sete meses ele não sentava e com o passar do tempo ele  piorava, quando ele tinha dois anos, ficou muito doente, tinha problemas de coluna, dor de cabeça e não conseguia movimentar os braços,” contou Joana Gombeza, mãe
Light for the World/2020/Miraldina Gabriel
17 Setembro 2020

Nhamatanda, Sofala - Fernando Pedro tem três anos de idade e mora com os pais no distrito de Nhamatanda, na província de Sofala. Fernando nasceu com síndrome de Down e no hospital local não conseguiram explicar para sua mãe o que significava a condição do menino, “Eu vi que meu filho não estava bem porque até aos sete meses ele não sentava e com o passar do tempo ele  piorava, quando ele tinha dois anos, ficou muito doente, tinha problemas de coluna, dor de cabeça e não conseguia movimentar os braços,” contou Joana Gombeza, mãe do Fernando.

Em Fevereiro deste ano, Fernando entrou para o Programa de Reabilitação Baseada na Comunidade da Light For the World, com o generoso financiamento do Governo da Noruega e do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), e com os exercícios feitos com apoio de um activista, o menino tem apresentado melhorias. Hoje, Fernando já consegue sentar, já consegue bater palmas, e uma das coisas que ele mais gosta, é que cantem para ele enquanto ele acompanha batendo as palminhas.  

“Quando meu filho entrou para o programa ele não conseguia sentar, só ficava deitado, não conseguia abrir as mãos, mas hoje ele já senta sozinho, já consegue comer sozinho, estica os braços e as mãos. Tenho fé que com mais exercícios, ele vai poder andar. Esse é o meu sonho, que um dia o meu filho também conseguir andar como outras crianças e poder ir a escola,” disse Joana Gombeza.

Com a chegada do coronavírus em Moçambique, o governo determinou algumas medidas para conter a propagação do vírus e uma delas é o distanciamento social e por isso, as actividades de reabilitação tiveram que ser canceladas, mas ainda assim, o menino Fernando como outras crianças que precisam dos exercícios de reabilitação, fazem-no com o apoio dos familiares para que não possam comprometer a sua recuperação.  

“Fernando é um menino muito alegre e que gosta de bater palmas, coisa que ele aprendeu a fazer a pouco de mais de cinco meses,” concluiu Joana.