Um novo Relatório das Nações Unidas revela um alarmante retrocesso na saúde das mulheres, crianças e adolescentes

A COVID-19, os conflitos e a crise climática exacerbam retrocessos para a infância e a adolescência, assim como os direitos das mulheres

18 Outubro 2022
A Light for the World e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), com o apoio do Governo da Noruega, estão a desenvolver um projecto que visa garantir a inclusão das crianças e pessoas com deficiência em todo o processo de ajuda humanitária.
Light for the World/2022/Miraldina Gabriel

Berlim, 18 de Outubro de 2022 - Um novo relatório da ONU mostra que a saúde das mulheres e das crianças tem sofrido globalmente, à medida que os impactos dos conflitos, da pandemia COVID-19 e das alterações climáticas convergem com efeitos devastadores nas perspectivas para as crianças, os jovens e as mulheres.

Os dados apresentados no relatório mostram uma regressão crítica em praticamente todas as grandes medidas de bem-estar infantil, e muitos indicadores chave dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Desde o último Every Woman Every Child Progress Report publicado em 2020, a insegurança alimentar, a fome, o casamento infantil, os riscos de violência do parceiro íntimo, e a depressão e ansiedade adolescente aumentaram.

Estima-se que 25 milhões de crianças não foram vacinadas ou foram sub-vacinadas em 2021 - mais 6 milhões do que em 2019 - aumentando o seu risco de contrair doenças mortais e debilitantes. Milhões de crianças faltaram à escola durante a pandemia, muitas durante mais de um ano, enquanto aproximadamente 80% das crianças em 104 países e territórios sofreram perdas de aprendizagem devido ao encerramento de escolas. Desde o início da pandemia global, 10,5 milhões de crianças perderam um progenitor ou prestador de cuidados para a COVID-19.

"No cerne da nossa promessa não cumprida está a incapacidade de abordar as desigualdades que estão na origem das crises globais, desde a pandemia da COVID-19 até aos conflitos e à emergência climática. O relatório descreve os impactos destas crises nas mulheres, crianças e adolescentes, desde a mortalidade materna até à perda de educação e desnutrição grave", disse Antonio Guterres, Secretário-Geral das Nações Unidas.

O relatório fornece uma ampla evidência de que as crianças e os adolescentes enfrentam possibilidades extremamente divergentes de levar uma vida saudável baseada simplesmente no local onde nascem, na sua exposição ao conflito, e nas circunstâncias económicas das suas famílias. Por exemplo:

  • Uma criança nascida num país de baixos rendimentos tem uma esperança média de vida à nascença de cerca de 63 anos, em comparação com 80 num país de altos rendimentos. Este fosso devastador de 17 anos de sobrevivência pouco mudou nos últimos anos. Em 2020, 5 milhões de crianças morreram mesmo antes dos 5 anos de idade, na sua maioria devido a causas evitáveis ou tratáveis. Entretanto, a maioria das mortes e natimortos de mães, crianças e adolescentes estão concentrados em apenas duas regiões - África Subsaariana e Sul da Ásia.
  • Mais de 45 milhões de crianças tiveram desnutrição aguda em 2020, uma condição de risco de vida que as deixa vulneráveis à morte, atrasos de desenvolvimento e doenças. Quase três quartos destas crianças vivem em países de rendimento médio-baixo. Em 2020, 149 milhões de crianças foram atrofiadas. A África é a única região onde o número de crianças afectadas pelo raquitismo aumentou nos últimos 20 anos, de 54,4 milhões em 2000 para 61,4 milhões em 2020.
  • Os seis países com o maior número de deslocados internos - Afeganistão, República Democrática do Congo, Etiópia, Sudão, República Árabe Síria e Iémen - estão também entre os 10 países com maior insegurança alimentar.
  • Uma mulher na África subsaariana tem um risco 130 vezes maior de morrer por causas relacionadas com a gravidez ou o parto do que uma mulher na Europa ou na América do Norte. A cobertura de cuidados pré-natais, assistência qualificada ao parto e cuidados pós-natais está longe de atingir todas as mulheres em países de baixo e médio rendimento, deixando-as em elevado risco de morte e incapacidade.
  • Milhões de crianças e respectivas famílias estão a sofrer de problemas de saúde física e mental devido a recentes catástrofes humanitárias no Afeganistão, Etiópia, Paquistão, Somália, Ucrânia e Iémen. Em 2021, um número recorde de 89,3 milhões de pessoas em todo o mundo foram expulsas das suas casas pela guerra, violência, perseguição e abuso dos direitos humanos.

O relatório apela à comunidade global a abordar esta trajectória prejudicial e a proteger as promessas feitas às mulheres, crianças e adolescentes nos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável. Em particular, defende que os países continuem a investir nos serviços de saúde, a enfrentar todas as crises e insegurança alimentar, e a dar poder às mulheres e aos jovens em todo o mundo.

O relatório, intitulado Proteger a Promessa (Protect the Promise),  é publicado por parceiros globais, incluindo a OMS, UNICEF, UNFPA, Partnership for Maternal, Newborn & Child Health (PMNCH) e Countdown to 2030, como um resumo bianual dos progressos em resposta à Estratégia Global para a Saúde de Todas as Mulheres, Crianças e Adolescentes do Secretário-Geral da ONU. A síntese mais abrangente de provas sobre o estado actual da saúde materna, do recém-nascido, da criança e do adolescente, actualiza o último Every Woman Every Child Global Strategy Progress Report (Relatório de Progresso da Estratégia Global para Cada Mulher, Criança e Adolescente) publicado em 2020.


Citações:

"Quase três anos após o início da COVID-19, o impacto a longo prazo da pandemia na saúde e bem-estar de mulheres, crianças e adolescentes está a tornar-se evidente: as suas hipóteses de vidas saudáveis e produtivas diminuíram drasticamente", disse o Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, Director-Geral da OMS.  "À medida que o mundo emerge da pandemia, proteger e promover a saúde das mulheres, crianças e jovens é essencial para apoiar e sustentar a recuperação global".

"Os impactos da COVID-19, os conflitos e as crises climáticas aumentaram os riscos para as comunidades vulneráveis, revelando as fraquezas e desigualdades nos sistemas de saúde e invertendo os progressos duramente conquistados por mulheres, crianças e adolescentes - mas não somos impotentes para mudar isto", disse a Executiva da UNICEF Catherine Russell. "Ao investir em sistemas de cuidados de saúde primários resilientes e inclusivos, ao iniciar programas de imunização de rotina e ao reforçar a força de trabalho da saúde, podemos garantir que todas as mulheres e todas as crianças possam ter acesso aos cuidados de que necessitam para sobreviver e prosperar".

"Há uma crise de iniquidade que se está a acumular sobre ameaças que já estão a aumentar e a agravar-se. Num mundo onde demasiadas crianças, adolescentes e mulheres estão a morrer, a equidade, o empoderamento e o acesso são o que precisa de atenção urgente", disse S.E. Kersti Kaljulaid, Global Advocate for Every Woman Every Child and President of the Republic of Estonia, 2016-2021. "Apelamos a todos para que pensem e ajam de forma ampla e profunda para proteger a promessa. Esta promessa refere-se não só aos compromissos assumidos nos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável, e a todas as campanhas que se seguiram, mas também à maior promessa de potencial com que todos nascem. Demasiadas vezes esta promessa permanece por reclamar, ou mesmo negada".

"Face ao crescente impulso político contra a saúde e os direitos sexuais e reprodutivos em muitos países, as mulheres, as crianças e os adolescentes de hoje ficam sem muitas das protecções de apenas uma década atrás, e muitos outros ainda não viram o progresso de que necessitam", disse a Dra. Natalia Kanem, Directora Executiva do UNFPA. "O acesso aos serviços de saúde sexual e reprodutiva, incluindo a contracepção, é um direito fundamental que afecta directa e gravemente a capacidade das mulheres e raparigas adolescentes de prosperar. Precisamos de expandir estes direitos e serviços para os mais marginalizados, não deixando ninguém para trás".

"O relatório defende que os países continuem a investir nos serviços de saúde, em todas as crises, e a reimaginar sistemas de saúde que possam verdadeiramente chegar a todas as mulheres, crianças e adolescentes, não importa quem sejam ou onde vivam", disse a Rt. Hon Helen Clark, Presidente da Direcção da PMNCH (The Partnership for Maternal, Newborn & Child Health) e ex-Primeira-Ministra da Nova Zelândia. "Especialistas e líderes mundiais apelam a mais mulheres na política e tomada de decisões a todos os níveis, a um envolvimento significativo com os jovens, e a sistemas de cuidados de saúde primários que proporcionem o que as pessoas mais precisam quando e onde mais precisam".


Notas ao editor:

Descarregar conteúdo multimédia aqui

Aceda aqui a infografia e dados

O relatório será lançado na Cimeira Mundial da Saúde em Berlim, a 18 de Outubro de 2022, às 9h TMG+2, numa sessão onde as conclusões serão discutidas pelos líderes mundiais e pelos jovens. A participação na sessão poderá ser em presença ou virtualmente.

Os oradores incluem:

  • Rt. Hon. Helen Clark, Antiga Primeira Ministra da Nova Zelândia e Presidente do Conselho de Administração da PMNCH (@HelenClarkNZ)
  • H.E. Kersti Kaljulaid, Antigo Presidente da Estónia e Advogado Global do SG da ONU para Cada Mulher Cada Criança (@KerstiKaljulaid)
  • Dr. Austin Demby, Ministro da Saúde e do Saneamento, Serra Leoa (@mohs_sl)
  • Tedros Adhanom Ghebreyesus, Director Geral, OMS (@DrTedros)
  • Aboubacar Kampo, Director de Programas de Saúde, UNICEF (@AbouKampo)
  • Natalia Kanem, Directora Executiva, UNFPA (@Atayeshe)
  • Anshu Banerjee, Director, Departamento de Saúde Materna, Recém-nascido, Criança e Adolescente e Envelhecimento, OMS (@ABanerjeeWHO)
  • Yana Panfilova, Fundadora da Teenergizer, Activista e refugiada ucraniana (@YPanfilova)
  • Elhadj As Sy, Presidente da Direcção, Fundação Kofi Annan (@Elhadj_As_Sy)
  • Inger Ashing, CEO, Save the Children International (@SaveCEO_Intl)
  • Maziko Matemvu, Presidente e Fundador, Uwale (@mazikospeaks)
  • Loyce Pace, Secretária Adjunta para os Assuntos Globais, Departamento de Saúde e Serviços Humanos, EUA (@HHS_ASGA

 

Contactos para os meios de comunicação social:

Para perguntas ou pedidos de entrevistas aos participantes do evento, os jornalistas são convidados a contactar:

EWEC: Natalie Bailey, baileyn@who.int
PMNCH: Cathy Bartley, cathy.bartley@bartley-robbs.co.uk and Mijail Santos msantos@who.int
UNICEF: Sara Alhattab, salhattab@unicef.org
UNFPA: Rebecca Zerzan, zerzan@unfpa.org
WHO: Laura Keenan, keenanl@who.int

Protect.everywomaneverychild.org

Contacto para os media

Gabriel Pereira
Communication Officer
UNICEF Moçambique
Telefone: +258 82 316 5390

Sobre o UNICEF

O UNICEF trabalha em alguns dos lugares mais difíceis do mundo, para chegar às crianças mais desfavorecidas. Para salvar as suas vidas. Para defender os seus direitos. Para ajudá-las a alcançar o seu verdadeiro potencial. Presentes em 190 países e territórios trabalhamos para cada criança, em qualquer parte, todos os dias, para construirmos um mundo melhor para todos. E nunca desistimos. Para mais informação sobre o UNICEF e seu trabalho para cada criança, visite www.unicef.org.mz

Siga as actividades do UNICEF no Twitter e Facebook