Parceiros globais anunciam um novo esforço - "The Big Catch-up" - "A Grande Recuperação" - para vacinar milhões de crianças e restaurar o progresso da vacinação perdido durante a pandemia

"The Big Catch-up" - é um esforço alargado para elevar os níveis de vacinação das crianças para, pelo menos, os níveis pré-pandémicos e tentar ultrapassá-los.

24 Abril 2023
Uma criança recebe uma vacina no seu braço numa comunidade de Moçambique.
UNICEF/MOZA2021-01062/Mario Lemos

Genebra/Nova Iorque/Seattle - A Organização Mundial da Saúde (OMS), o Fundo das Nações Unidas para a Infância ( UNICEF), a Gavi, a Aliança para as Vacinas e a Fundação Bill & Melinda Gates, juntamente com a Agenda de Vacinação 2030 e muitos outros parceiros de saúde globais e nacionais, estão hoje a unir forças para apelar ao "The Big Catch-up", um esforço global direccionado para aumentar a vacinação entre as crianças após os declínios originados pela pandemia da COVID-19.

Este esforço visa inverter a diminuição na vacinação infantil registados em mais de 100 países desde a pandemia, devido à sobrecarga dos serviços de saúde, ao encerramento de clínicas e à interrupção das importações e exportações de frascos, seringas e outros produtos médicos. Entretanto, as comunidades e as famílias sofreram confinamentos, restringindo as deslocações e o acesso aos serviços, e os recursos financeiros e humanos foram limitados, bem como o acesso aos produtos de saúde, devido à resposta de emergência. Os desafios actuais, como os conflitos, as crises climáticas e a hesitação em vacinar, também contribuíram para o declínio das taxas de cobertura.

Com mais de 25 milhões de crianças sem pelo menos uma vacinação só em 2021, os surtos de doenças evitáveis, incluindo o sarampo, a difteria, a poliomielite e a febre amarela, já estão a tornar-se mais prevalentes e graves. A iniciativa "Big Catch-up" tem por objectivo proteger as populações de surtos evitáveis por vacinação, salvar a vida das crianças e reforçar os sistemas nacionais de saúde.

Ao mesmo tempo que apela aos cidadãos e aos governos de todos os países para que desempenhem o seu papel na recuperação do atraso, chegando às crianças que não foram vacinadas, a iniciativa "A Grande Recuperação" centrar-se-á especialmente nos 20 países onde vivem três quartos das crianças que não foram vacinadas em 2021*.

Embora os níveis de cobertura global tenham diminuído, também se registaram pontos brilhantes de resiliência. Por exemplo, os primeiros relatórios indicam que a Índia registou uma forte recuperação na vacinação essencial em 2022, enquanto o Uganda manteve elevados níveis de cobertura durante a pandemia. Os países também foram bem-sucedidos em alcançar grupos em situações vulneráveis. No Quénia, por exemplo, a colaboração com trabalhadores comunitários de saúde e líderes locais melhoraram os níveis de vacinação entre as populações nómadas no norte do país.

Para garantir o progresso na vacinação infantil, os parceiros estão a trabalhar com os países para reforçar a força de trabalho dos cuidados de saúde, melhorar a prestação de serviços de saúde, criar confiança e procura de vacinas nas comunidades e colmatar lacunas e obstáculos à restauração da vacinação. Para além de recuperar o atraso na vacinação infantil, são necessários esforços redobrados para introduzir a vacina contra o papilomavírus humano (HPV) nos adolescentes, a fim de prevenir o cancro do colo do útero, em especial nos países de baixo e médio rendimento, onde o fardo é mais elevado.

O Director-Geral da OMS, Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou: "Milhões de crianças e adolescentes, em especial nos países de baixo rendimento, não receberam vacinas que salvam vidas, ao mesmo tempo que aumentaram os surtos destas doenças mortais. A OMS está a apoiar dezenas de países para restabelecer a vacinação e outros serviços de saúde essenciais. A recuperação do atraso é uma prioridade máxima. Nenhuma criança deve morrer de uma doença evitável por vacinação".

"As vacinas de rotina são normalmente a primeira entrada de uma criança no seu sistema de saúde, pelo que as crianças que não recebem as primeiras vacinas correm um risco acrescido de serem excluídas dos cuidados de saúde a longo prazo", afirmou a Directora Executiva do UNICEF, Catherine Russell. "Quanto mais tempo esperarmos para alcançar e vacinar estas crianças, mais vulneráveis elas se tornam e maior é o risco de surtos de doenças mais mortais. Os países, os parceiros globais e as comunidades locais devem unir-se para reforçar os serviços, criar confiança e salvar vidas".

"Não podemos permitir que um legado da pandemia seja o desfazer de muitos anos de trabalho a proteger cada vez mais crianças de doenças mortais e evitáveis", afirmou o Dr. Seth Berkley, Director Executivo da Gavi, a Aliança para as Vacinas. "Os parceiros globais de saúde, trabalhando com governos e comunidades, devem fazer tudo o que puderem para proteger a vida de todas as crianças."

"As vacinas são um triunfo da saúde pública", disse o Dr. Chris Elias, Presidente de Desenvolvimento Global da Fundação Bill & Melinda Gates. "O incrível progresso feito para acabar com a pólio e reduzir a incidência de doenças infecciosas é o resultado directo de milhares de parceiros globais dedicados e profissionais de saúde locais que trabalharam para imunizar milhões de crianças. Temos de redobrar o esforço para que todas as crianças recebam as vacinas de que necessitam para terem uma vida mais saudável e garantir que as gerações futuras vivam livres de doenças evitáveis como a poliomielite."


Notas aos Editores:

Para mais informações sobre The Big Catch-up, visite a página da OMS, o sítio interactivo do recém-lançado relatório do UNICEF sobre a Situação Mundial das Crianças e o centro de conteúdos de parceiros para a Semana Mundial da Vacinação.     

*Os 20 países onde vivem três quartos das crianças que não foram vacinadas em 2021 são: Afeganistão, Angola, Brasil, Camarões, Chade, RPDC, RDC, Etiópia, Índia, Indonésia, Nigéria, Paquistão, Filipinas, Somália, Madagáscar, México, Moçambique, Myanmar, Tanzânia, Vietname.

 

Acerca da OMS (Organização Mundial de Saúde)

A OMS é a autoridade coordenadora para a saúde no âmbito do sistema das Nações Unidas. É responsável por liderar questões de saúde global, moldar a agenda da investigação em saúde, estabelecer normas e padrões, articular opções políticas baseadas em provas, prestar apoio técnico aos países e monitorizar e avaliar as tendências em matéria de saúde. No século XXI, a saúde é uma responsabilidade partilhada, envolvendo o acesso equitativo aos cuidados essenciais e a defesa coletiva contra as ameaças transnacionais. www.who.int

 

Acerca da Gavi, the Vaccine Alliance/Aliança para as Vacinas

A Gavi, the Vaccine Alliance é uma parceria público-privada que ajuda a vacinar metade das crianças do mundo contra algumas das doenças mais mortais do mundo. Desde a sua criação em 2000, a Gavi ajudou a vacinar uma geração inteira - mais de 981 milhões de crianças - e evitou mais de 16,2 milhões de mortes futuras, ajudando a reduzir para metade a mortalidade infantil em 73 países de baixo rendimento. A Vaccine Alliance reúne governos de países em desenvolvimento e doadores, a Organização Mundial de Saúde, o UNICEF, o Banco Mundial, a indústria de vacinas, agências técnicas, a sociedade civil, a Fundação Bill & Melinda Gates e outros parceiros do sector privado. Para compreender como a pandemia teve impacto na Vacinação essencial nos países apoiados pela Gavi, leia a nossa análise sobre o estado da vacinação de rotina. Saiba mais em Gavi.org.

 

Acerca da Fundação Bill & Melinda Gates

Guiada pela crença de que todas as vidas têm o mesmo valor, a Fundação Bill & Melinda Gates trabalha para ajudar todas as pessoas a terem vidas saudáveis e produtivas. Nos países em desenvolvimento, concentra-se em melhorar a saúde das pessoas e dar-lhes a oportunidade de saírem da fome e da pobreza extrema. Nos Estados Unidos, procura garantir que todas as pessoas - especialmente as que têm menos recursos - tenham acesso às oportunidades de que necessitam para serem bem sucedidas na escola e na vida. Com sede em Seattle, Washington, a Fundação é dirigida pelo Director Executivo Mark Suzman, sob a direcção dos co-presidentes Bill Gates e Melinda French Gates e do Conselho de Administração.

Contacto para os media

Gabriel Pereira
Communication Officer
UNICEF Moçambique
Telefone: +258 84 522 1721

Sobre o UNICEF

O UNICEF trabalha em alguns dos lugares mais difíceis do mundo, para chegar às crianças mais desfavorecidas. Para salvar as suas vidas. Para defender os seus direitos. Para ajudá-las a alcançar o seu verdadeiro potencial. Presentes em 190 países e territórios trabalhamos para cada criança, em qualquer parte, todos os dias, para construirmos um mundo melhor para todos. E nunca desistimos. Para mais informação sobre o UNICEF e seu trabalho para cada criança, visite www.unicef.org.mz

Siga as actividades do UNICEF no Twitter e Facebook