Com 23 países ainda a reabrir totalmente as escolas, a educação corre o risco de se tornar "a maior divisória" à medida que a pandemia da COVID-19 entra no terceiro ano – declara o UNICEF

Número de crianças que abandonam a escola prestes a aumentar, as provas emergentes mostram

30 Março 2022
Com 23 países ainda a reabrir totalmente as escolas, a educação corre o risco de se tornar "a maior divisória" à medida que a pandemia da COVID-19 entra no terceiro ano – declara o UNICEF
UNICEF/MOZA2012-00236/Chris Steele-Perkins/Magnum Photos

NOVA IORQUE, 30 de Março de 2022 - Quando a pandemia da COVID-19 entra no seu terceiro ano, 23 países - lar de quase 405 milhões de crianças em idade escolar - ainda não abriram completamente as escolas, com muitas crianças em risco de desistir, segundo um novo relatório do UNICEF divulgado hoje.

O relatório Are children really learning? (As crianças estão realmente a aprender?) apresenta dados a nível nacional sobre o impacto da pandemia COVID-19 e dos encerramentos de escolas relacionados com a mesma nas crianças, bem como uma análise actualizada do estado de aprendizagem das crianças antes da pandemia. Aponta que quase 147 milhões de crianças faltaram a mais de metade da sua escolaridade presencial nos últimos 2 anos.Isto corresponde a 2 bilhões de horas de aprendizagem presencial perdidas em todo o mundo. 

"Quando as crianças não são capazes de interagir directamente com os seus professores e os seus pares, a sua aprendizagem sofre. Quando não são capazes de interagir com os seus professores e pares, a sua perda de aprendizagem pode tornar-se permanente", disse Catherine Russell, Directora Executiva do UNICEF. "Esta desigualdade crescente no acesso à aprendizagem significa que a educação corre o risco de se tornar o maior divisor, e não o maior equalizador. Quando o mundo falha na educação dos seus filhos, todos nós sofremos".

Para além dos dados sobre a perda de aprendizagem, o relatório aponta para provas emergentes que mostram que muitas crianças não regressaram à escola quando as suas salas de aula reabriram. Dados da Libéria mostram que 43% dos alunos das escolas públicas não regressaram quando as escolas reabriram em Dezembro de 2020. O número de crianças fora da escola na África do Sul triplicou de 250.000 para 750.000 entre Março de 2020 e Julho de 2021. No Uganda, cerca de 1 em cada 10 crianças em idade escolar não regressou à escola em Janeiro de 2022 depois de as escolas terem sido encerradas durante dois anos. No Malawi, a taxa de abandono escolar entre as raparigas no ensino secundário aumentou em 48%, de 6,4% para 9,5% entre 2020 e 2021. No Quénia, um inquérito a 4.000 adolescentes entre os 10-19 anos de idade revelou que 16% das raparigas e 8% dos rapazes não regressaram quando as escolas reabriram.

As crianças fora-da-escola (que não frequentam escolas) são algumas das crianças mais vulneráveis e marginalizadas da sociedade. São as menos capazes de ler, escrever ou fazer contas básicas, e estão isoladas da rede de segurança que as escolas oferecem, o que as coloca num risco acrescido de exploração e numa vida inteira de pobreza e privação.

O relatório salienta que embora as crianças fora da escola sofram as maiores perdas, os dados pré-pandémicos de 32 países e territórios mostram um nível de aprendizagem desesperadamente pobre, uma situação que provavelmente foi exacerbada pela escala de aprendizagem perdida devido à pandemia. Nos países analisados, o ritmo actual de aprendizagem é tão lento que a maioria das crianças em idade escolar levaria sete anos a aprender competências de leitura fundamentais que deveriam ter sido apreendidas em dois anos, e 11 anos a aprender competências de numeracia fundamentais.

Em muitos casos, não há qualquer garantia de que as crianças em idade escolar tenham aprendido as noções básicas. Nos 32 países e territórios examinados, um quarto das crianças da 8ª classe - cerca de 14 anos de idade - não tinha competências de leitura básica e mais de metade não tinha competências de numeracia esperadas de um aluno da 2ª classe, cerca de 7 anos de idade.

"Mesmo antes da pandemia, as crianças mais marginalizadas estavam a ser deixadas para trás. À medida que a pandemia entra no seu terceiro ano, não podemos dar-nos ao luxo de voltar ao "normal". Precisamos de um novo normal: colocar as crianças nas salas de aula, avaliar onde estão na sua aprendizagem, fornecer-lhes o apoio intensivo de que necessitam para recuperar o que perderam, e assegurar que os professores tenham a formação e os recursos de aprendizagem de que necessitam. Os riscos são demasiado elevados para fazer algo menos", disse Russell.

 

O caso de Moçambique

Em Moçambique, o encerramento das escolas afectou cerca de 80% do ano lectivo de 2020 para alunos das classes sem exames, bem como para jovens e adultos. No ano lectivo de 2021, escolas em áreas de alto risco foram fechadas de 19 de Julho a 27 de Agosto, ou 30 dias lectivos. Isso representa 18,7% do ano lectivo, afectando 18% do total de alunos do ensino primário e secundário. Os grandes esforços foram feitos para permitir as escolas à reabrir e continuar apesar das últimas vagas da COVID-19. Entretanto, as crianças precisam de apoio suplementar para recuperar os conteúdos académicos, sobretudo porque algums alunos só podem ter as aulas presenciais alguns dias por semana, ou as crianças nas zonas afectadas por emergências tiveram interrupção de aprendizagem por causa dos ciclones ou crise do Norte do pais. 

 


Notas aos editores:

Fontes: UNESCO UIS, Uganda National Examination Board Study (2021)

As crianças fora-da-escola (que não frequentam escolas) são definidas como crianças em idade escolar primária e secundária não matriculadas na educação. Isto é diferente das crianças em idade escolar cujas escolas permanecem parcial ou totalmente fechadas devido às restrições da COVID-19.

 

Contacto para os media

Gabriel Pereira
Communication Officer
UNICEF Moçambique
Telefone: +258 82 316 5390

Sobre o UNICEF

O UNICEF trabalha em alguns dos lugares mais difíceis do mundo, para chegar às crianças mais desfavorecidas. Para salvar as suas vidas. Para defender os seus direitos. Para ajudá-las a alcançar o seu verdadeiro potencial. Presentes em 190 países e territórios trabalhamos para cada criança, em qualquer parte, todos os dias, para construirmos um mundo melhor para todos. E nunca desistimos. Para mais informação sobre o UNICEF e seu trabalho para cada criança, visite www.unicef.org.mz

Siga as actividades do UNICEF no Twitter e Facebook