Ciclone Idai: Mais de 1,5 milhão de crianças precisam urgentemente de assistência em Moçambique, Malawi e Zimbabwe

UNICEF lança um apelo humanitário de US $ 122 milhões para enfrentar o pior desastre que atingiu a África sub-saariana em décadas.

28 Março 2019
Ciclone Idai: Mais de 1,5 milhão de crianças precisam urgentemente de assistência em Moçambique
UNICEF/MOZA2019-0001/Wikus De Wet

NOVA IORQUE - Estima-se que 3 milhões de pessoas, mais da metade são crianças, necessitem urgentemente de ajuda humanitária em Malawi, Moçambique e Zimbabwe após o ciclone Idai - o pior desastre a atingir a África sub-saariana em pelo menos duas décadas.

Hoje, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) lançou um apelo de US $ 122 milhões para apoiar, nos próximos nove meses, sua resposta humanitária a crianças e famílias devastadas pela tempestade e suas consequências nos três países afectados.  

"A escala maciça da devastação provocada pelo Ciclone Idai está a tornar-se mais clara a cada dia", afirmou a Directora Executiva do UNICEF, Henrietta Fore, que visitou a Beira, devastada pela tempestade, em Moçambique, na semana passada. “As vidas de milhões de crianças e famílias estão em risco e precisamos urgentemente de uma resposta humanitária rápida e eficaz em todos os três países”.  

Espera-se que a situação no terreno piore antes que melhore à medida que mais áreas afectadas pelo ciclone se tornem acessíveis. Há também muito pouco tempo para evitar a disseminação de doenças oportunistas. As condições actuais - águas estagnadas, falta de higiene, corpos em decomposição, superlotação em centros de acomodação temporários - podem facilmente levar a surtos de diarreia, malária e cólera aos quais as crianças são especialmente vulneráveis.  

O UNICEF também está profundamente preocupado com a segurança e o bem-estar de mulheres e crianças que estão amontoadas em centros de acomodação temporários e em risco de violência e abuso, bem como crianças que ficaram órfãs ou separadas de suas famílias por causa da tempestade.  

Em Moçambique, o país mais afectado, 1 milhão e 850 mil pessoas, das quais 1 milhão são crianças, estão em extrema necessidade de assistência. Na Beira, há danos críticos em infraestruturas e inundações pesadas em áreas urbanas, uma vez que a água não tem onde drenar. As águas da enchente danificaram as colheitas pouco antes da época de colheita, com até 50 por cento da produção anual de culturas de Moçambique destruída.  

No Malawi, mais de 869.000 pessoas, das quais 443.000 crianças, foram afectadas, com mais de 85.000 pessoas deslocadas.  

No Zimbabwe, mais de 270.000 pessoas foram afectadas, metade das quais são crianças.  

O UNICEF está aumentando sua resposta para as crianças e famílias afetadas em cada um dos três países, trabalhando para ampliar o acesso a serviços de saúde, água, saneamento e higiene e educação. A agência das crianças e seus parceiros também estão se concentrando na prevenção de um aumento na desnutrição, na identificação de crianças que podem ter ficado órfãs ou separadas de suas famílias e em trazer as crianças de volta à escola

Contacto para os media

Gabriel Pereira

Communication Officer

UNICEF Moçambique

Telefone: +258 82 316 5390

Claudio Fauvrelle

Communication Officer

UNICEF Moçambique

Telefone: +258 82 305 1990

Sobre o UNICEF

O UNICEF trabalha em alguns dos lugares mais difíceis do mundo, para chegar às crianças mais desfavorecidas. Para salvar as suas vidas. Para defender os seus direitos. Para ajudá-las a alcançar o seu verdadeiro potencial. Presentes em 190 países e territórios trabalhamos para cada criança, em qualquer parte, todos os dias, para construirmos um mundo melhor para todos. E nunca desistimos. Para mais informação sobre o UNICEF e seu trabalho para cada criança, visite www.unicef.org.mz

Siga as actividades do UNICEF no Twitter e Facebook