Uma mulher morre em cada dois minutos devido a uma gravidez ou parto: Agências da ONU

Novos dados mostram grandes retrocessos para a saúde materna em muitos países do mundo, destacando as grandes disparidades no acesso aos cuidados de saúde

02 Março 2023
Mulher gravida
UNICEF Guinea-Bissau/2020/PRINSLOO

BISSAU, 2 Março 2023 A cada dois minutos, uma mulher morre durante a gravidez ou no parto, de acordo com as últimas estimativas divulgadas hoje num relatório das agências das Nações Unidas. Neste relatório, as Tendências da mortalidade materna, revela alarmantes retrocessos para a saúde da mulher nos últimos anos, uma vez que as mortalidades maternas aumentaram ou estagnaram em quase todas as regiões do mundo.

"Embora a gravidez deve ser um período de imensa esperança e uma experiência positiva para todas as mulheres, mas é ainda tragicamente uma experiência chocantemente perigosa para milhões de mulheres em todo o mundo que não têm acesso aos cuidados de saúde de qualidade e digno", disse o Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, Director-Geral da Organização Mundial de Saúde (OMS). "Estas novas estatísticas revelam a necessidade urgente de assegurar que todas as mulheres e raparigas tenham acesso aos serviços de saúde vitais antes, durante e após o parto, e que possam exercer plenamente os seus direitos reprodutivos".

O relatório, que acompanha as mortalidades maternas a nível nacional, regional e global de 2000 a 2020, estima que houve 287 000 óbitos maternos em todo o mundo em 2020. Isto marca apenas um ligeiro decréscimo em relação aos 309 000 em 2016, quando os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU entraram em vigor. Embora o relatório apresenta alguns progressos significativos na redução da mortalidade materna entre 2000 e 2015, os ganhos foram em grande parte estagnados, ou em alguns casos até invertidos, após este período.

Em duas das oito regiões da ONU - Europa e América do Norte, e América Latina e Caraíbas - a taxa de mortalidade materna aumentou de 2016 a 2020, em 17% e 15% respetivamente. Noutras regiões, a taxa estagnou. O relatório assinala, no entanto, que é possível fazer progressos. Por exemplo, duas regiões - Austrália e Nova Zelândia, e Ásia Central e Meridional - registaram quedas significativas (de 35% e 16%) nas suas taxas de mortalidade materna durante o mesmo período, tal como aconteceu com 31 países em todo o mundo.

"Para milhões de famílias, o milagre do parto é marcado pela tragédia dos óbitos maternos", disse a Diretora Executiva do UNICEF, Catherine Russell. "Nenhuma mãe deveria ter de temer pela sua vida enquanto traz um bebé ao mundo, especialmente quando existem conhecimentos e ferramentas para tratar complicações comuns. A equidade nos cuidados de saúde dá a cada mãe, não importa quem sejam ou onde estejam, uma oportunidade justa para um parto seguro e um futuro saudável com a sua família".

Em geral, as mortes maternas continuam em grande escala concentradas nas partes mais pobres do mundo e nos países afetados por conflitos. Em 2020, cerca de 70% de todas os óbitos maternos ocorreram na África Subsaariana.

Em nove países que enfrentam graves crises humanitárias, as taxas de mortalidade materna foram mais do dobro da média mundial (551 mortes maternas por 100 000 nados-vivos, em comparação com 223 a nível mundial).

"Este relatório constitui mais um lembrete da necessidade urgente de duplicar o nosso compromisso com a saúde das mulheres e adolescentes", disse Juan Pablo Uribe, Diretor Global de Saúde, Nutrição e População do Banco Mundial, e Diretor do Fundo de Financiamento Global. "Com uma ação imediata, mais investimentos em cuidados de saúde primários e sistemas de saúde mais fortes e resilientes, podemos salvar vidas, melhorar a saúde e o bem-estar, e fazer avançar os direitos e oportunidades das mulheres e adolescentes".

As hemorragias graves, tensão arterial elevada, infeções relacionadas com a gravidez, complicações do aborto inseguro, e condições subjacentes que podem ser agravadas pela gravidez (tais como VIH/SIDA e malária) são as principais causas de mortalidade materna. Todas elas são amplamente evitáveis e tratáveis com acesso a cuidados de saúde de alta qualidade.

Os cuidados primários de saúde centrados na comunidade podem satisfazer as necessidades das mulheres, crianças e adolescentes e permitir o acesso equitativo aos serviços indispensáveis, tais como partos assistidos e cuidados pré e pós-natais, vacinação das crianças, nutrição e planeamento familiar. No entanto, o subfinanciamento dos sistemas de cuidados de saúde primários, a falta de profissionais de saúde formados e as fracas cadeias de aprovisionamento de produtos médicos estão a ameaçar o progresso.

Cerca de um terço das mulheres não têm sequer quatro das oito consultas pré-natais recomendados ou recebem cuidados pós-parto, enquanto cerca de 270 milhões de mulheres não têm acesso aos métodos modernos de planeamento familiar. Exercer o controlo sobre a sua saúde reprodutiva - particularmente as decisões sobre se e quando ter filhos - é fundamental para assegurar que as mulheres possam planear e espaçar a gravidez e proteger a sua saúde. As desigualdades relacionadas com rendimentos, educação, raça ou etnia aumentam ainda mais os riscos para as mulheres grávidas marginalizadas, que têm o menor acesso aos cuidados de maternos essenciais, mas têm maior probabilidade de experimentar problemas de saúde subjacentes na gravidez.

"É inaceitável que tantas mulheres continuem a morrer desnecessariamente durante a gravidez e o parto. Mais de 280.000 óbitos num único ano é inimaginável", disse a Diretora Executiva do UNFPA, Dra. Natalia Kanem. "Podemos e devemos fazer melhor, investindo urgentemente no planeamento familiar e preenchendo a escassez global de 900.000 parteiras, para que cada mulher possa ter os cuidados necessários para salvar vidas. Temos os instrumentos, conhecimentos e recursos para acabar com as mortalidades maternas evitáveis; o que precisamos agora é da vontade política".

A pandemia da COVID-19 pode ter dificultado ainda mais o progresso na saúde materna. Notando que a atual série de dados termina em 2020, e serão necessários mais dados para mostrar os verdadeiros impactos da pandemia sobre a mortalidade materna. Contudo, as infeções por COVID-19 podem aumentar os riscos durante a gravidez, pelo que os países devem tomar medidas para assegurar que as mulheres grávidas e aqueles que planeiam uma gravidez tenham acesso às vacinas da COVID-19 e os cuidados pré-natais eficientes.

"A redução da mortalidade materna continua a ser um dos mais prementes desafios de saúde global", disse John Wilmoth, Director da Divisão da População do Departamento de Assuntos Económicos e Sociais.

"Acabar com as mortalidades maternas evitáveis e proporcionar o acesso universal a cuidados de saúde materna de qualidade requer esforços sustentados a nível nacional e internacional e compromissos inabaláveis, particularmente para as populações mais vulneráveis.  É a nossa responsabilidade coletiva assegurar que todas as mães, em todo o lado, sobrevivam ao parto, para que ela e os seus filhos possam prosperar".

O relatório conclui que o mundo deve acelerar significativamente o progresso para atingir os objetivos globais de redução da mortalidade materna, ou então arriscar a vida de mais de 1 milhão de mulheres até 2030.

#####

Notas para editores:

O relatório está disponível aqui.
Aceda aos dados-chave aqui.
Conteúdo multimédia disponível aqui.

Contacto para os media

Wilson Gama
Oficial de Comunicação
UNICEF Guiné-Bissau
Telefone: +245 95 579 79 53

Sobre o Relatório

O relatório foi produzido pela OMS em nome do Grupo Inter-Agências de Estimativa da Mortalidade Materna das Nações Unidas, composto pela OMS, UNICEF, UNFPA, Grupo do Banco Mundial e Divisão de População do Departamento de Assuntos Económicos e Sociais das Nações Unidas. O grupo utiliza os dados nacionais para estimar os níveis e tendências da mortalidade materna de 2000-2020. Os dados desta nova publicação substituem todas as estimativas anteriores publicadas pela OMS e pelo Grupo Interagências para a Estimativa da Mortalidade Materna das Nações Unidas.

Sobre os dados

A meta dos ODS para mortalidade materna é uma taxa global de mortalidade materna (MMR) menor de 70 mortes maternas por cada 100.000 nascidos vivos até 2030. O MMR global em 2020 foi estimado em 223 óbitos maternas por cada 100.000 nados-vivos, contra 227 em 2015 e 339 em 2000. Durante a era dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio de 2000 a 2015, a taxa anual global de redução foi de 2,7%, mas esta caiu para níveis negligenciáveis durante os primeiros cinco anos da era SDG (de 2016 a 2020).

O relatório inclui dados desagregados pelas seguintes regiões, utilizados para os relatórios dos GDS: Ásia Central e Ásia do Sul; África Subsaariana; América do Norte e Europa; América Latina e Caraíbas; Ásia Ocidental e África do Norte; Austrália e Nova Zelândia; Ásia Oriental e Ásia do Sudeste, e Oceânia excluindo Austrália e Nova Zelândia.

Uma morte materna é definida como uma morte devida a complicações relacionadas com a gravidez ou o parto, que ocorre quando uma mulher está grávida, ou dentro de seis semanas após o fim da gravidez.

Acerca do UNICEF

O UNICEF trabalha em alguns dos lugares mais difíceis do mundo, para alcançar as crianças mais desfavorecidas do mundo. Em mais de 190 países e territórios, trabalhamos para todas as crianças, em todos os lugares, para construir um mundo melhor para todos.

Para obter mais informações sobre o UNICEF e o seu trabalho,

visite: UNICEF Guinea-Bissau

Siga o UNICEF no FacebookTwitter e YouTube