“Uma mão lavada ajuda a outra”

UNICEF, parceiros e voluntários levam informação e sabonetes doados pela Colgate a famílias vulneráveis de Salvador (BA) para enfrentamento da pandemia

UNICEF Brasil
uma mulher usando máscara está olhando para a lateral da câmera, atrás dela uma paisagem urbana desfocada
UNICEF/BRZ/Rodrigo Chagas
25 junho 2020

Há cerca de 10 anos, a família de Rozeni Lopes saiu do Recôncavo Baiano rumo à capital em busca de uma estrutura de saúde adequada para atender às necessidades da filha Sabrina, com paralisia cerebral. Desde então, a vida em Salvador (BA) tem sido um grande desafio, que ficou mais intenso nos últimos meses. A chegada do novo coronavírus afastou Sabrina das atividades de reabilitação e trouxe mais apreensão à família. “Aqui em casa somos seis. Meu marido sofreu um acidente de trabalho e está afastado. O salário mal dá para pagar o aluguel. E justo agora está tudo mais caro por causa desta pandemia”, destaca Rozeni.

Para muitas famílias, como a de Rozeni, a dificuldade para adquirir itens básicos de higiene e limpeza aumentou. E, no dia a dia, a medida simples de lavar bem as mãos com água e sabão passou a ser algo difícil. Diante da urgência de apoiar famílias em maior vulnerabilidade a se prevenir da Covid-19, o UNICEF montou uma rede com diversos parceiros locais para distribuir 425 mil sabonetes doados pela Colgate. Juntamente com folhetos informativos sobre como se prevenir da doença, os produtos foram distribuídos em diversas comunidades da capital baiana agora em junho. Nas próximas semanas, as doações também chegam a Manaus e Boa Vista. A estimativa é que, no total, 1 milhão de unidades de sabonetes atendam mais de 330 mil pessoas nessas três cidades.

Uma das localidades atendidas em Salvador foi o Alto de Ondina, aonde chegaram 50 mil sabonetes, distribuídos, com apoio do Núcleo de Atendimento à Criança com Paralisia Cerebral (NACPC), a várias famílias, incluindo a de Rozeni.

“Esta doação me ajudou bastante. O dinheiro que eu usaria para comprar sabonete, agora posso usar para outras coisas necessárias. Fico feliz porque fomos lembrados”

Rozeni Lopes, Salvador

Mas Rozeni não apenas recebeu a doação, ela e outras mães foram fundamentais para completar essa rede de solidariedade. Juntas, elas vêm atuando como multiplicadoras voluntárias na comunidade. Enquanto entregam os sabonetes, as mães multiplicadoras informam também sobre as medidas de saúde, higiene e conscientizam sobre o autocuidado e as formas de prevenção.

“Muitas das mães atendidas estão no grupo de risco”, explica Daniela Caribé, coordenadora do NACPC. “Quando a pandemia se junta à vulnerabilidade, é necessário criar uma rede de apoio para não deixar essa população desamparada”, completa. Ela destaca a importância de garantir uma atenção que inclua as famílias de crianças e adolescentes com deficiência. De acordo com a coordenadora, muitas mães se dedicam exclusivamente aos cuidados com os filhos ou filhas, por isso, a atenção a elas é uma forma de assegurar o bem-estar de toda a família.

Da janela de casa, Rozeni observa o movimento na rua onde mora. A maioria dos vizinhos sai para trabalhar. É nessa hora que ela fiscaliza se estão de máscara e confere quem já recebeu as doações. Se precisar, chama em alto e bom som: “Venha aqui pegar seu sabonete!”. Sempre que pode, Rozeni busca ajudar os vizinhos e defende que a solidariedade é essencial no enfrentamento da pandemia.

“Uma mão lavada ajuda a outra. Todo mundo tem que fazer a sua parte para ver se essa doença se afasta”. A rotina não é fácil. “Cada vez que a gente volta para casa, tem que desinfetar os sapatos, tomar logo um banho, lavar a máscara e a roupa. Mas vale a pena: para mim, é uma alegria pensar no próximo”.

Na capital baiana, o UNICEF contou ao todo com 11 organizações para fazer chegar as doações a diferentes comunidades vulneráveis da cidade: Associação Abraço a Microcefalia (Abraço); Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA); Fundação da Criança e do Adolescente (Fundac); Mansão do Caminho; Movimento População de Rua; NACPC; Obras Sociais Irmã Dulce (Osid); Programa Corra para o Abraço, da SJDHDS/Suprad; Secretaria Municipal de Reparação (Semur); Hospital Martagão Gesteira; e Secretaria Municipal de Promoção Social e Combate à Pobreza de Salvador (Sempre).