“Faço tudo o que posso para proteger minha família”

UNICEF, CGN Brasil e BNDES apoiam famílias vulneráveis com distribuição de 4 mil kits de limpeza, higiene e cestas básicas em Salvador, Recife e Fortaleza

UNICEF Brasil
Doação UNICEF, CGN Brasil e BNDES
UNICEF/BRZ/João Lucas Melo
05 outubro 2020

“Estou passeando com mamãe, mas não vou contar pra onde porque é segredo!”, costumava dizer a menina Débora Luiza, dando ares de mistério à rotineira visita ao hospital. Ao longo dos últimos cinco anos, de seus seis anos de idade completos agora, a menina vem sendo acompanhada para tratar uma doença renal crônica. Com a chegada da pandemia do novo coronavírus, Débora passou a fazer o tratamento em casa, a cada três horas, o que exigiu um cuidado redobrado por parte de sua mãe. “Ela precisa de dieta balanceada e medicações. Agora tem que ter os produtos de limpeza certos: água sanitária e álcool 70. Quando ela começou a diálise, eu chorei porque não tinha dinheiro para comprar o álcool”, conta Generina de Souza Amaral. 

Sem renda e com duas crianças para cuidar, ela hoje depende do auxílio emergencial e dos R$ 84 mensais que recebe do Bolsa Família. Diante de tanta dificuldade, Generina se dirigiu com alegria ao Centro de Referência em Assistência Social (CRAS) mais próximo de sua casa em Recife para retirar um kit de higiene e limpeza, uma cesta básica, além de folhetos informativos, doados por meio de uma parceria entre UNICEF, BNDES e CGN Brasil. Com o apoio de parceiros locais, a ação está alcançando 2.251 famílias em Salvador, Fortaleza e Recife. A estimativa é que os 4 mil kits de higiene e limpeza e cestas básicas atendam mais de 11 mil pessoas nessas três cidades.

“Amei receber tudo novinho, limpinho, na hora certa. Os produtos são de primeira qualidade. Tem muita gente sem renda e eu sou uma dessas pessoas. Essa doação foi muito necessária nesse momento. Veio para somar”, diz. 

Com acesso aos itens críticos de prevenção contra a Covid-19, Generina consegue resguardar melhor a família. Em casa, ela segue à risca as orientações de lavar as mãos frequentemente, usar máscara e álcool em gel quando sair e tirar roupas e sapatos quando chegar em casa. “E se adoecer, é máscara o tempo todo dentro de casa. Eu faço tudo o que posso para proteger minha família. Toda atenção é pouca”, diz. 

Generina se desdobra para garantir o bem-estar da família. Débora, que nunca pôde ir à escola, recebe aulas de uma amiga da mãe. “Eu gosto de estudar. Estudo com minha tia em casa. Eu escrevo meu nome, também contorno e desenho. É muito divertido”, conta a menina.  

A chegada da pandemia e o agravamento da condição de saúde da filha reavivaram em Generina o desejo de ajudar o próximo. Com esperança no futuro e na recuperação de Débora, ela sonha em desenvolver projetos sociais na comunidade e reflete sobre os aprendizados dos últimos tempos: “A mensagem que a gente tem que ter e praticar é o amor pela vida. É o que estão fazendo com essa doação. Muito obrigada.”