Determinação e internet para seguir estudando

Por meio de parceria do UNICEF, Lenovo/Motorola e Americanas, 200 adolescentes em situação de vulnerabilidade podem ficar online para as aulas remotas

UNICEF Brasil
Foto mostra uma adolescente segurando uma mochila azul com o logo do UNICEF. Ela está em um espaço aberto e usa máscara.
UNICEF/BRZ/Elias Costa
23 setembro 2021

Isabela Seabra agora já consegue fazer as atividades de português online. A situação nem sempre foi essa, já que, logo no começo da pandemia, a adolescente de 14 anos não conseguiu acompanhar as aulas remotas por completo pela falta de celular e internet. Para além de essas dificuldades, Isabela enfrentou o desafio de buscar as atividades impressas na escola, já que era necessário sair da comunidade quilombola do Abacatal, próxima a Belém, no Pará, onde vive, e usar um meio de transporte. “Muitas vezes eu fiquei em uma matéria que não era pra eu ter ficado, que era mais fácil, porque eu não tinha celular nem internet, e não tinha dinheiro para pagar o mototáxi até a escola”, relembra.

Isabela foi uma das 200 adolescentes que recebeu o kit de conectividade do UNICEF, em parceria com Lenovo/Motorola e Americanas em Belém. Os kits são compostos de um celular, um chip com recarga para conexão à internet, máscaras, álcool em gel, materiais informativos e um caderno.

Das dez questões de português naquele dia, Isabela conseguiu resolver oito com o que aprendeu. As outras duas, com a ajuda do novo aparelho, pôde procurar saber mais para responder. Por isso, para ela, o celular, combinado com a volta às aulas presenciais, vai ajudar a recuperar a aprendizagem. “Agora está melhorando pouco a pouco. O ônibus escolar vem me buscar, eu vou assistir à aula, faço os trabalhos, trago pra casa. Quando não temos aula na escola, vejo pelo celular que ganhei”, conta. “Eu estou muito feliz por ter ganhado um celular, sou muito grata a todo mundo que me ajudou. Não quero que ninguém passe pelo que eu passei”, completa.

Foto mostra uma adolescente sentada recebendo uma mochila azul com o logo do UNICEF. Ela está usando máscara, sorrindo e olhando para a mulher que está em pé, entregando a mochila para ela. A mulher veste uma camiseta azul do UNICEF e usa máscara.
UNICEF/BRZ/Elias Costa

Uma nova etapa

Mariane Teixeira, de 12 anos, também recebeu o kit de conectividade. A sua família já havia recebido doação de produtos de higiene, e, naquele momento, a menina não estava conseguindo acompanhar as aulas pela falta de um celular, apesar dos esforços da mãe para buscar as atividades impressas na escola. Havia apenas um aparelho para dividir entre Mariane e sua mãe, que é estudante universitária, e também precisava acompanhar as próprias aulas. Além disso, as duas já estavam enfrentando problemas de armazenamento no celular, e muitas vezes precisavam apagar lições e documentos enviados pela escola para receber novos.

Foto mostra uma adolescente lendo um folheto. Ela está usando máscara. No colo da menina está uma mochila azul com o logo do UNICEF.
UNICEF/BRZ/Elias Costa

Agora, após mais de um ano tendo que usar o celular da mãe, Mariane pode finalmente ter o seu próprio aparelho. “Achei muito bom, porque assim facilita muito em ter aula online”, diz. A menina também já voltou para as aulas presenciais em sua escola, está indo todos os dias pela manhã, e tem algumas disciplinas online durante a tarde.

Com todos os esforços, ela não desiste de seguir estudando para alcançar os seus sonhos. “Quando eu crescer, eu quero ter uma profissão e, para isso, preciso do aprendizado, da escola. Quero ser médica, porque eu gosto de ajudar as pessoas”, diz, contente.