“A gente tem que saber se cuidar”

Produtos de higiene e limpeza, junto com folhetos informativos sobre prevenção da Covid-19, são distribuídos a famílias vulneráveis em diferentes capitais

UNICEF Brasil
menina lê folheto com personagens da turma da Mônica. ela está usando máscara
UNICEF/BRZ/Gabrielle Garofalo
21 outubro 2020

Luna Julia acompanhou sua mãe para receber um dos kits com produtos de higiene e limpeza, distribuídos pelo UNICEF, com o apoio de empresas e parceiros locais em resposta à pandemia de Covid-19. Esperou com paciência a distribuição e, quando pegou o folheto informativo que veio junto com os produtos, a menina deu um salto e correu até a mãe: “Olha! A Magali está de máscara! Eu também!”. Encantada pelo material, ela pediu para compartilhar com mais pessoas: “Eu posso levar um para o meu irmão? Posso levar outro para a minha amiga?”.

 A reação de Luna confirma a importância de as famílias receberem informações seguras e confiáveis, de maneira clara e atrativa, sobre como cuidar da saúde e se proteger do novo coronavírus.

Desde os primeiros momentos na pandemia no País, o UNICEF começou a chegar às famílias mais vulneráveis com itens essenciais para a lavagem de mãos e outras medidas eficazes de prevenção contra a Covid-19. Junto com produtos críticos, como sabão, álcool em gel, água sanitária e detergente, o UNICEF tem alcançado a população com mensagens e materiais informativos que estimulam as pessoas a adotar comportamentos saudáveis.

Em especial, em parceria com a Mauricio de Sousa Produções, foram criados folhetos, cartazes e conteúdos digitais com personagens da Turma da Mônica, como a Magali. Ao todo, já foram distribuídos cerca de 650 mil folhetos a famílias vulneráveis em Belém, Fortaleza, Maceió, Manaus, Recife, Rio de Janeiro, Salvador, São Luís e São Paulo. O material também foi traduzido para o espanhol e entregue a migrantes e refugiados venezuelanos atendidos em Roraima, no Amazonas e no Pará.

“É muito positivo falar de forma didática sobre a questão da higiene para as crianças. Todas conhecem a Turma da Mônica e a proposta do lúdico prende a atenção delas”, destaca Gabrielle Garofalo, da coordenação do Programa Territórios Sociais, parceiro do UNICEF na distribuição de kits no Rio de Janeiro, que beneficiou a família de Luna.

O folheto tem sido um aliado no trabalho educativo feito com os moradores de territórios vulneráveis, impactados por significativas carências em relação ao saneamento básico. A coordenadora destaca que é essencial romper com um ciclo de falta de informação e comportamentos não saudáveis que muitas vezes são passados de geração para geração.

Moradora da favela Palmeirinha, na Zona Norte do Rio de Janeiro, Maria José dos Santos usou como base as experiências anteriores com a dengue e chikungunya para se prevenir do novo coronavírus. E garante que segue à risca as recomendações: “A água que vem da rua é suja e minha casa não tem piso, mas eu sei que sempre preciso lavar o chão com sabão e muito cloro. Sei que tenho que usar máscara para sair e passar álcool em tudo o que vem do mercado”, diz.

Orgulhosa de ter criado sozinha duas filhas, ela agora se esforça para dar seu melhor ao filho adolescente. Foram muitas dificuldades enfrentadas ao longo dos anos e a chegada da pandemia trouxe novas preocupações. Para apoiá-la, ela recebeu um kit com produtos de higiene e limpeza e um folheto informativo. Segundo Maria José, faltam informações seguras e consciência por parte das pessoas: “Não recebi nenhuma visita de agente de saúde nem informação de outro lugar além do rádio e da TV. Meu filho leu para mim esse papel de vocês. Se não fosse isso e eu ficar ligada ouvindo o que os médicos falavam, eu não teria informação. A doença é invisível e a gente tem que saber se cuidar”.