UNICEF faz balanço da Plataforma dos Centros Urbanos em São Luís

15 dezembro 2020

São Luís, 15 de dezembro de 2020 – Nesta terça-feira, dia 15, o UNICEF, juntamente com a Prefeitura de São Luís e parceiros da sociedade civil, realizará o evento de encerramento da atual edição da Plataforma dos Centros Urbanos (PCU) com os principais resultados alcançados na capital maranhense. O evento online tem como objetivo apresentar as ações e resultados dos esforços das políticas públicas de saúde, educação e assistência social no período de 2017 a 2020. Como exemplo dessas ações, ao longo dos quatro anos, todos os professores da rede de educação municipal e os agentes comunitários de saúde da Cidade Operária, em São Luís, no Maranhão, foram capacitados para contribuir na Busca Ativa Escolar (BAE). Hoje na capital, 100% dos estabelecimentos de ensino fundamental da rede municipal já estão integrados à plataforma da BAE e já podem identificar e acompanhar os casos de evasão escolar, assegurando que nenhuma criança e adolescente esteja fora da escola!

Em São Luís, integram a PCU a Secretaria Municipal da Criança e Assistência Social (Semcas) – órgão que coordena a Plataforma –, a Secretaria Municipal de Saúde (Semus), a Secretaria Municipal de Educação (Semed), e o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA), tendo parcerias desde o seu início com outros órgãos e instituições tais como as ONGs Solivida e o Centro Educacional São José Operário (Cesjo). Segundo a chefe do escritório do UNICEF em São Luís, Ofélia Silva, a Plataforma dos Centros Urbanos foi uma estratégia que se demonstrou necessária durante esses quatro anos, principalmente, para crianças e adolescentes em São Luís.

“Uma das experiências mais exemplares desenvolvidas, durante esse período, foi o projeto Viva Melhor Sabendo Jovem, realizado em duas fases. Na primeira, uma receptividade muito positiva de todas as políticas públicas em escolas, organizações sociais, empresas e a comunidade em geral nas festas públicas como carnaval e São João. Na segunda, já na pandemia, foi uma experiência que ampliou significativamente a proteção de jovens vulneráveis, engajando-os em atividades de grupo que fortaleceram resiliência e saúde mental dos participantes. Durante esse tempo, a PCU se revelou uma plataforma incrível, conseguimos entregar milhares de kits de higiene, dezenas de toneladas de alimentos que beneficiaram mais de 100 mil pessoas”, explica Ofélia.

Ainda sobre o projeto Viva Melhor Sabendo Jovem, a cidade de São Luís também se tornou uma referência na implementação dessa iniciativa, principal na estratégia da Plataforma dos Centros Urbanos para enfrentar a expansão da epidemia de HIV/aids entre adolescentes e jovens. No total, o projeto formou cerca de 150 jovens multiplicadores que realizaram atividades formativas em escolas, praças e eventos públicos. Por meio da metodologia criativa e inovadora desse projeto, mais de 500 jovens em mais de 15 escolas da cidade e cerca de 3 mil pessoas, entre profissionais de Educação, Saúde e Assistência Social, foram capacitados sobre prevenção de HIV e outras infecções sexualmente transmissíveis (ISTs), preconceitos e violência com base em gênero e orientação sexual, autoempoderamento, solução não violenta de conflitos e políticas públicas.

A PCU também promoveu um importante conjunto de iniciativas de engajamento de adolescentes e jovens, formando líderes em comunidades e estimulando a troca de conhecimentos. Nesse aspecto, destacou-se a participação de mais de 150 meninas em 35 oficinas conduzidas por 15 adolescentes líderes da Cidade Operária, com temáticas acerca do enfrentamento à violência de raça e de gênero e da construção de sua identidade afro-brasileira.

Somam-se ainda ao resultado da Plataforma mais de 500 adolescentes e jovens de escolas públicas que tiveram sua opinião escutada sobre a questão “como percebem a violência letal nas áreas da periferia de São Luís?”, que vitimiza, especialmente, homens jovens afrodescendentes. Essa consulta pública foi realizada por um coletivo de adolescentes e jovens com apoio do U-Report, um programa do UNICEF que usa as redes sociais para promover a participação de adolescentes e jovens brasileiros que podem opinar sobre diferentes assuntos e acessar conteúdos que são construídos de forma coletiva.

Finalmente, a PCU foi a voz de “jovens líderes” das comunidades que permitiu que a Secretaria de Estado das Cidades fizesse adaptações no plano da obra do espaço de lazer Viva Cidade Operária para atender às solicitações por mais arte, cultura, esporte e segurança pública.

Com essas estratégias, a PCU, em São Luís, resulta em um patamar de referência para os próximos gestores públicos municipais. Os participantes da edição 2017-2020 encerram essa fase com uma carta-manifesto assinada por mil jovens da capital maranhense que apresentam um pedido: “a ampliação das ações de engajamento da juventude no futuro”. Para Ofélia Silva, essa solicitação é necessária, pois “escutar os adolescentes e jovens, além de tê-los como parceiros na transformação de suas próprias comunidades é a forma mais efetiva de impactar positivamente vidas, hoje e amanhã”.

Serviço:
O quê
: Evento on-line – Balanço da Plataforma dos Centros Urbanos em São Luís
Quando: Terça-feira 15 de dezembro, das 9h às 11h
Onde: https://meet.google.com/yqb-gbkp-zxj

Contatos para a imprensa

Elizabeth da Costa Cavalcante
Oficial de Comunicação
UNICEF Brasil
Telefone: (92) 98173 3114

Sobre o UNICEF
O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) trabalha em alguns dos lugares mais difíceis do planeta, para alcançar as crianças mais desfavorecidas do mundo. Em 190 países e territórios, o UNICEF trabalha para cada criança, em todos os lugares, para construir um mundo melhor para todos.

Acompanhe nossas ações no Facebook, Twitter, Instagram, YouTube, LinkedIn e TikTok.

Você também pode ajudar o UNICEF em suas ações. Faça uma doação agora.