Parceiros globais anunciam um novo esforço – 'A Grande Retomada' – para vacinar milhões de crianças e restaurar o progresso de imunização perdido durante a pandemia

24 abril 2023
Foto mostra em primeiro plano uma mão preparando uma injeção. No fundo, desfocadas, há várias pessoas.
UNICEF/BRZ/Érico Hiller
  • A pandemia viu os níveis da imunização essencial diminuírem em mais de 100 países, levando ao aumento de surtos de sarampo, difteria, poliomielite e febre amarela.
  • 'A Grande Retomada' é um esforço estendido para elevar os níveis de vacinação entre as crianças para pelo menos os níveis pré-pandêmicos e um empenho para superá-los.
  • Liderado por uma ampla gama de parceiros de saúde nacionais e globais, 'A Grande Retomada' também visa garantir serviços de cuidados primários de saúde mais fortalecidos para imunização essencial no futuro.

Genebra/Nova Iorque/Seattle, 24 de abril de 2023 – A Organização Mundial da Saúde (OMS), o UNICEF, a Gavi, Aliança para Vacinas, e a Fundação Bill & Melinda Gates, juntamente com a Agenda de Imunização 2030 e muitos outros parceiros de saúde globais e nacionais, estão hoje unindo forças para convocar 'A Grande Retomada', um esforço global direcionado para aumentar a vacinação entre crianças após declínios causados pela pandemia de covid-19.

Esse esforço visa reverter as quedas na vacinação infantil registradas em mais de 100 países desde a pandemia, devido a serviços de saúde sobrecarregados, clínicas fechadas e importações e exportações interrompidas de frascos, seringas e outros suprimentos médicos. Enquanto isso, comunidades e famílias passaram por confinamentos, restrições de viagens e acesso a serviços, e limitação de recursos financeiros e humanos e do acesso a produtos de saúde, devido à resposta de emergência. Desafios contínuos como conflitos, crises climáticas e hesitação em relação às vacinas também contribuíram para o declínio nas taxas de cobertura.

Com mais de 25 milhões de crianças perdendo pelo menos uma vacina apenas em 2021, surtos de doenças evitáveis, incluindo sarampo, difteria, poliomielite e febre amarela, já estão se tornando mais prevalentes e graves. 'A Grande Retomada' visa proteger as populações de surtos evitáveis por vacinas, salvar a vida de crianças e fortalecer os sistemas nacionais de saúde.

Ao mesmo tempo em que conclama as pessoas e os governos de todos os países para que façam sua parte para ajudar a recuperar o atraso alcançando as crianças que perderam a vacinação, 'A Grande Retomada' terá um foco particular nos 20 países onde vivem três quartos das crianças que perderam as vacinas em 2021*.

Embora os níveis de cobertura global tenham diminuído, também houve pontos positivos de resiliência. Por exemplo, os primeiros relatórios indicam que a Índia teve uma forte recuperação na imunização essencial em 2022, enquanto Uganda manteve altos níveis de cobertura durante a pandemia. Os países também têm conseguido alcançar grupos em situações vulneráveis. No Quênia, por exemplo, colaborações com agentes comunitários de saúde e líderes locais melhoraram os níveis de imunização entre as populações nômades no norte do país.

Para garantir o progresso na imunização infantil, os parceiros estão trabalhando com os países para fortalecer a força de trabalho de saúde, melhorar a prestação de serviços de saúde, criar confiança e demanda por vacinas nas comunidades e abordar lacunas e obstáculos para restaurar a imunização. Além de atualizar a imunização infantil, são necessários esforços intensificados para introduzir a vacina contra o papilomavírus humano (HPV) em adolescentes para prevenir o câncer do colo do útero, principalmente em países de baixa e média renda, onde a carga é maior.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse: “Milhões de crianças e adolescentes, particularmente em países de baixa renda, perderam vacinas vitais, enquanto surtos dessas doenças mortais aumentaram. A OMS está apoiando dezenas de países para restaurar a imunização e outros serviços essenciais de saúde. A recuperação é uma prioridade. Nenhuma criança deve morrer de uma doença evitável por vacina”.

“As vacinas de rotina são normalmente a primeira entrada de uma criança em seu sistema de saúde e, portanto, as crianças que não recebem suas primeiras vacinas correm um risco adicional de ser cortadas dos cuidados de saúde a longo prazo”, disse a diretora executiva do UNICEF, Catherine Russell. “Quanto mais esperamos para alcançar e vacinar essas crianças, mais vulneráveis elas se tornam e maior o risco de surtos de doenças mais mortais. Países, parceiros globais e comunidades locais devem se unir para fortalecer serviços, construir confiança e salvar vidas”.

“Não podemos permitir que um legado da pandemia seja a ruína de muitos anos de trabalho protegendo cada vez mais crianças de doenças mortais e evitáveis”, disse Seth Berkley, CEO da Gavi, Aliança para Vacinas. “Os parceiros globais de saúde, trabalhando com governos e comunidades, devem fazer tudo o que puderem para proteger a vida de todas as crianças”.

“As vacinas são um triunfo da saúde pública”, disse Chris Elias, presidente de Desenvolvimento Global da Fundação Bill & Melinda Gates. “O incrível progresso feito para acabar com a pólio e reduzir a incidência de doenças infecciosas é o resultado direto de milhares de parceiros globais dedicados e profissionais de saúde locais que trabalharam para imunizar milhões de crianças. Devemos nos esforçar para alcançar todas as crianças com as vacinas de que precisam para ter uma vida mais saudável e garantir que as gerações futuras vivam livres de doenças evitáveis, como a poliomielite”.

Notas para editores

Para obter mais informações sobre 'A Grande Retomada', visite a página da OMS, o site interativo do recém-lançado relatório Situação Mundial da Infância, do UNICEF, e o centro de conteúdo de parceiros para a Semana Mundial de Imunização [Sites e conteúdos disponíveis somente em inglês].

*Os 20 países onde vivem três quartos das crianças que perderam a vacinação em 2021 são: Afeganistão, Angola, Brasil, Camarões, Chade, Coreia do Norte, Etiópia, Filipinas, Índia, Indonésia, Madagascar, México, Moçambique, Myanmar, Nigéria, Paquistão, República Democrática do Congo, Somália, Tanzânia e Vietnã.

Contatos para a imprensa

Elisa Meirelles Reis
Oficial de Comunicação
UNICEF Brasil
Telefone: (61) 98166 1649
Luana Ribeiro Piotto
Oficial de Comunicação
UNICEF Brasil

Sobre o UNICEF
O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) trabalha em alguns dos lugares mais difíceis do planeta, para alcançar as crianças mais desfavorecidas do mundo. Em mais de 190 países e territórios, o UNICEF trabalha para cada criança, em todos os lugares, para construir um mundo melhor para todos.

Acompanhe nossas ações no Facebook, Twitter, Instagram, YouTube, LinkedIn e TikTok.

Você também pode ajudar o UNICEF em suas ações. Faça uma doação agora.