Menos da metade dos países está implementando estratégias em escala para que as crianças possam recuperar a aprendizagem perdida durante a pandemia

Declaração da diretora-geral adjunta de Educação da Unesco, Stefania Giannini; do diretor global de Educação do UNICEF, Robert Jenkins; do diretor global de Educação do Banco Mundial, Jaime Saavedra

30 março 2022

Nova Iorque/Paris/Washington, 30 de março de 2022 – "Mais de dois anos após o início da pandemia de covid-19, estamos testemunhando uma perda colossal no aprendizado das crianças. Menos da metade dos países está implementando estratégias em escala para que as crianças possam recuperar a aprendizagem perdida durante a pandemia. A menos que todos os países implementem e expandam programas no próximos meses, correm o risco de perder uma geração.

Com um total combinado de 2 trilhões de horas de aulas presenciais perdidas devido ao fechamento de escolas desde março de 2020, os estudantes em mais de quatro em cada cinco países ficaram para trás em seu aprendizado. As crianças mais vulneráveis viram a sua aprendizagem regredir. Em particular, os mais vulneráveis – aqueles que vivem na pobreza e em áreas rurais, crianças com deficiência e os estudantes mais jovens – ficaram mais para trás.

As habilidades básicas e fundamentais sobre as quais todos os aspectos da educação são construídos foram apagadas em muitos países. As crianças esqueceram como ler e escrever; algumas são incapazes de reconhecer letras. As crianças que estavam prestes a começar a escola pela primeira vez nunca tiveram a chance de aprender essas habilidades, já que a educação infantil desapareceu na maioria dos países. Sem uma ação corretiva urgente, isso pode trazer sérias consequências ao longo da vida em termos de saúde e bem-estar, aprendizado futuro e emprego.

E, no entanto, nossos dados de março de 2022 mostram que menos da metade dos países apresentados em uma nova análise publicada hoje estão implementando estratégias de recuperação de aprendizado em escala para ajudar as crianças a recuperarem o que perderam. Apenas metade dos países de baixa renda tem um plano em vigor para avaliar onde os que retornaram estão em seu aprendizado.

Embora tenhamos visto bolsões de dados que apontam para um número impressionante de crianças que não estão retornando à escola após a reabertura das salas de aula, alguns países não estão coletando ou não podem coletar informações sobre quantas crianças retornaram ou não à escola, então estamos voando às cegas. Um quarto dos países de baixa renda – já com altas populações fora da escola – não tem dados para mostrar quantos estudantes retornaram à escola.

O alarme soou muitas vezes. Seis meses após o início da pandemia, com a falta de acesso ao aprendizado remoto, já sabíamos que pelo menos um terço das crianças em idade escolar em todo o mundo estava completamente isolado de sua educação. Sabíamos que cerca de 24 milhões de crianças e jovens corriam o risco de desistir completamente. Sabíamos que o trabalho infantil e o casamento infantil aumentariam. E, no entanto, não está sendo feito o suficiente para ajudar as crianças a recuperarem o que perderam.

Em um momento em que é mais necessário, o financiamento da educação tem sido desesperadamente insuficiente. Os países alocaram em média 3% de seus pacotes de estímulo econômico de resposta à covid-19 para a educação. Nos países de renda baixa e média-baixa, a alocação foi inferior a 1%.

Enquanto os países lutam para se recuperar, eles estão negligenciando a única e mais eficaz ferramenta de recuperação e sustentabilidade de longo prazo – a educação.

Os governos devem redobrar os esforços para levar todas as crianças à escola. A educação é um direito humano fundamental. As barreiras múltiplas e cruzadas – incluindo pobreza, normas culturais e ensino de má qualidade – que impedem as crianças de acessar sua educação devem ser derrubadas. Toda criança precisa ser avaliada em seu aprendizado e, com base nos resultados, deve ter acesso a aulas de qualidade, personalizadas e atualizadas para recuperar o que perdeu e além. O ensino deve ser ajustado para o nível em que elas estão atualmente em sua aprendizagem. Os professores devem receber a formação, o apoio e os recursos de que necessitam. E, finalmente, as escolas devem ir além dos locais de aprendizagem e apoiar o bem-estar e a segurança das crianças.

Este é um momento 'agora ou nunca' para agir e transformar a educação para salvar esta geração."

###

Notas para editores

Um relatório conjunto divulgado hoje pela Unesco, o UNICEF e o Banco Mundial destaca níveis impressionantes de perda de aprendizado em todo o mundo e faz um balanço das medidas tomadas pelos países para mitigar as perdas de aprendizado à medida que as escolas reabrem. O relatório Where are we on education recovery? (Onde estamos na recuperação da educação? – disponível somente em inglês) é baseado em uma pesquisa de 122 escritórios do UNICEF administrada no início de março de 2022. Os dados apresentados nesta declaração são observados no novo relatório que apresenta a importância e o progresso alcançado em cinco ações-chave para a recuperação da educação:

  • Alcançar todas as crianças e mantê-las na escola;
  • Avaliar os níveis de aprendizagem;
  • Priorizar o ensino dos fundamentos;
  • Aumentar o aprendizado de recuperação e o progresso além do que foi perdido; e
  • Desenvolver a saúde psicossocial e o bem-estar para que todas as crianças estejam prontas para aprender.

Contatos para a imprensa

Elisa Meirelles Reis
Oficial de Comunicação
UNICEF Brasil
Telefone: (61) 98166 1649
Ester Correa Coelho
Oficial de Comunicação
UNICEF Brasil
Telefone: (61) 99122 8671

Sobre o UNICEF
O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) trabalha em alguns dos lugares mais difíceis do planeta, para alcançar as crianças mais desfavorecidas do mundo. Em mais de 190 países e territórios, o UNICEF trabalha para cada criança, em todos os lugares, para construir um mundo melhor para todos.

Acompanhe nossas ações no Facebook, Twitter, Instagram, YouTube, LinkedIn e TikTok.

Você também pode ajudar o UNICEF em suas ações. Faça uma doação agora.