Declaração da diretora executiva do UNICEF, Henrietta Fore, sobre crianças privadas de cuidados parentais devido à Covid-19

19 julho 2021

Nova Iorque, 19 de julho de 2021 – “Como o número oficial de mortes por Covid-19 em todo o mundo passou de 4 milhões no início deste mês, o UNICEF está cada vez mais preocupado com as crianças que ficaram sem um ou ambos os pais.

Como em todas as crises e pandemias de saúde, as crianças mais vulneráveis correm um risco maior de perder os cuidados parentais – devido à morte, à doença grave ou a dificuldades financeiras. Isso, por sua vez, aumenta o risco de que sejam colocadas sob cuidados alternativos inadequados.

Embora seja muito cedo para estimar o número de crianças órfãs ou abandonadas como resultado da pandemia, um aumento nas mortes em alguns países significa que muitas crianças já vulneráveis aos impactos da Covid-19 estão enfrentando ainda mais sofrimento emocional e preocupações em relação à proteção.

Os danos imediatos e de longo prazo causados pela separação da família e cuidados alternativos inadequados, especialmente em instituições, estão bem documentados. As instituições são frequentemente caracterizadas por condições de vida inerentemente prejudiciais. As crianças podem experimentar coabitação forçada e rotinas fixas não adaptadas às suas necessidades individuais. Frequentemente, elas são privadas da capacidade de fazer escolhas que atendam aos seus melhores interesses.

Além disso, as crianças sob cuidados alternativos são regularmente isoladas de suas famílias e comunidades locais. Privadas dos cuidados parentais, elas podem sofrer danos físicos, psicológicos, emocionais e sociais, com consequências que duram toda a vida. Essas crianças também têm maior probabilidade de sofrer violência, abuso, negligência e exploração.

Para prevenir e responder a essa crise para as crianças imediatamente e no longo prazo, é vital que os governos forneçam às famílias o apoio emocional, prático e financeiro de que precisam. Ao mesmo tempo, devemos trabalhar para apoiar um sistema em que as crianças privadas de cuidados parentais possam ser cuidadas por parentes e não colocadas em cuidados alternativos inadequados. Isso inclui:

  • Garantir que as famílias tenham acesso contínuo a proteção social, aconselhamento e cuidados de saúde.
  • Fortalecer os serviços de proteção à criança, incluindo a força de trabalho do serviço social, para crianças e famílias vulneráveis.
  • Trabalhar com os empregadores para promover políticas favoráveis à família que permitam aos cuidadores cuidar da criança em todas as circunstâncias.
  • Manter as escolas e outros serviços infantis abertos e acessíveis.

Como a Covid-19 continua a devastar famílias e comunidades, devemos proteger o direito de todas as crianças de viver e crescer em um ambiente que apoie seu desenvolvimento físico, psicológico, social e emocional.”

Contatos para a imprensa

Elisa Meirelles Reis
Oficial de Comunicação
UNICEF Brasil
Telefone: (61) 3035 1979
Ester Correa Coelho
Oficial de Comunicação
UNICEF Brasil
Telefone: (61) 3035 1973

Sobre o UNICEF
O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) trabalha em alguns dos lugares mais difíceis do planeta, para alcançar as crianças mais desfavorecidas do mundo. Em 190 países e territórios, o UNICEF trabalha para cada criança, em todos os lugares, para construir um mundo melhor para todos.

Acompanhe nossas ações no Facebook, Twitter, Instagram, YouTube, LinkedIn e TikTok.

Você também pode ajudar o UNICEF em suas ações. Faça uma doação agora.