Covid-19 pode reverter décadas de progresso em direção à eliminação de mortes infantis evitáveis, alertam agências da ONU

Com o número de mortes de menores de 5 anos em um mínimo histórico de 5,2 milhões em 2019, interrupções nos serviços de saúde infantil e materna devido à pandemia de Covid-19 estão colocando milhões de outras vidas em risco

09 setembro 2020
um bebê está sendo vacinado. ele está deitado de barriga para cima e olha para a câmera
UNICEF/UNI346889/Chnkdji
Em 16 de junho de 2020, Zuka, de 3 meses, recebe suas vacinas na clínica temporária instalada pelo UNICEF como alternativa improvisada para o centro de saúde que está sendo reabilitado no leste rural de Alepo, na Síria.

Nova Iorque/Genebra, 9 de setembro de 2020 – O número global de mortes de crianças menores de 5 anos caiu para seu ponto mais baixo registrado em 2019 – foram 5,2 milhões, versus 12,5 milhões em 1990, de acordo com novas estimativas de mortalidade divulgadas pelo UNICEF, a Organização Mundial da Saúde (OMS), a Divisão de População do Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas e o Grupo Banco Mundial.

Desde então, no entanto, pesquisas do UNICEF e da OMS revelam que a pandemia de Covid-19 resultou em grandes interrupções nos serviços de saúde que ameaçam desfazer décadas de progresso conquistado com dificuldade.

"A comunidade global fez avanços significativos para eliminar as mortes evitáveis de crianças e não pode permitir que a pandemia de Covid-19 detenha esse progresso", disse Henrietta Fore, diretora executiva do UNICEF. "Quando as crianças não têm acesso aos serviços de saúde porque o sistema está sobrecarregado e quando as mulheres têm medo de dar à luz no hospital por medo de infecção, elas também podem se tornar vítimas da Covid-19. Sem investimentos urgentes para reiniciar sistemas e serviços de saúde interrompidos, milhões de crianças menores de 5 anos, especialmente recém-nascidos, podem morrer".

Nos últimos 30 anos, os serviços de saúde para prevenir ou tratar as causas da morte infantil, como prematuridade, baixo peso ao nascer, complicações durante o parto, sepse neonatal, pneumonia, diarreia e malária, bem como a vacinação, desempenharam um grande papel em salvar milhões de vidas.

Agora, países em todo o mundo estão enfrentando interrupções nos serviços de saúde infantil e materna, como exames de saúde, vacinações e cuidados pré-natais e pós-natais, devido a restrições de recursos e um mal-estar geral com o uso de serviços de saúde devido ao medo de pegar Covid-19.

Uma pesquisa do UNICEF realizada durante o verão do Hemisfério Norte em 77 países descobriu que quase 68% dos países relataram pelo menos alguma interrupção nos exames de saúde para crianças e nos serviços de imunização. Além disso, 63% dos países relataram interrupções nos exames pré-natais e 59% nos cuidados pós-natais.

Uma pesquisa recente da OMS baseada nas respostas de 105 países revelou que 52% dos países relataram interrupções nos serviços de saúde para crianças doentes e 51% nos serviços de tratamento da desnutrição.

Intervenções de saúde como essas são essenciais para impedir mortes evitáveis de bebês e crianças. Por exemplo, as mulheres que recebem cuidados por parteiras profissionais treinadas de acordo com os padrões internacionais têm 16% menos probabilidade de perder o bebê e 24% menos probabilidade de ter parto prematuro, de acordo com a OMS.

"O fato de que hoje mais crianças vivam para ver seu primeiro aniversário do que em qualquer outro momento da história é uma verdadeira marca do que pode ser alcançado quando o mundo coloca a saúde e o bem-estar no centro de nossa resposta", disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS. "Agora, não devemos permitir que a pandemia de Covid-19 retroceda um progresso notável para nossas crianças e gerações futuras. Em vez disso, é hora de usar o que sabemos que funciona para salvar vidas e continuar investindo em sistemas de saúde mais fortes e resilientes".

Com base nas respostas dos países que participaram das pesquisas do UNICEF e da OMS, os motivos mais comumente citados para interrupções nos serviços de saúde incluíram pais evitando centros de saúde por medo de infecção; restrições de transporte; suspensão ou encerramento de serviços e instalações; menos profissionais de saúde por causa de realocação de pessoal ou medo de infecção devido à escassez de equipamentos de proteção individual, como máscaras e luvas; e maiores dificuldades financeiras. Afeganistão, Bolívia, Camarões, Iêmen, Líbia, Madagascar, Paquistão, República Centro-Africana e Sudão estão entre os países mais atingidos.

Sete desses nove países tiveram altas taxas de mortalidade infantil, com mais de 50 mortes por 1.000 nascidos vivos entre crianças menores de 5 anos em 2019. No Afeganistão, onde 1 em 17 crianças morreu antes de completar 5 anos em 2019, o Ministério da Saúde relatou uma redução significativa em visitas a unidades de saúde. Com medo de contrair o novo coronavírus, as famílias estão deixando de priorizar o atendimento pré-natal e pós-natal, aumentando o risco enfrentado por mulheres grávidas e bebês recém-nascidos.

Mesmo antes da Covid-19, os recém-nascidos estavam em maior risco de morte. Em 2019, um bebê recém-nascido morria a cada 13 segundos. Além disso, 47% de todas as mortes de menores de 5 anos ocorreram no período neonatal, contra 40% em 1990. Com graves interrupções nos serviços essenciais de saúde, os recém-nascidos podem correr um risco muito maior de morrer. Por exemplo, em Camarões, onde 1 em cada 38 recém-nascidos morreu em 2019, a pesquisa do UNICEF relatou cerca de 75% de interrupções nos serviços de cuidados essenciais ao recém-nascido, exames pré-natais, cuidados obstétricos e cuidados pós-natais.

Em maio, uma análise preliminar da Universidade Johns Hopkins mostrou que quase 6 mil crianças a mais poderiam morrer por dia devido a interrupções relacionadas à Covid-19.

Esses relatórios e pesquisas destacam a necessidade de ação urgente para restaurar e melhorar os serviços de parto e cuidados pré-natais e pós-natais para mães e bebês, incluindo profissionais de saúde qualificados para cuidar deles no nascimento. Trabalhar com mães e pais para amenizar seus medos e tranquilizá-los também é importante.

"A pandemia de Covid-19 colocou anos de progresso global para acabar com as mortes evitáveis de crianças em sério risco", disse Muhammad Ali Pate, diretor global de Saúde, Nutrição e População do Banco Mundial. "É essencial proteger os serviços que salvam vidas, que têm sido fundamentais para reduzir a mortalidade infantil. Continuaremos a trabalhar com governos e parceiros para reforçar os sistemas de saúde para garantir que mães e crianças recebam os serviços de que precisam".

"O novo relatório demonstra o progresso contínuo em todo o mundo na redução da mortalidade infantil", disse John Wilmoth, diretor da Divisão de População do Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas. "Embora o relatório destaque os efeitos negativos da pandemia de Covid-19 sobre intervenções que são críticas para a saúde das crianças, também chama a atenção para a necessidade de corrigir as vastas desigualdades nas perspectivas de sobrevivência e boa saúde de uma criança".

######

Download de fotos, b-roll, relatório completo de estimativas de mortalidade infantil e arquivos de dados (disponíveis somente em inglês) aqui. Para a pesquisa do UNICEF sobre interrupções devido à Covid-19 (disponível somente em inglês), clique aqui.

Relatório principal: https://data.unicef.org/resources/levels-and-trends-in-child-mortality/
Dados: https://data.unicef.org/resources/dataset/child-mortality/
Texto: https://data.unicef.org/topic/child-survival/under-five-mortality/

Sobre UN IGME
O Grupo Interinstitucional das Nações Unidas para Estimativa da Mortalidade Infantil (UN IGME) foi formado em 2004 para compartilhar dados sobre mortalidade infantil, melhorar os métodos de estimativa da mortalidade infantil, relatar o progresso em direção às metas de sobrevivência infantil e aumentar a capacidade do país de produzir estimativas oportunas e devidamente avaliadas da mortalidade infantil. O UN IGME é liderado pelo UNICEF e inclui a Organização Mundial da Saúde, o Grupo Banco Mundial e a Divisão de População das Nações Unidas do Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais. Para obter mais informações, visite: http://www.childmortality.org.

Contatos para a imprensa

Elisa Meirelles Reis
Oficial de Comunicação
UNICEF Brasil
Telefone: (61) 3035 1979
Telefone: (61) 98166 1649
Ester Correa Coelho
Oficial de Comunicação
UNICEF Brasil
Telefone: (61) 3035 1973

Sobre o UNICEF
O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) trabalha em alguns dos lugares mais difíceis do planeta, para alcançar as crianças mais desfavorecidas do mundo. Em 190 países e territórios, o UNICEF trabalha para cada criança, em todos os lugares, para construir um mundo melhor para todos.

Acompanhe nossas ações no Facebook, Twitter, Instagram, YouTube e LinkedIn.

Você também pode ajudar o UNICEF em suas ações. Faça uma doação agora.