7 milhões de estudantes têm dois ou mais anos de atraso escolar

A distorção idade-série aumenta o risco de abandono escolar e atinge, sobretudo, crianças e adolescentes de famílias pobres, indígenas e moradores das regiões Norte e Nordeste.

29 agosto 2018
adolescente na escola
UNICEF/BRZ/Raoni Libório

Brasília, 29 de agosto de 2018 – Para além do acesso escolar, crianças e adolescentes têm direito de aprender. Mas esse direito não é garantido a todos. No Brasil, há mais de 35 milhões de estudantes matriculados no ensino fundamental e no ensino médio. Desses, mais de 7 milhões vão à escola, mas estão em situação de distorção idade-série, ou seja, possuem dois ou mais anos de atraso escolar. São quase 5 milhões de estudantes no ensino fundamental e mais de 2 milhões no ensino médio.

A partir do desafio de construir trajetórias de sucesso escolar na educação básica brasileira, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) lança nesta quarta-feira, 29 de agosto, o estudo "Panorama da distorção idade-série no Brasil". O documento faz um diagnóstico do atraso escolar por etapa de ensino na educação básica, por cor, raça e gênero, por regiões brasileiras, áreas rural e urbana e outros recortes territoriais, e também analisa a situação de crianças e adolescentes com deficiência.

"Estar na escola não é suficiente. Garantir o direito à educação significa ofertar oportunidades reais de aprendizagem relevante para todos, sem deixar ninguém para trás. Os mais afetados pelo atraso escolar são meninas e meninos vindos das camadas mais vulneráveis da população, já privados de outros direitos. Por isso, é urgente desenvolver estratégias específicas para alcançar esses diferentes grupos populacionais", ressalta a representante do UNICEF no Brasil, Florence Bauer.

A partir do estudo, o UNICEF verificou que:

  • O ensino médio é a etapa da educação básica em que há o maior percentual de estudantes com dois ou mais anos de atraso escolar. São mais de 2,2 milhões de adolescentes em situação de distorção idade-série, o que corresponde a 28% dos estudantes dessa etapa.
  • A distorção idade-série ocorre de forma desigual no território brasileiro. O indicador é, em particular, mais elevado nas regiões Norte e Nordeste, com 41% e 36%, respectivamente.
  • As populações indígenas e negras tendem a ser as mais afetadas no que se refere à taxa de distorção idade-série. Enquanto 12,6% dos estudantes brancos nas zonas urbanas estão com dois ou mais anos de atraso escolar, esse indicador chega a 29,4% entre os negros e 33,1% em indígenas.
  • Na zona rural, o padrão da desigualdade se agrava mais, tanto entre os negros e indígenas, estando 35,7% e 44,7%, respectivamente, como entre os brancos, com 18,2%.
  • As diferenças de gênero afetam significativamente a trajetória escolar. A situação é mais grave no 6º ano, com 50% dos meninos e 30% das meninas matriculados em escolas na zona rural em atraso escolar.

O documento ainda aponta caminhos para reverter o cenário que imobiliza milhões de crianças e adolescentes no Brasil em um ciclo de fracasso escolar. Entre os próximos passos para garantir trajetórias de sucesso escolar, o UNICEF sugere:

  • Realizar diagnósticos precisos da situação da distorção idade-série em nível municipal e estadual, a partir dos dados do Censo Escolar que estão organizados e disponibilizados pelo UNICEF no site www.trajetoriaescolar.org.br.
  • A partir desses diagnósticos, estabelecer políticas públicas específicas para enfrentar o fracasso escolar – com foco nos mais vulneráveis.
  • Desenvolver propostas pedagógicas de atenção especial a estudantes em risco de fracasso e abandono escolar.

Plataforma Trajetórias de Sucesso Escolar
O estudo é parte da estratégia Trajetórias de Sucesso Escolar, lançada em parceria com a Samsung e a Cidade Escola Aprendiz. O objetivo central dela é apoiar, em especial, os municípios e os Estados do Semiárido, da Amazônia e os grandes centros urbanos na definição, implementação e avaliação de políticas e ações para enfrentar a distorção idade-série e superar o fracasso escolar. A estratégia enfoca na integração de ações em três níveis de gestão: redes, escola e sala de aula.

Nesse arranjo integrado, gestores municipais e estaduais de educação, gestores escolares e professores, em parceria com a sociedade civil, têm a possibilidade de mapear a situação da distorção idade-série do território, a partir dos dados do Censo Escolar que estão organizados e disponibilizados pelo UNICEF no site www.trajetoriaescolar.org.br.

A estratégia é parte integrante da iniciativa Fora da Escola Não Pode!
"Iniciativas que visam diminuir a distorção idade-série são fundamentais para melhorar a educação no Brasil. Existem muitas formas de contribuir para essa mudança e uma delas é empregando a tecnologia em ações transformadoras em sala de aula e para apoio aos gestores na educação, como a estratégia Trajetórias de Sucesso Escolar, uma parceria que contribui para diminuir o atraso escolar e da qual temos muito orgulho", comenta Isabel Costa, gerente de Cidadania Corporativa da Samsung Brasil.

Acesse o estudo "Panorama da distorção idade-série no Brasil".

Contatos para a imprensa

Elisa Meirelles Reis
Oficial de Comunicação
UNICEF Brasil
Telefone: (61) 98166 1649
Brenda Hada
Oficial de Comunicação
UNICEF Brasil
Telefone: 61 3035 1973

Sobre o UNICEF
O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) trabalha em alguns dos lugares mais difíceis do planeta, para alcançar as crianças mais desfavorecidas do mundo. Em 190 países e territórios, o UNICEF trabalha para cada criança, em todos os lugares, para construir um mundo melhor para todos.

Acompanhe nossas ações no FacebookTwitterInstagramYouTube e LinkedIn.

Você também pode ajudar o UNICEF em suas ações. Faça uma doação agora.