120 mil máscaras foram doadas para crianças e adolescentes de Cras e Creas em São Luís

Famílias atendidas pelos Centros de Referência e Assistência Social (Cras) do município receberam máscaras de proteção como resposta humanitária a pandemia da covid-19

19 novembro 2021
Foto mostra uma mulher e um menino segurando um pacote de máscaras. Ao lado deles há uma profissional do UNICEF, usando a camiseta azul com o logo da instituição. Os três usam máscara e olham para a câmera.
UNICEF Brasil

São Luís, 19 de novembro de 2021 – Crianças e adolescentes de famílias de comunidades em situação de vulnerabilidade social de São Luís receberam mais de 4 mil máscaras de proteção contra a covid-19, distribuídas em 96 pacotes, doadas pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF). As famílias beneficiadas são atendidas no Centro de Referência e Assistência Social (Cras) do Bairro de Fátima. Ao todo, 120 mil máscaras estão sendo distribuídas às famílias da capital maranhense atendidas em Cras e Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas), tendo em vista a estratégia de enfrentamento da pandemia. As doações são uma parceria entre o UNICEF, Secretaria Municipal da Criança e Assistência Social (Semcas) e Fundação Josué Montello e a empresa Cummins.

A covid-19 acentuou as dificuldades enfrentadas por grande parte da população, sobretudo, as que se encontram em comunidades mais pobres de São Luís. Para Samuel Cardoso, tio de adolescentes que, como ele, são atendidos no Cras do bairro há mais de quatro anos, foi muito importante contar com a doação. “Eu acho muito bom, pois a pandemia ainda não acabou. Eu sou doente crônico, convivo com meus três sobrinho de 13, 16 e 19 anos e vejo essa doação como algo muito importante. Eu utilizo três máscaras por dia, pois, às vezes, tenho que ir ao hospital, faço caminhadas e, por isso, sempre ando com mais de uma máscara. Nem sempre eu tenho como comprar as máscaras para mim e meus sobrinhos, por isso, é muito importante essa doação”, afirma Samuel.

Toda a estratégia montada consiste em dar resposta humanitária à pandemia que, em São Luís, visa reforçar a mensagem de que a covid-19 não acabou e medidas sanitárias seguem em vigor, bem como a orientação no enfrentamento da doença por meio de doações de máscaras. “É muito importante continuar com a utilização de máscaras, muito mais para aqueles que estão em contextos mais vulneráveis à doença e que, portanto, têm direito a esse apoio das políticas e assistência social. As entregas de hoje reforçam o nosso estímulo para o cuidar de si e dos mais vulneráveis que estão em torno nas comunidades, fortalecer políticas e programas para o acesso a condições que permitam a higienização das mãos e a produção individual e familiar. Com a parceria na doação das máscaras Cummins destinadas à capital por meio dos Cras e Creas, temos a oportunidade de ter diálogos constantes com as famílias para fortalecer seu conhecimento e capacidades de proteção contra a covid-19”, pontua a chefe do escritório do UNICEF em São Luís, Ofélia Silva.

Juliana de Jesus da Silva, que é uma adolescente atenta e prestativa, foi uma das beneficiadas que recebeu as máscaras descartáveis da Cummins. Segundo ela, o período de maior agravo da pandemia foi muito difícil, porque sua mãe e seu pai ficaram gripados e ela teve que ajudar a cuidar de seus três irmãos mais novos. “No começo minha mãe ficou gripada e nós não podíamos ter contato com ela, logo em seguida o meu pai gripou. Tive que cuidar deles dois, mas mantive todos os cuidados. Usava duas máscaras, uma por cima da outra, e meus pais ficavam isolados no quarto. Quando eles saiam do quarto, nós íamos para o quintal, quando eles ficavam no quintal, nós entrávamos em nosso quarto”, lembra a adolescente. 

Cras Coroadinho
Juliana mora no bairro do Coroadinho, em São Luís do Maranhão. A região fica localizada na área periférica da cidade. Por isso, 120 mil máscaras foram destinadas às famílias mais vulneráveis atendidas pelos Cras e Creas em São Luís, nos bairros da Cidade Operaria, Cidade Olímpica e Anjo da Guarda. A abordagem é focada na garantia de ambientes seguros para crianças, adolescentes e famílias – incluindo, entre outros, escolas, centros de saúde, Cras e Creas.

“As máscaras que recebi pelo UNICEF aqui no Cras, vou dividir com a minha família e outra parte vamos dar para os nossos coleguinhas que não têm condições de comprar”, conta Juliane. Ela é a filha mais velha de Jomeire de Jesus da Silva, dona de casa e moradora do Coroadinho há mais de 10 anos. Sua mãe possui ainda mais três filhos, respectivamente com 11, 7 e 5 anos de idade. Durante a pandemia, a situação financeira foi um dos agravantes para conseguirem lidar com o período mais cruel do vírus.

Nesse período muitas pessoas, incluindo Jomeire, acreditavam estar com covid-19. Embora não tenha se confirmado a doença, ela alega ter cumprido com todos os protocolos de quarentena durante os sintomas. Com as doações das máscaras Cummins, essa realidade tende a melhorar. “Quando há parcerias no Cras, é muito importante pra nós. Geralmente pra mim que não trabalho, só o meu esposo que trabalha, fica muito pesado cuidar de quatro crianças. Foi muito complicado no período da pandemia, meu marido foi dispensado da sua função e agora presta outros serviços que dificultaram mais ainda nossa vida. As doações vão ajudar muito, porque ainda estamos num período de pandemia. Eu, particularmente, quando saio de casa, vou de máscara. Às vezes as pessoas debocham, riem porque eu ainda utilizo máscaras. Não é excesso, é cuidado com você, seus filhos e com quem está perto de você. Tudo isso ajuda a passar esse período e voltar aquele momento sem preocupação com o vírus”, sinaliza Jomeire.

Ela reforça ainda que mesmo quem tomou as duas doses da vacina precisa usar máscara. “Às vezes as pessoas acham que porque tomaram as duas doses não precisam mais usar máscara. Eu já tomei minhas duas doses e, nem por isso, eu deixo de usar máscara. Meus filhos não podem sair com tanta frequência e, quando saem, devem seguir com o distanciamento, uso de máscaras e álcool em gel. Hoje as doações das máscaras são importantes porque vão ajudar a combater o vírus”. A esperança de Jomeire é que as coisas melhorem com o passar do tempo. “Tenho a esperança de que as coisas melhorem cada dia mais, que tenhamos acompanhamento das instituições, que haja amor ao próximo e que busquemos uma colaboração entre todos durante esse período de pandemia”, almeja.

Junto com a esperança que a sua mãe tem, Juliana tem o sonho de terminar seus estudos e seguir com sua carreira profissional. “Eu quero terminar meus estudos, já estou no 9º ano, vou seguir para o ensino médio. Pretendo fazer uma faculdade e, após isso, entrar para o exército ou ser policial, pois quero ajudar as pessoas”, sonha Juliana.

Kit Conectividade
Não é a primeira vez que Juliana e sua família são beneficiadas com as doações do UNICEF. Há alguns meses ela recebeu um chip para celular, recarga referente a cinco meses e um smartphone, além disso, um caderno, livro didático em formato de manual “Pequeno Manual Antirracista”, da escritora Djamila Ribeiro. Todos esses itens fizeram parte do Kit Conectividade do UNICEF. O objetivo era assistir adolescentes afrodescendentes da macrorregião da Cidade Operária que estavam em condições de alta vulnerabilidade social e que precisavam do Kit Conectividade para auxiliar em suas rotinas escolares, além de ser um aporte na resposta humanitária da covid-19.

A adolescente conta como era sua rotina antes de ter o aparelho celular. “Era muito complicado, pois, às vezes, perdíamos aula por não ter como acompanhar. Somente minha mãe tinha celular. Quando eu recebi o Kit Conectividade, tudo mudou e eu pude assistir minhas aulas e ajudar meus irmãos”, conta Juliane.

Parte dos itens do Kit Conectividade era composto por máscaras de proteção contra o coronavírus. Juliana conta o que fez com as máscaras que recebeu. “Recebi máscaras que vieram no Kit, elas foram divididas entre mim, meus irmãos e nossos pais, além disso, demos máscaras para nossos "coleguinhas" que não tinham condições de comprar. Eles agradeceram por receber as máscaras”, lembra a adolescente. 

Contatos para a imprensa

Ida Pietricovsky de Oliveira
Especialista em Comunicação
UNICEF Brasil
Telefone: (91) 3073 5700
Telefone: (91) 98128 9022

Sobre o UNICEF
O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) trabalha em alguns dos lugares mais difíceis do planeta, para alcançar as crianças mais desfavorecidas do mundo. Em 190 países e territórios, o UNICEF trabalha para cada criança, em todos os lugares, para construir um mundo melhor para todos.

Acompanhe nossas ações no Facebook, Twitter, Instagram, YouTube, LinkedIn e TikTok.

Você também pode ajudar o UNICEF em suas ações. Faça uma doação agora.