Empregos verdes

Inovação, habilidades verdes e empregabilidade

#tmjUNICEF
Empregos verdes: inovação, empregos e habilidades verdes. Verde é tech, verde é job, verde é tudo.
UNICEF
21 maio 2024

A sustentabilidade tem se evidenciado mundialmente e, dentro do mercado de trabalho, uma de suas expressões pode ser vista nos empregos verdes. Estes se fundamentam na atuação em sinergia com elementos sustentáveis, considerando desde o consumo consciente até temas ambientais.

O que são empregos verdes?

A economia mundial tem passado por diversas transformações com a implementação de políticas de proteção ao meio ambiente e de redução dos impactos da ação humana. É nesse contexto que surgem os empregos verdes, aqueles destinados a contribuir diretamente com a preservação ambiental. Os segmentos que comportam esses profissionais são consumo e serviço, extração e produção, recuperação e retorno e, por fim, infraestrutura (ramo que mais engloba empregos verdes formais e bem remunerados).

Os empregos verdes estabelecem uma relação direta entre o mercado de trabalho, a produção de energia e os temas ambientais. Em concordância com as orientações de sustentabilidade pela Agenda Environmental, Social and Governance (ESG) - Ambiental, Social e Governança, em tradução livre -, as empresas e instituições cada vez mais procuram investir na proteção do planeta e diminuir os efeitos causados pelo aquecimento global, tendo responsabilidades sustentáveis a serem consolidadas e comprovadas. Esses elementos têm aumentado a procura por profissionais que trabalham nesse amplo setor, que abraça desde instaladores de painéis solares até engenheiros florestais.

Verde é tech, é job, é tudo

O crescimento da economia com os empregos verdes pode ser vislumbrado com o impulsionamento e investimento em infraestruturas sustentáveis – energia renovável, por exemplo – e oportunidades de trabalho criadas a partir disso. A priorização de elementos sustentáveis pelas instituições as beneficiam também, visto que a marca também tem custos de energia, além de conquistar fidelidade dos consumidores no mercado, que estão cada vez mais conscientes das pautas ambientais.

As tendências ESG promovem inovações em busca de tecnologias e profissionais qualificados que auxiliem no estabelecimento de práticas sustentáveis. Um exemplo de modelo tecnológico utilizado como apoio, que veio com a Indústria 4.0 (Quarta Revolução Industrial), é a computação de nuvem, chamada Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês). Esse sistema possibilita a utilização mais sustentável e eficiente de matéria-prima, energia e recursos financeiros, além de minimizar desperdícios e falhas nas cadeias de produção.

Uma das faces da IoT e de sua cooperação para sustentabilidade está na intercomunicação, que facilita o acesso e consolidação de dados referentes aos medidores ambientais, como o consumo de água, gerenciamento de energia, proteção aos animais com geolocalização, controle de resíduos, entre outros. Além disso, essa inovação tecnológica traz aprimoramentos para o meio ambiente, como a implementação de arquiteturas sustentáveis e meios de transporte mais inteligentes e limpos. Nesse cenário, verifica-se um crescimento econômico e de empregabilidade.

Segundo um estudo da ManpowerGroup, o campo com maior demanda de empregos verdes é a área de tecnologia da informação e dados. O mercado de trabalho já exige pessoas capacitadas para integrá-lo e colaborar para transformações sustentáveis.

Relação entre a empregabilidade e a sustentabilidade

Definida pela Organização do Desenvolvimento Industrial das Nações Unidas (UNIDO), as green skills (habilidades verdes) são competências que têm ganhado destaque no mercado de trabalho. Uma crescente busca por profissionais ou colaboradores com tais habilidades reflete a preocupação no desenvolvimento econômico e sustentável das organizações.

As habilidades verdes são importantes, já que adotam práticas sustentáveis nos setores da organização, implantam tecnologias e soluções sustentáveis, bem como outros valores motivados pelas práticas ESG. Assim, estão diretamente relacionadas com a reputação das empresas, gerando uma vantagem competitiva sobre outras. Na prática, essas habilidades podem ser científicas, de engenharia e técnicas ou de monitoramento. Há alta demanda por essas competências em setores de serviços básicos (água, esgoto e energia), analistas e especialistas em sustentabilidade e inspetores de conformidade ambiental, por exemplo. Cada vez mais as competências verdes têm sido exigidas nos anúncios de emprego, tendo se tornado elemento essencial na qualificação de profissionais.

O Pacto da Juventude

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) apresentou uma iniciativa de empregos verdes para jovens denominada Pacto da Juventude. O projeto conta com a parceria do UNICEF, entre outras agências das Nações Unidas, e atua com o investimento na economia verde e no trabalho, em prol de habilidades verdes para jovens de países em desenvolvimento. 

Green jobs for youth pact
UNICEF

Fonte: Vídeo “The Green Jobs for Youth Pact: Accelerating young skills and talent for green jobs” no canal doYoutube @UNClimateChangeEvents. Tradução livre: Pacto dos empregos verdes para a juventude.

O objetivo do Pacto da Juventude é, principalmente, promover ações para criação de empregos verdes para os jovens, de forma a incentivar um mercado de trabalho receptivo a esse público. Esse cenário colabora com um crescimento econômico sustentável e benéfico ao meio ambiente e à sociedade.

Por que os empregos verdes são o futuro do planeta?

Os empregos verdes são a resposta necessária para os problemas ambientais e econômicos que a sociedade enfrenta atualmente. Com a crescente e importante conscientização sobre o impacto negativo das mudanças climáticas e a necessidade urgente de reduzir a emissão de carbono, os empregos verdes se tornam chave no processo de transformação para a sustentabilidade ambiental. Setores como energia renovável, reciclagem e transporte limpo estão na frente dessa transformação, proporcionando não apenas empregos, mas também uma abordagem global para preservar o meio ambiente. Além disso, esses empregos promovem a inovação tecnológica, impulsionando avanços para a proteção ambiental e o crescimento econômico positivo de longo prazo.

Os empregos verdes não só são uma resposta à crise ambiental, como também uma oportunidade para construir uma economia mais nobre e inclusiva. Ao contrário das indústrias tradicionais que dependem fortemente de recursos não renováveis, que muitas vezes causam danos ao meio ambiente, os empregos verdes visam práticas sustentáveis, bem como a preservação dos recursos naturais para as gerações futuras. Profissões diretamente ligadas a proteger o meio ambiente tendem a aumentar sua demanda no mercado. Os empregos verdes também podem ser mais descentralizados, criando oportunidades locais e fortalecendo as comunidades. Com uma demanda crescente por soluções ambientais, os empregos verdes representam não só uma fonte de emprego estável, como também o futuro do planeta.

Referências

 

Redação: Maria Eduarda de Souza Obeid, Sabrina de Oliveira Balke, Arthur Eduardo Santos Andrade, Larissa Rhaiane Maestro.

Revisão: Caio Martins, Veida Andrade, Lara Alexandrina Santana | BA, João Pedro Alves | RJ.

Blog escrito pelas voluntárias e pelos voluntários do #tmjUNICEF, o programa de voluntariado digital do UNICEF. São adolescentes e jovens de todo o Brasil que participam de formações sobre direitos de crianças e adolescentes, mudanças climáticas, saúde mental e combate às fake news e à desinformação.

Explore os tópicos do nosso blog: