12 Setembro 2023

Protocolo Gestão Integrada da Desnutrição Aguda

Sendo a desnutrição uma patologia de natureza tanto médica quanto social, o sucesso do seu tratamento exige que ambas sejam reconhecidas e corrigidas. Se a natureza social da doença não for corrigida a criança tratada poderá ter recaídas e as outras crianças da mesma família estarão em risco de a desenvolver. Por isso, é importante a coordenação da implementação do programa de GIDA com os programas para promoção da segurança alimentar, agricultura, microcrédito e outros programas de geração de renda. Este documento sistematiza os cuidados à criança com desnutrição aguda e destina-se a toda a equipa de saúde envolvida nesses cuidados: médicos, enfermeiros, nutricionistas, auxiliares de enfermagem, agentes de saúde comunitários, responsáveis pelo tratamento, pela recuperação, pelo acompanhamento e pelos cuidados prestados a estes pacientes, assim como a pessoas implicadas na formulação de Políticas e Programas de Nutrição, professores das escolas de formação de base dos Técnicos de Saúde e universidades, membros das Direções Regionais de Saúde, ONG implicadas no tratamento da desnutrição aguda. Objectiva-se com a sua implementação a redução da mortalidade das crianças com desnutrição aguda grave através da padronização do tratamento adequado, evitar as recaídas e prevenir a desnutrição pelo acompanhamento adequado a nível comunitário. O rastreio sistematizado e regular a nível comunitário não só permite a identificação dos casos de desnutrição e o seu tratamento adequado, antes que cheguem a casos graves, como também a criação de um sistema de vigilância nutricional que revelará a situação nutricional vigente e sua tendência, a identificação da sazonalidade regional e permitirá também antecipar e priorizar medidas adequadas para a resolução da situação.