Saneamento para uma melhor saúde

Ajudamos algumas aldeias em Angola a serem livres da defecação ao ar livre

Leia Mussole, Horácio Chitunda and Claudia de Oliveira (PIN Angola)
Eliseu Sipitali is one of the many beneficiaries of the water, sanitation and hygiene (WASH) project for the inhabitants of Mbambi Mupa village, Bié province, Angola. He washes his hand with his tip tap
UNICEF/Angola/2017

04 Setembro 2017

Nharea (Bié), Angola - "Aprendemos que precisamos proteger a nossa saúde, porque a saúde é vida". É assim que Eliseu Sipitali explica os benefícios resultantes do programa sobre água, saneamento e higiene (WASH), para os moradores da aldeia Mbambi Mupa, província do Bié, Angola.

"Muitos de nós não tínhamos conhecimento sobre a construção de latrinas e higiene pessoal. O programa nos explicou o que é necessário para termos uma vida saudável. Após o trabalho de conscientização, nós começamos a cavar buracos para as latrinas. No início, as latrinas eram feitas de capim, mas já começamos a construi-las com barro," descreve o beneficiário. "Estamos a aprenser a considerar a saúde como uma prioridade. Agora, sabemos a importância de lavar as mãos com sabão antes de comer," acrescentou um outro activista comunitário.

Mbambi Mupa é uma das mais de 100 aldeias certificadas como Livres da Defecação ao ar Livre (ODF), após a implementação do projecto Saneamento Total Liderado pela Comunidade (STLC) na província do Bié nos últimos anos. O projecto é actualmente financiado pelo UNICEF, People in Need (PIN), e Andrex.

As comunidades estão a ser motivadas para melhorar o seu próprio saneamento através de um processo denominado despertar da sociedade - o foco principal da iniciativa é promover uma mudança nas atitudes relacionadas ao saneamento, ao invés de construir latrinas, porém todas as famílias da aldeia devem ter acesso a latrinas para receber o certificado ODF.

Domingas Eyala vive na comuna de Calilongue e tem 5 filhos. Ela afirma que antes do projecto, os moradores não sabiam porque eram frequentemente afectados por doenças como a diarreia e malária. "Aprendi no projecto que a defecação ao ar livre aberto é uma das principais causas de doenças. Atraia muitos mosquitos, o que não era bom para a nossa saúde. Eu também aprendi a cobrir a latrina e lavar as mãos com água e cinzas.”

"Muitos de nós não tínhamos conhecimento sobre a construção de latrinas e higiene pessoal. No início, as latrinas eram feitas de capim, mas já começamos a construi-las com barro"

Outro beneficiário do projecto em Calilongue, Bonifácio Quintas, diz que ensina os seus sete filhos a usar adequadamente a nova latrina que ele construiu para sua família. "Eu construí uma (latrina) de barro, que é mais resistente. Não gastei muito na construção, eu usei minha própria poupança".

Progresso a cada ano
Edson Monteiro, oficial da Água e Saneamento (WASH) do UNICEF, visitou algumas das aldeias onde a iniciativa STLC foi implementada. Ele aprecia os resultados da parceria com a PIN neste sector. "Até hoje, obtivemos excelentes resultados e conseguimos desenvolver ferramentas altamente eficazes," afirma Edson. "A ida ao campo foi frutuosa porque pudemos ver o padrão que desejamos alcançar no STLC. Vimos que as aldeias certificadas possuem latrinas melhores, algumas feitas de cimento, e outras com fossas sépticas".

"Observamos progressos a cada ano. Desde 2010, observamos, pela primeira vez, uma mudança real nas atitudes", diz o oficial do UNICEF, descrevendo as próximas etapas da parceira com PIN. "Temos que melhorar o aspecto da comunicação social. Queremos trabalhar intensamente com PIN e criar ferramentas adequadas à realidade do campo".

"O trabalho realizado com PIN, em Bié, mostrou resultados positivos e algumas inovações. Existem aspectos técnicos que podemos sempre melhorar, uma vez que as comunidades estão a ser inovadoras, por isso precisamos adaptar as mudanças para inovarmos ainda mais", acrescenta Montero.

Edson Monteiro, UNICEF WASH Officer, talks to some members of the Mbambi Mupa village, Bié province, about Community-Led Total Sanitation
UNICEF/Angola/2017
Edson Monteiro, oficial de Água e Saneamento do UNICEF, fala com alguns membros da aldeia Mbambi Mupa, província do Bié, sobre o Saneamento Total Liderado pela Comunidade

Trabalho em conjunto com a administração local
Nharea é um município da província do Bié e é um exemplo da sustentabilidade do projecto. No município, a iniciativa foi oficialmente apoiada pela administração local, e foi implementada com um orçamento e recursos humanos locais.

O coordenador municipal do programa STLC, Eduardo Cameira, evidenciou a diminuição do número de doenças relacionadas à falta de saneamento, sublinhando a importância de um trabalho contínuo. "A certificação não é suficiente. Temos que continuar com a monitorização para assegurar que as latrinas que colapsam durante a estação chuvosa sejam reparadas”, afirma.

O trabalho de monitorização é fundamental para evitar que as comunidades retornem a práticas de defecação a céu aberto. Capacitar as autoridades provinciais é uma prioridade para tornar possível a disseminação do STLC e mudanças de atitudes, para a melhoria das condições de higiene e saneamento da população angolana.

A administradora de Nharea, Maria Lúcia Chicapa, comenta sobre outras questões que o programa trouxe para a agenda do município. "O desenvolvimento é um processo," ela diz. "Quando falamos sobre saneamento, existem também mais componentes. Suponha que todas as famílias em uma aldeia tenham boas latrinas, mas não tenham acesso a água potável facilmente disponível, ou talvez tenham latrinas e água, mas as crianças não estudam, por isso devemos conjugar esforços para solucionar esse problema."