Técnicos da comunidade na linha da frente para combater a COVID-19 em Luanda

Diariamente vários homens e mulheres trabalham para garantir que as famílias tenham informações seguras sobre como se proteger durante a pandemia

Heitor Lourenço
Pulqueria Marta a community worker in Luanda spreading messages about COVID-19
UNICEF/ANG-2020/Carlos César
11 Setembro 2020

Luanda é a capital de Angola e o epicentro da pandemia no país. Até ao início de Agosto o país tinha confirmado, mais de 1700 casos, maior parte destes, na província de Luanda.

A propagação da doença tem preocupado as autoridades da província que mobilizou vários técnicos para desenvolverem acções de mobilização. Este trabalho envolve técnicos do Governo Provincial, administrações Municipais, e técnicos das repartições de saúde.

Pulquéria Marta, por exemplo, é técnica de vigilância epimiológica na repartição municipal de saúde do Talatona. Ela trabalha habitualmente na busca de casos de doenças como o sarampo e a poliomielite, nas unidades sanitárias e comunidades. Com a ocorrência da pandemia a sua rotina e de outros técnicos sofreu uma grande mudança.

Para além de apoiar a busca na vigilância de doença, ela e os demais técnicos procuram assegurar que as pessoas recebam informações seguras sobre as principais medidas de prevenção contra a COVID-19.

“A nossa rotina é bem mais agitada em relação aos outros dias, porque temos que estar focados na sensibilização e na busca de outras doenças”, conta Pulquéria.

Pregnant women receive key information about COVID-19
UNICEF/ANG-2020/Carlos César

“Nós temos feito trabalhos de mobilização nas comunidades, dentro do município, nos mercados e temos feito o acompanhamento em zonas onde foram notificados casos”, descreve a técnica de vigilância.

Munidos de megafones, materiais de informação, a pé ou de carro, Pulquéria e os seus colegas, passam por várias áreas das suas comunidades, com maior destaque aquelas áreas onde se registam aglomerados de pessoas. Dentre as mensagens que levam destaca-se o uso correcto da máscara, a necessidade de lavar as mãos com frequência, com água e sabão ou uso de álcool gel e ainda o distanciamento social.

Acrescenta Pulquéria que “os técnicos têm orientado principalmente as mães que têm bebés menores que ainda estão em fase de amamentação a fazer a higienização ao chegar a casa e principalmente antes de amamentar”.

A amamentação é uma prática que se recomenda mesmo em tempo de COVID-19, pois não há evidência científica da transmissão da doença através do leite materno. As mães são, no entanto, aconselhadas a tomar todas as medidas de higiene e protecção como o uso da máscara, a higienização das mãos com água e sabão antes de amamentar, principalmente se desconfiam que estão infectadas.

COVID-19 Messages at community level
UNICEF/ANG-2020/Carlos César

Para além da Pulquéria, um grupo de técnicos do Governo da Província de Luanda e das administrações municipais também apoiam as actividades comunitárias.  Com um carro de som circulam pelas ruas e mercados da Cidade de Luanda levando várias informações sobre a COVID-19.

“Semanalmente as 16 viaturas preparadas com sistema de som disponibilizados o pelo UNICEF podem circular mais de 500 km”, como conta Emídio Cachitono, técnico da área de comunicação do  Governo da Província de Luanda.

“Onde passamos verificamos algum aglomerado ou alguém que não esteja a cumprir com as medidas de prevenção nós paramos para sensibilizar”, acrescenta.

Sound system in the car to spread COVID-19 messages
UNICEF

Actividades de comunicação integradas

Para além das acções comunitárias o UNICEF apoia as autoridades angolanas e o Governo da província de Luanda em particular, na produção de vários materiais de comunicação que são veiculados pelas rádios locais e pelas redes sociais. Dentre eles, rádio dramas e spots com mensagens adaptadas à situação epidemiológica.

A combinação da estratégia comunitária com o uso dos meios de comunicação social visa principalmente assegurar que as pessoas tenham acesso à informações correctas que ajudem  a prevenir a COVID-19 e combater rumores ou falsas informações que podem causar danos para a saúde de toda a comunidade.

Todas estas acções fazem parte de um plano mais amplo de resposta à COVID-19 que inclui o reforço do registo de nascimento nas maternidades, o reforço das medidas protecção social das crianças e famílias mais vulneráveis, a implementação de medidas alternativas para manter as crianças a aprender e outras.

Estas actividades contribuem para que a crise da COVID-19 não se transforme numa crise dos direitos da criança.

 

Recording radio drama about COVID-19
UNICEF