Estágios profissionalizantes na área Social ajudam jovens estudantes

O programa de estágios é um dos componentes do projecto APROSOC e se propõe contribuir para o reforço da profissionalização dos técnicos na área da acção social

Helder Guimarães
Estágio Profissional Uige
UNICEF/ANG-2021/Helder Guimarães
25 Janeiro 2022

Vieira João e José Miduai são dois, dos quatro jovens estudantes, do curso de enfermagem, beneficiários do Programa de Estágios Profissionalizantes na área da Protecção Social (PEPPS), projecto que se propõe contribuir para o reforço da profissionalização dos recursos humanos na área da acção social.

Os jovens estudantes frequentam ambos no quinto e último ano de enfermagem na Universidade Kimpa Vita, uma Universidade local,  e tomaram contacto com o programa de estágios na própria universidade, quando as equipas do UNICEF e da Acção Social da província, para lá se deslocaram a fim de informarem os estudantes das vantagens do projecto.

“Sempre foi o meu sonho ser médico”, afirmou Vieira de 25 anos de idade. O jovem estudante é natural do Município do Songo onde vive com a mãe e os irmãos mais novos sendo o terceiro filho de uma família de oito irmãos.

“Fiz o ensino médio no Instituto de Saúde do Uíge depois fui para Luanda tentar dar continuidade ao curso de medicina no ensino superior, mas não consegui passar no teste da Faculdade de Medicina da Universidade Agostinho Neto, então regressei ao Uíge”, afirma Vieira com tristeza.

“Este programa de estágios ajuda-nos a perceber melhor as vulnerabilidades dos idosos”

Vieira João, Estagiário projecto APROSOC

Vieira conta que ingressou no curso de enfermagem para não ficar muitos anos sem estudar, pois na provincia do Uíge não havia, na altura, curso superior de medicina, “acabei por fazer enfermagem para não fugir muito da linha da saúde”, afirma.

O jovem estagiário encontrou no curso de enfermagem da Universidade Kimpa Vita a solução para continuar os estudos e perseguir o sonho de trabalhar na área de saúde e hoje está feliz por beneficiar do estágio profissionalizante mediante o qual pode ajudar quem precisa, no caso particular o grupo de idosos de uma lar para onde foram encaminhados..

“Começamos o estágio no Hospital Municipal Ana Paula onde ficamos aproximadamente um mês, antes de virmos os dois para cá neste lar dos idosos”, afirma Vieira acrescentando que a maioria dos idosos aí acolhidos são provenientes de outras partes do país, “principalmente da região sul”, rematou.

“Este programa de estágios está a nos ajudar a perceber melhor as vulnerabilidades dos idosos embora cada um tenha vindo aqui parar por diferentes motivos”, esclareceu o jovem estudante que destaca a experência que vai adquirindo, ao longo do programa, nos mais variados domínos da acção social. “Estamos a aprender muito”, relata.

Estágio Profissional Uige
UNICEF/ANG-2021/Helder Guimarães

Este programa de estágios por onde já passaram mais de 20 estagiarios, faz parte do projecto APROSOC – Apoio à Protecção Social em Angola, implementado pelo Ministério da Acção Social, Família e Promoção da Mulher (MAFAMU), com assistência técnica do UNICEF e financiamento da União Europeia.

O programa que está a dar oportunidade aos jovens estudantes é implementado através de um Protocolo de Cooperação do UNICEF com os Gabinetes de Acção Social, Família e Igualdade no Género (GASFIG), Administrações Municipais e as Instuições Locais de Ensino Médio e Superior, nas províncias-alvo do projecto APROSOC, nomeadamente Bié, Moxico e Uíge.

José Pedro Miduai, de 26 anos, é natural de Luanda, município de Belas, e sempre sonhou estudar e se tornar enfermeiro. O jovem que cresceu no bairro da Sapú foi para a província do Uíge em busca do sonho da formação superior.

“Vim para o Uíge só para estudar e se Deus quiser fico também aqui mesmo para trabalhar, a prioridade é trabalhar onde me formei”, afirma o jovem que cursou ciências físicas e biológicas no ensino médio ainda em Luanda.

“Fiz o ensino médio numa instituição onde o meu irmão mais velho lecionava, então tive que fazer apenas o curso que lá havia disponível”, afirmou José acrescentando que apesar de não fazer enfermagem já no ensino médio não afecta o seu desempenho pois a sua dedicação é total.

José diz que está disponível a trabalhar na sua área de formação seja onde for colocado, em Angola ou fora do país, num hospital ou numa missão humanitária, mas afirma que “gostaria de ser enquadrado num banco de urgência, gosto de desafios, mesmo os meus estágios têm sido sempre nesse sentido”, aceverou o estudante.  

Os jovens nos contaram que as ocorrências que mais registam nos estágios de enfermagem, são casos como desnutrição, falta de acesso à água tratada, malária e doenças diarreicas, sendo que os activistas resolvem aquilo que podem e encaminham à quem de direito os casos que ultrapassam as suas capacidades.

Estágio Profissional Uige
UNICEF/ANG-2021/Helder Guimarães

O exame prático feito pelos estudantes foi supervisionado por três professores que constituiram o júri e consistia na atenção primária da saúde e enfermagem social familiar, exame prático que antecede o teste teórico.

Na província do Uíge o programa experimental beneficia actualmente cerca de 12 jovens estudantes de três instituições de ensino diferentes e os estágios contemplam as áreas do direito e enfermagem, cada uma com quatro estagiários, contabilidade e gestão e tecnologias de informação, com apenas dois estagiários cada.

O programa de estágios em questão propõe contribuir para o reforço da profissionalização dos recursos humanos na área da acção social e, nomeadamente da Municipalização Acção Social, através do estabelecimento de protocolos de cooperação com as diferentes insituições envolvidas no projecto APROSOC, implementado em Angola com apoio técnico do UNICEF e financiamento da União Europeia.