Coronavírus (Covid-19): O que os pais precisam saber

Como proteger a si e às suas crianças

Lavagem das maos
UNICEF/UNI118009/Price

O que é o Covid-19 (“Coronavirus”)?

A doença COVID-19 é uma doença infecciosa causada por um novo coronavírus que provoca doenças respiratórias. O nome vem do ano em que o vírus foi descoberto, 2019, e da sua forma quando visto no microscópio (coroa).

 

O Covid-19 foi classificado como uma pandemia pela Organização Mundial da Saúde. O que isso significa?

O  Covid-19 é uma pandemia, de acordo com a classificação da Organização Mundial de Saúde. Isso significa que o Covid-19  se propagou pelo planeta, em vários continentes e países.  Pertencer a uma determinada nacionalidade, raça, religião, género não protege ninguém do Covid-19. Qualquer pessoa pode estar exposta ao Covid-19, embora algumas pessoas possam estar mais expostas ao risco de infecção e as complicações da doença. Por isso, todas as pessoas devem seguir as orientações do Ministério da Saúde para se prevenir e para saber como agir diante de casos suspeitos ou confirmados.

 

Há muita informação falsa na internet. O que devo fazer?

Existem muitos mitos e informações erradas sobre o coronavírus partilhados na internet e redes sociais.

Escolha fontes seguras para buscar informação e não partilhe notícias sobre saúde sem ter a certeza que estão correctas. 

A página do UNICEF Angola contém informações e recomendações seguras sobre o Covid-19, que seguem as orientações  da Organização Mundial de Saúde e do Ministério da Saúde em Angola.

A Organização Mundial de Saúde e o Ministério da Saúde possuem páginas com respostas sobre as perguntas mais frequentes.

É muito importante que estejamos actualizados sobre as restrições que os países adoptaram para viagens, bem como  recomendações e  orientações fornecidas pelas autoridades nacionais, locais e internacionais.

 

Como o vírus Covid-19 se propaga?

O vírus Covid-19 é transmitido pelo contacto directo com gotículas respiratórias de uma pessoa infectada (tosse e espirros) ou pelo toque em superfícies contaminadas.

O vírus Covid-19 pode sobreviver em superfícies por várias horas, mas desinfetantes simples podem eliminar o vírus.

Para evitar infecção, lave as mãos com sabão frequentemente, mesmo que elas pareçam limpas, mantenha distancia de pelo menos dois metros de pessoas que estejam visivelmente doentes e cubra o rosto ao tossir e espirrar com o braço dobrado.  

 

Quais são os sintomas do Covid-19?

Pessoas que estão infectadas pelo Covid-19 apresentam  sintomas como febre, tosse e falta de ar. Em casos mais graves, a infecção pode causar pneumonia ou dificuldades respiratórias. Mais raramente, a doença pode ser fatal.

Os sintomas do Covid-19 são semelhantes aos da gripe (influenza) ou da constipação comum.

A única maneira de saber se uma pessoa está infectada com Covid-19 é por meio do teste. Os critérios para a realização do teste são diferentes em cada país. Em Angola, a orientação é realizar o teste em casos suspeitos e manter as pessoas em quarentena. 

Ainda não existe vacina contra o Covid-19.

 

 

 

lavagem da mao

Lave as mãos com frequência usando água e sabão ou
um desinfectante 70% à base de álcool

 

Ao tossir ou espirrar

Ao tossir ou espirrar, cubra a boca e nariz com o cotovelo flexionado ou lenço de papel, que deve ser deitado fora num balde de lixo com tampa

Evite contato próximo

Evite o contacto próximo com qualquer pessoa que tenha sintomas de gripe ou resfriado

Devo usar uma máscara cirúrgica?

O uso de máscara cirúrgica é recomendado se você tiver sintomas respiratórios (tosse ou espirro) para proteger os outros. Se você não tiver nenhum sintoma, não há necessidade de usar uma máscara. O uso de máscara cirúrgica apenas não é suficiente para interromper as infecções e deve ser combinado com a lavagem frequente das mãos, cobrindo a boca e o nariz quando espirrar e tossir, e evitando o contacto próximo com qualquer pessoa com sintomas de gripe ou resfriado (tosse, espirro, febre).

 

Qual é a melhor maneira de lavar as mãos correctamente?

Lave as suas mãos com frequência, mesmo que elas pareçam limpas. Este gesto simples pode proteger você e a sua família de muitas doenças e salvar vidas.

 

Lave as suas mãos com frequência, mesmo que elas pareçam limpas. Este gesto simples pode proteger você e a sua família de muitas doenças e salvar vidas.
Ministério da Saúde/WHO/UNICEF

O Covid-19 afecta crianças?

Esse é um vírus novo e ainda não sabemos o suficiente sobre como ele afecta crianças ou mulheres grávidas. Mas já sabemos que é possível que pessoas de qualquer idade sejam infectadas pelo vírus Covid-19. Mesmo que até agora tenham ocorrido relativamente poucos casos de Covid-19 entre crianças, a melhor estratégia é protege-las. Até ao momento, o vírus é fatal em casos raros e as situações mais graves e mortes tem ocorrido entre pessoas idosas e com condições medicas pré-existentes.  

 

O que devo fazer se a minha criança tiver sintomas de Covid-19?

Apenas procure um serviço de saúde se os sintomas se agravarem. Em caso suspeito, ligue para o número 111 do Ministério da Saúde. Lembre-se que os sintomas da Covid-19, como tosse ou febre, podem ser semelhantes aos da gripe ou da constipação comum.

Lave as mãos regularmente, e mantenha as vacinas das suas crianças actualizadas,  para que estejam protegidas contra outros vírus e bactérias que causam outras doenças.

 

O que devo fazer se um membro da família apresentar sintomas de Covid-19?

Consulte um profissional de saúde rapidamente se os sintomas se agravarem. Informe o seu médico se você tiver viajado para uma área onde o Covid-19 foi relatado ou se você tiver tido um contato próximo com alguém que veio de uma dessas áreas e tenha apresentado sintomas respiratórios.

 

Devo deixar a minha criança ir à escola?

Algumas escolas tem sido fechadas como medida de prevenção, para evitar a transmissão do vírus. As orientações para isso podem partir da própria escola ou do governo do país. Faça um acompanhamento sobre como a escola dos seus filhos tem dado tratamento ao assunto. Se a sua criança estiver com sintomas, procure atendimento médico e siga as instruções do profissional de saúde. Evite ir a locais públicos e aglomerações, para evitar a disseminação do vírus para outras pessoas. Ensine-as boas práticas como a lavagem frequente das mãos, e cobrir a boca e o nariz quando tossir ou espirrar usando o braço dobrado.

 

Quais são as orientações para viagens?

Avalie se a viagem não pode ser adiada. Qualquer pessoa que esteja a planificar uma viagem para o exterior deve sempre verificar o aviso de viagem do país de destino quanto a quaisquer restrições de entrada, requisitos de quarentena na entrada ou outros conselhos de viagem relevantes. Informe-se para evitar ficar em quarentena ou ter negada a reentrada no país de origem.

Também é recomendável verificar a actualização mais recente do Covid-19 no site da International Air Transport Association (disponível somente em inglês), que inclui uma lista de países e medidas de restrição.

Durante a viagem, todos os pais devem seguir medidas padrão de higiene para si e para as suas crianças: lavem as mãos com frequência ou usem um desinfectante pelo menos 70% à base de álcool; pratiquem uma boa higiene respiratória – ao tossir ou espirrar, cubram a boca e o nariz com o cotovelo dobrado ou com lenço de papel, que deve ser descartado imediatamente após o uso –; e evitem contacto próximo com quem estiver a tossir ou a espirrar. Além disso, é recomendável que os pais sempre carreguem um desinfectante para as mãos e um pacote de lenços descartáveis. As recomendações adicionais incluem: limpeza do seu assento, apoio de braço, tela sensível ao toque, etc. com uma toalhinha desinfectante (lenço humedecido com antisséptico) uma vez dentro de uma aeronave ou outro veículo. Usar também uma toalhinha desinfectante para limpar superfícies como: chave, maçanetas, controles remotos, etc. no hotel ou em outro local onde vocês e as suas crianças estejam hospedados.

 

As mulheres grávidas podem transmitir o Covid-19 para os bebés?

No momento, não há evidências suficientes para determinar se o vírus Covid-19 é transmitido da mãe para o bebé durante a gravidez ou provável impacto que isso pode ter no bebé. Isso ainda está sob investigação. As mulheres grávidas devem continuar a seguir as precauções apropriadas para se proteger da exposição ao vírus e procurar atendimento médico o quanto antes, se tiverem sintomas como febre, tosse ou dificuldade em respirar. As recomendações para amamentação, no caso de uma mãe infectada, devem seguir as orientações médicas.

 

Qual é a melhor maneira de falar sobre o que está a acontecer?

É compreensível que esteja preocupado com o coronavírus, mas o medo e o estigma pioram uma situação difícil. Por exemplo, há relatos emergentes em todo o mundo de indivíduos, particularmente de ascendência asiática, sujeitos a abuso verbal ou mesmo físico.

Emergências de saúde pública são momentos estressantes para todos os afectados. É importante manter-se informado e ser gentil e solidário. As palavras são importantes, e o uso de linguagem que perpetua os estereótipos existentes pode impedir que as pessoas tomem as medidas necessárias para proteger a si mesmas e as suas comunidades.

Aqui estão alguns exemplos do que fazer ou não fazer ao falar sobre o coronavírus com as suas crianças, os seus familiares e amigos:

FAÇA: Converse sobre o coronavírus (Covid-19).

NÃO FAÇA: Não vincule locais ou raça e etnias à doença. Lembre-se de que os vírus não atingem pessoas de populações, etnias ou origens raciais específicas.

FAÇA: Fale sobre "pessoas que têm Covid-19", "pessoas que estão em tratamento de Covid-19", "pessoas que estão em recuperação de Covid-19" ou "pessoas que morreram após contrair Covid-19".

NÃO FAÇA: Não se refira a pessoas com a doença como "casos Covid-19" ou "vítimas".

FAÇA: Fale sobre pessoas que "adquirem" ou "contraem" Covid-19.

NÃO FAÇA: Não fale sobre pessoas "transmitindo Covid-19", "infectando outras pessoas" ou "espalhando o vírus", pois isso implica transmissão intencional e atribui culpa.

FAÇA: Fale com precisão sobre os riscos do Covid-19, com base em dados científicos e nos últimos conselhos oficiais de saúde.

NÃO FAÇA: Não repita ou compartilhe rumores não confirmados e evite usar linguagem exagerada e dramática projetada para gerar medo como "praga", "apocalipse", etc.

FAÇA: Converse positivamente e enfatize a importância de medidas eficazes de prevenção, inclusive seguindo as dicas sobre lavagem das mãos. Para a maioria das pessoas, essa é uma doença que pode ser superada. Existem medidas simples que todos podemos tomar para nos manter seguros e também manter em segurança nossos entes queridos e os mais vulneráveis, que são as pessoas idosas e/ou com alguma doença crônica.

 

Como o UNICEF tem trabalhado para enfrentar a pandemia do Covid-19?

 

 Suprimentos médicos do UNICEF para profissionais da saúde, pesando mais de 12 toneladas, entregue ao Governo da China em Xangai
UNICEF/China/Fang Zhe
Em 1º de março de 2020, a mais recente remessa de suprimentos médicos do UNICEF para profissionais da saúde, pesando mais de 12 toneladas, foi entregue ao Governo da China em Xangai para apoiar sua resposta ao surto de Covid-19. Os suprimentos foram enviados imediatamente para Wuhan e outras regiões da província de Hubei.

Até ao dia 1 de Março, o UNICEF havia entregue quase 1 milhão de dólares em suprimentos, incluindo máscaras cirúrgicas, luvas de proteção e óculos para os funcionários do sector da saúde na China.

O UNICEF está a trabalhar com a Organização Mundial da Saúde, a Comissão Nacional de Saúde e outros parceiros para fortalecer a comunicação de riscos, para que crianças, mulheres grávidas e suas famílias saibam como impedir a propagação do Covid-19. Isso inclui o desenvolvimento de módulos de treinamento online para profissionais de saúde e perguntas frequentes e orientações para mulheres grávidas e crianças. O UNICEF tem estado activamente  também a tomar medidas para fornecer informações corretas sobre o vírus, trabalhando com parceiros online como Facebook, Instagram, LinkedIn e TikTok para garantir que conselhos precisos estejam disponíveis, além de tomar medidas para informar o público quando surgirem informações imprecisas.

No dia 17 de Fevereiro, o UNICEF lançou um apelo para arrecadar 42,3 milhões de dólares para aumentar o apoio aos esforços para conter o surto do coronavírus. Os fundos preliminares apoiarão o trabalho do UNICEF para reduzir a transmissão do vírus, inclusive fortalecendo a comunicação de riscos e combatendo as informações erradas.


Para mais informações sobre o coronavírus, visite as páginas da OMS e do Ministério da Saúde.