Dia Internacional da Menina: Investir na menina um caminho para o desenvolvimento

11 Outubro 2020
Dia da menina
UNICEF/ANG-2020/Heitor Lourenço

LUANDA, 11 de Outubro de 2020 - Anualmente no dia 11 de Outubro, Dia Internacional da Menina, o UNICEF e os seus parceiros trabalham para reforçar uma campanha de advocacia relacionada às desigualdades de género vividas pelas meninas e apelar por oportunidades iguais.

Em tempo de pandemia da COVID-19 o risco de haver um agravamento na situação das meninas é maior particularmente nas áreas rurais e mais pobres.

Por exemplo, com o encerramento das escolas milhões de meninas podem desistir antes de concluírem os seus estudos, especialmente meninas que vivem em áreas pobres, meninas com deficiência ou que vivam em áreas rurais isoladas.

Embora tenham sido registados avanços significativos no acesso à educação, cuidados de saúde e na participação das meninas no mundo associativo, as disparidades continuam presentes no seu quotidiano, resultado principalmente de barreiras socioculturais”, lembra Ivan Yerovi, Representante do UNICEF em Angola.

O dados indicam que a nível global mais de 66% das meninas em idade de frequentar o ensino secundária estão matriculadas na escola secundária hoje, em comparação com 50% em 1998. No entanto, em pelo menos 20 países, quase nenhuma menina pobre da zona rural completa o ensino médio.

Em Angola o Governo fez esforços significativos para aumentar as matrículas escolares de 5,8 milhões para aproximadamente 10 milhões de estudantes entre 2009 e 2018, mas as raparigas e adolescentes continuam a ser uma minoria em relação aos meninos. Esta situação é mais dramática a nível do ensino secundário e superior, onde as meninas e jovens representam apenas 37% dos estudantes inscritos. Estas diferenças são também verificadas nos elevados níveis de abandono escolar e nas zonas rurais

Os dados globais indicam ainda que treze milhões de meninas dos 15 aos 19 anos sofreram estupro ao longo da vida. Enquanto as meninas temerem pela sua segurança, elas não podem realizar todo o seu potencial e são desencorajadas a buscar educação, emprego e outras oportunidades sociais e políticas.

Estas e outras situações porque passam inúmeras meninas, tornam mais urgente a necessidade de elevarmos a voz das várias meninas que passam por privações e veem as suas oportunidades de desenvolvimento ameaçadas.

Por isso o UNICEF e vários parceiros erguem a sua voz e se juntam às vozes de várias meninas a fim de apelar por um maior investimento dos Governos, das famílias e da sociedade no desenvolvimento de habilidades das meninas.

Apelamos ainda para a reafirmação do compromisso de todos em priorizar o investimento na menina, para que elas alcancem o seu pleno potencial

Este ano, enquanto enfrentamos a crise global da COVID-19, o UNICEF aproveita a  oportunidade para Reimaginar um mundo melhor, inspirado por meninas adolescentes – que partilham as suas vozes e as suas soluções.

Hoje, em vários países, movimentos liderados por meninas estão a lidar com questões como a mudança climática, casamento infantil, injustiça racial, mutilação genital feminina, acesso à educação, saúde sexual e reprodutiva, desigualdade de habilidades e aprendizagem e saúde mental, demonstrando que elas podem contribuir para a mudança.

O UNICEF felicita  todas as meninas pelo seu dia.  Apesar de ter sido instituído relativamente há pouco tempo, em 2011, após reconhecimento da Assembleia Geral das Nações Unidas, o Dia Internacional da Menina, representa um vitória na luta de décadas pelos direitos da menina.

Contacto para os media

Heitor Lourenço
Oficial de Comunicação
UNICEF Angola
Telefone: +244 936 836 015

Sobre o UNICEF

O mandato do UNICEF centra-se na promoção e protecção dos direitos e bem-estar de todas as crianças. Juntamente com os seus parceiros, trabalha em 190 países e territórios para traduzir o seu compromisso com as crianças em acções concretas, centrando especialmente os seus esforços em chegar às crianças mais vulneráveis e marginalizadas, para o benefício de todas as crianças, em qualquer parte do mundo.

Para saber mais sobre o trabalho do UNICEF em Angola visite: www.unicef.org/angola, siga-nos no Twitter, Facebook e Instagram.