Vidas reais

Vidas reais

 

Ensina-me como usar a argola!

Ensina-me como usar a argola
© UNICEF Mozambique/2012/C.Bach
As habilidades, no uso das argolas, pelas crianças da Escola do Bairro 3 da Vila de Chibuto são impressionantes. As argolas brilhantes coloridas de néon são tão populares que o distrito convida os estudantes a exibir os seus talentos em eventos oficiais.

Os grãos de areia no interior das argolas criam um som característico que pode ser ouvido em todo o Bairro 3 da Vila. Logo que o sino toca a assinalar o intervalo, as crianças saem a correr das salas de aulas para apanhar as argolas com as suas cores preferidas, cor de rosa vivo, amarelo, verde e azul, todos espalhados pelo quintal, enchendo o ar com seu som.

Tarcizia Narcizo Nguzi tem 8 anos e está ocupada com a sua argola. "Já o fiz, dez vezes hoje!" diz ela, exibindo como ela consegue fazer girar a argola de plástico a volta da sua cintura, do seu braço, pescoço e da sua perna. "Serei médica quando crescer e direi aos meus pacientes para brincarem com as argolas, o meu professor diz que é bom para o corpo."

O professor de educação física, José Carlos Manhiça, usa as argolas diariamente no seu trabalho. "Recebemos mais de 50 destes tubos como parte do kit desportivo da iniciativa Escolas Amigas da Criança. Elas proporcionam uma forma fácil e engraçada de activar as crianças e existem muitos tipos de exercícios que se podem fazer com as argolas. Para as nossas condições, isto é perfeito."

A Directora Pedagógica, Joana Francisco Cuna, afirma estar feliz com a popularidade das argolas. "As crianças amam as argolas e toda a brincadeira ajudam-a a manterem-se saudáveis. De facto, elas são tão boas que a nossa escola sempre é convidada a fazer exibições sempre que há actividades no distrito. Estamos muito orgulhosos das crianças e da nossa escola." diz ela.

Tanto ela como o Sr. Manhiça observaram que a escola começou a atrair crianças mais novas desde que a iniciativa de educação física e desportos começou. "Olha para este rapaz, por exemplo,"diz o Sr. Manhiça, apontando para Eugénio Romeo Machava, "ele começou a vir para cá há dois anos atrás mesmo antes de começar a frequentar a escola!"

Eugénio sorri timidamente, "É verdade. Eu tinha amigos aqui e queria brincar com as argolas. Não havia nenhum problema; eu podia estar aqui e os alunos me ensinavam como usa-las. Estava mesmo ansioso por começar a estudar."

Isto é exactamente o que o Sr. Manhiça queria destacar porque ele é professor no Bairro 3 da Cidade há 10 anos e tem testemunhado a mudança. "Nós definitivamente temos mais crianças no recinto da escola agora do que antes. As crianças mais novas vêm brincar e elas chegam mesmo a participar das aulas de educação física, a uma distância. O que é mais importante, contudo, é que elas estão a ficar habituadas à escola e a estar aquí. As cores das argolas atraemnas, elas ficam a conhecer as crianças mais velhas e distraem-se. Tudo isto facilita grandemente o seu enquadramento nos primeiros meses na escola.

"E eu posso fazer isto também!" Tarcizia grita à distância, fazendo girar a argola sobre os seus joelhos.

 

 

 

 

Redes sociais

Escolas Amigas da Criança: Histórias de Moçambique

Search:

 Email this article

unite for children