Imprensa

Centro de imprensa

Notícias

Comunicados de imprensa

Discursos oficiais

Vídeos

Fotografias

Rede de jornalistas amigos da criança

Dia Internacional da Criança na Rádio e Televisão

Calendário de eventos

Informação prática

Contacte-nos

Galeria de fotos

 

Saúde e Vida: Por que é importante o aleitamento materno?

Saude e Vida
© UNICEF
Estima-se que a vida de pelo menos 1,2 milhões de crianças poderiam ser salvas todos os anos através do aumento e melhoria do aleitamento materno.

MAPUTO, Moçambique, 22 Agosto 2011 - Os bebés que são amamentados crescem melhor e são mais saudáveis do que os bebés que são alimentados com fórmulas infantis.

Se uma grande maioria dos bebés fossem exclusivamente alimentados com leite materno nos primeiros seis meses de vida - ou seja, alimentados somente com leite materno, sem qualquer outro líquido ou sólido, nem mesmo água - estima-se que poderiam ser salvas as vidas de pelo menos 1.2 milhões de crianças por ano. Se as crianças continuassem a ser amamentadas até aos dois anos ou mais, poder-se-iam melhorar substancialmente a saúde e o desenvolvimento de milhões de crianças.

As crianças que não são amamentadas têm um maior risco de contrair doenças que podem comprometer o seu crescimento e aumentar a probabilidade de morte ou invalidez. O leite materno proporciona aos bebés protecção contra doenças.

A amamentação é a forma natural e recomendada de alimentação de todas as crianças, mesmo quando a alimentação artificial é acessível, existe água potável disponível, e há boas condições de higiene para preparar e dar à criança fórmulas infantis.

Se a mãe é seropositiva, pode haver o perigo de ela transmitir o HIV ao bebé através da amamentação. Com aconselhamento ela pode ser ajudada a ponderar cuidadosamente os riscos e a tomar uma decisão informada sobre qual a opção de alimentação que melhor se apresenta para o bebé e é mais viável para ela.

Quase todas as mães podem ser bem sucedidas a dar de mamar. Todas as mães, e particularmente as que se sentem inseguras em amamentar precisam de estímulo e apoio prático do pai do bebé e dos seus familiares e amigos. Os profissionais de saúde, os agentes comunitários, as organizações de mulheres e os empregadores também lhes podem prestar o seu apoio.

Todas as pessoas têm direito a informação sobre os benefícios do aleitamento materno e os riscos da alimentação artificial. Os governos têm a responsabilidade de fornecer essa informação. As comunidades, bem como os media e outros canais de comunicação, podem desempenhar um papel fundamental na promoção do aleitamento materno.

Para saber mais sobre amamentação e as vantagens do aleitamento materno, leia as oito principais mensagens de 'Saúde e Vida’ (Facts for Life) abaixo. Cada mensagem é seguida por um link para informações mais detalhadas sobre cada tópico.

1. O leite materno, em exclusivo, é a melhor comida e bebida para uma criança nos seus primeiros seis meses de vida. Ela não necessita de nenhum outro alimento ou bebida, nem mesmo água, durante esse período.
http://www.factsforlifeglobal.org/04/1.html

2. Os recém-nascidos devem ser dados às mães para que elas os tomem nos braços imediatamente após o parto. Devem manter contacto pele com pele com a mãe, devendo a amamentação ter início na primeira hora após o nascimento.
http://www.factsforlifeglobal.org/04/2.html

3. Quase todas as mães podem ser bem sucedidas na amamentação. Dar frequentemente de mamar ao bebé estimula a produção de leite. O bebé deve mamar pelo menos oito vezes por dia, dia e noite, e sempre que o desejar.
http://www.factsforlifeglobal.org/04/3.html

4.A amamentação ajuda a proteger os bebés e as crianças contra doenças perigosas, criando também uma relação particular entre a mãe e a criança.
http://www.factsforlifeglobal.org/04/4.html

5. Utilizar biberão e dar um substituto do leite materno, como fórmulas infantis e leite animal, podem pôr em causa a saúde do bebé e a sua sobrevivência. Caso a mãe não possa dar de mamar ao bebé, pode extrair o seu leite e dá-lo com a ajuda de uma chávena comum limpa. Se necessário, pode recorrer a um substituto de leite materno de qualidade, utilizando também chávena e colher.
http://www.factsforlifeglobal.org/04/5.html

6. Se uma mulher estiver infectada com HIV, há o risco de ela poder transmitir a infecção ao seu bebé por via da amamentação. Nos primeiros seis meses, esse risco é muito maior se o bebé for alimentado com leite materno e outros líquidos e alimentos do que apenas com leite materno. É por isso recomendável que se dê ao bebé unicamente leite materno durante os primeiros seis meses, a menos que seja aceitável, viável, acessível, sustentável e seguro dar-lhe exclusivamente substitutos do leite materno (preparados lácteos para bebés).
http://www.factsforlifeglobal.org/04/6.html

7. Uma mulher que trabalhe longe de casa pode continuar a amamentar o seu filho ou filha. Deve dar de mamar todas as vezes que puder, quando está com o bebé e, não podendo estar junto dele, deve extrair o seu leite de maneira que uma outra pessoa o possa dar ao bebé de forma limpa e segura.
http://www.factsforlifeglobal.org/04/7.html

8. Após os 6 meses, altura em que os bebés começam a comer outros alimentos, a amamentação deve prosseguir, pelo menos até aos dois anos de idade, por se tratar de uma importante fonte de nutrientes, energia e protecção contra doenças.
http://www.factsforlifeglobal.org/04/8.html

Para mais informações, favor contactar

Arild Drivdal, UNICEF Moçambique, tel. (+258) 21 481 100; email: maputo@unicef.org

Gabriel Pereira, UNICEF Moçambique, tel. (+258) 21 481 100; email: maputo@unicef.org

 

 
Search:

 Email this article

unite for children