Imprensa

Centro de imprensa

Notícias

Comunicados de imprensa

Discursos oficiais

Vídeos

Fotografias

Rede de jornalistas amigos da criança

Dia Internacional da Criança na Rádio e Televisão

Calendário de eventos

Informação prática

Contacte-nos

Galeria de fotos

 

Em todo o mundo, o UNICEF comemora a Semana Mundial do Aleitamento Materno levando a mensagem para além das unidades sanitárias

© MISAU
Aleitamento materno pode salvar a vida do seu bebé. Nenhuma outra intervenção preventiva é mais rentável para reduzir o número de crianças que morrem antes dos cinco anos.

MAPUTO, Moçambique, 22 Agosto 2011 - Durante a Semana Mundial do Aleitamento Materno, o UNICEF junta-se a outros parceiros mundiais na exortação sobre os benefícios do aleitamento materno a ser transmitida para além das unidades sanitárias, maternidades para o público em geral, garantindo que os jovens tanto no mundo em desenvolvimento e nos mais países mais ricos entendem a importância da amamentação muito antes de eles se tornarem pais.

O aleitamento materno está directamente ligado à redução da mortalidade de crianças menores de cinco anos, mas apenas 36 por cento das crianças com menos de seis meses de idade nos países em desenvolvimento são amamentadas exclusivamente.

"Com tanta coisa em jogo, precisamos fazer mais para atingir as mulheres com uma mensagem simples e poderosa: O aleitamento materno pode salvar a vida do seu bebé", diz Jesper Morch, Representante do UNICEF em Moçambique. "Não há outra intervenção preventiva mais rentável para reduzir o número de crianças que morrem antes de completar seu quinto aniversário."

Os poderosos benefícios da amamentação para a sobrevivência infantil, crescimento e desenvolvimento são bem conhecidos. Evidências científicas têm demonstrado que a amamentação pode levar a uma redução de 13 por cento das mortes de crianças menores de cinco anos se os bebés forem amamentados em exclusivo por 6 meses e continuarem a ser amamentados até ao seu primeiro aniversário.

A amamentação também tem um papel importante na prevenção de nanismo (baixa estatura para a idade), uma condição que pode causar danos físicos e cognitivos irreversíveis, e que é visto como um indicador-chave que reflecte as desigualdades na sociedade. Dada a sua importância crítica, o UNICEF apoia todos os esforços para acelerar os esforços globais para melhorar as taxas de aleitamento materno no mundo, em cada país e com um foco especial no atendimento às populações mais desfavorecidas e de difícil acesso.

Semana Mundial do Aleitamento Materno
© MISAU
Amamentado é melhor alimentado, quer o bebé nasça no Uganda ou na Inglaterra, China ou Canadá.

As mulheres geralmente têm recebido informações sobre a importância da amamentação exclusiva quando vão para as consultas pré-natais ou depois do parto. É por isso que as unidades sanitárias baseadas nas comunidades devem ter pessoal que não apenas possuem conhecimentos actualizados e habilidades para apoiar as mães iniciarem a amamentação, mas também oferecerem orientações e esclarecimentos sobre como manter a amamentação exclusiva nos primeiros seis meses e continuar a amamentar até os dois anos ou mais.

No entanto, enquanto as taxas de aleitamento materno no mundo em desenvolvimento estão a aumentar em dois terços dos países com dados de tendência, milhões de crianças não estão se beneficiando com esta prática vital.

É claro que um público mais amplo de advogados precisa ser cultivado por meio de novas e criativas maneiras para se comunicar com as mães e famílias. Sensibilização para além dos limites da maternidade é fundamental para alcançar esses públicos mais amplos, incluindo crianças e jovens.

O UNICEF abraça a ideia de usar todos os meios possíveis de comunicação e incentiva os outros a fazerem o mesmo, usando a oportunidade da Semana Mundial do Aleitamento Materno para desencadear a acção que continue durante todo o ano.

A celebração deste ano destaca o papel que cada membro da sociedade pode desempenhar para aumentar a conscientização sobre o aleitamento materno - um início natural e nutrir a vida dos bebés e mães. Ele também enfatiza que a comunicação sobre o aleitamento materno deve tirar proveito das ferramentas dos meios de comunicação tradicionais e não tradicionais.

Para mais informações, favor contactar

Arild Drivdal, UNICEF Moçambique, tel. (+258) 21 481 100; email: maputo@unicef.org

Gabriel Pereira, UNICEF Moçambique, tel. (+258) 21 481 100; email: maputo@unicef.org

 

 
Search:

 Email this article

unite for children