Imprensa

Centro de imprensa

Notícias

Comunicados de imprensa

Discursos oficiais

Vídeos

Fotografias

Rede de jornalistas amigos da criança

Dia Internacional da Criança na Rádio e Televisão

Calendário de eventos

Informação prática

Contacte-nos

Galeria de fotos

 

Rádio comunitária ajuda a combater o abuso e a violência contra a criança

© UNICEF Moçambique

Búzi, Moçambique, Junho 2010 – Desde a sua abertura alguns anos atrás, a pequena estação de rádio do distrito do Buzi, na província de Sofala, tem desempenhado um papel importante na promoção do diálogo entre os membros da comunidade sobre assuntos que os afectam. Cada vez mais a rádio tem-se tornado num fórum onde todos podem falar de assuntos sensíveis que a pouco tempo atrás seriam considerados tabus, como o abuso sexual e a violência doméstica.

“Falar da violência e do abuso na rádio tem tido um impacto positivo e profundo na vida e bem estar das crianças na nossa comunidade”, diz Mafeca, o coordenador da rádio comunitário de Búzi.

Quando questionado sobre a incidência da violência e abuso de crianças em Buzi, Mafeca conta um caso recente de violação envolvendo uma rapariga de 11 anos de idade que foi sexualmente abusada por um enfermeiro num centro de saúde local.

O caso foi descoberto quando um professor, preocupado com o comportamento estranho da rapariga na escola, decidiu falar com a criança e com os seus pais. A família procurou o Gabinete de Atendimento à Mulher e à Criança Vítimas de Violência e Abuso, com vista a obter apoio legal, médico e aconselhamento psicossocial por técnicos especializados.

Existem cerca de 200 Gabinetes de Atendimento ao longo do país. Numa parceria entre o Ministério do Interior e o UNICEF, estes gabinetes providenciam um espaço seguro onde as mulheres e crianças vítimas de violência, abuso e exploração podem denunciar os abusadores e serem referidas para serviços especializados. Os gabinetes desempenham também um papel importante na mobilização das comunidades à volta da violência e abuso, de modo a que possam melhor prevenir e responder aos casos.

Muitas raparigas vítimas de violência não reportam os casos de abuso sexual às autoridades devido ao estigma e a descriminação à volta do assunto entre as crianças, adolescentes, pais, familiares e a comunidade. Mesmo quando a polícia e outras autoridades querem seguir o caso, os pais geralmente bloqueiam as diligências por considerarem um assunto a ser resolvido no seio ou entre as famílias.

Esta é a razão pela qual as rádios comunitárias podem desempenhar um papel importante na sensibilização sobre o problema e na educação das pessoas sobre como podem reportar casos de violência e abuso na comunidade. Mafeca explica que tem visto uma significativa mudança de atitude desde que a Rádio Comunitária do Búzi começou a abordar estes assuntos.

“Antes as pessoas estavam relutantes em usar a rádio como plataforma para denunciar casos de violação dos direitos da criança, mas agora estão mais conscientes do problema e usam a rádio para discutir o assunto”, diz Mafeca. “Agora as pessoas retornam para perguntar sobre o ponto de situação dos casos, se terão sido resolvidos”.

Existem cerca de 60 rádios comunitárias ao longo do país coordenadas pelo Forum das Rádios Comunitárias, com o apoio do UNICEF. Em Búzi, a rádio comunitário tornou-se num poderoso meio para os membros da comunidade transmitirem as suas preocupações e advogarem junto das autoridades.

Dados do Ministério do Interior revelam que mais de 2,700 raparigas e rapazes foram expostos à violência, abuso e exploração em 2009. Contudo, este número representa apenas os casos reportados à polícia. Profissionais trabalhando nesta área acreditam que o número de casos reportados anualmente é significativamente menor do que o número real de crianças vítimas de violência, abuso e exploração.

 

 
Search:

 Email this article

unite for children