Imprensa

Centro de imprensa

Notícias

Comunicados de imprensa

Discursos oficiais

Vídeos

Fotografias

Rede de jornalistas amigos da criança

Dia Internacional da Criança na Rádio e Televisão

Calendário de eventos

Informação prática

Contacte-nos

Galeria de fotos

 

Primeira fábrica de Alimento Terapêutico Pronto para Uso em Moçambique lançada na cidade da Beira

© UNICEF Moçambique/Emidio Machiana
Alimento Terapêutico Pronto para Uso (ATPU) produzido numa fábrica lançada na cidade da Beira, como parte da parceria entre o Ministério da Saúde, a empresa Joint Aid Management e o UNICEF.

Moçambique, Abril de 2010 - A primeira fábrica de Alimento Terapêutico Pronto para Uso (ATPU) em Moçambique será lançada na cidade da Beira no dia 5 de Abril pelo Ministro da Saúde, Professor Dr. Paulo Ivo Garrido, num esforço que visa intensificar as intervenções integradas de nutrição em todo o país, mais especificamente o tratamento ambulatório da desnutrição aguda grave.

Esta inauguração resulta de uma parceria entre o Ministério da Saúde, a Joint Aid Management (JAM) e o UNICEF. A fábrica baseada na cidade da Beira é uma franquia da empresa francesa Nutriset, detentora da patente do ATPU chamado Plumpy'nut.

"A inauguração desta fábrica é um exemplo concreto do que o sector privado e público podem alcançar quando trabalham juntos", disse a Representante do UNICEF, Leila Pakkala.

O ATPU é uma pasta baseada em amendoim, que contém uma mistura de leite em pó, óleo, açúcar, vitaminas e minerais em proporções adequadas para o tratamento de uma criança desnutrida.

Cerca de quatro por cento das crianças menores de cinco anos em Moçambique sofrem de desnutrição aguda, e entre estes um pouco mais de um por cento sofre de desnutrição aguda grave.

O tratamento tradicional da desnutrição aguda grave é baseado no tratamento hospitalar com medicamentos essenciais e leites terapêuticos específicos (designados F-75 e F-100), que podem implicar internamento da criança por cerca de três a quatro semanas, com a presença da mãe. O ATPU, no entanto, permite o tratamento em casa das crianças com mais de seis meses de idade, que não tenham outras complicações requerendo cuidados hospitalares.

O ATPU não requer nenhuma preparação ou supervisão especial, de forma que um adulto não treinado para o efeito - como um pai ou uma mãe - pode dá-lo a uma criança desnutrida em casa e levá-la ao ambulatório para observação, permitindo que os governos reduzam os gastos em alimentação terapêutica nos hospitais e centros de saúde.

A fábrica da Beira é capaz de produzir 500 mil toneladas de ATPU por ano, o suficiente para tratar cerca de 35.000 crianças desnutridas.

Os seguintes países também produzem o ATPU a nível local: República Democrática do Congo, República Dominicana, Etiópia, Índia, Madagáscar, Malawi, Níger e Tanzania.

 

 
Search:

 Email this article

unite for children